24 de Outubro de 2014

José Pedro é o escolhido para suceder a Nuno Costa no Grijó

José Pedro foi o homem escolhido para recolocar o Grijó no Campeonato Nacional de Seniores
José Pedro foi o treinador escolhido pela direcção do Grijó para suceder a Nuno Costa no comando técnico da equipa gaiense.
Natural de Lourosa, o técnico já passou pelos bancos de Fiães, Portosantense, Arouca, Cesarense e Oliveira do Hospital.
O A Bola é Redonda falou com o técnico, que explicou como se processou este ingresso no Grijó e quais são as suas expectativas para esta aventura: "Foi tudo muito rápido. Alguém se lembrou do meu nome e mediante o meu currículo acharam que era a pessoa ideal para treinar o Grijó. Fiquei muito contente, apesar de ser uma situação diferente daquela a que estava habituado", referiu o técnico, uma vez que é a primeira vez que orienta uma equipa dos escalões distritais. Relativamente ao currículo, este fala por si, uma vez que alcançou subidas com o Fiães (2003/04), Arouca (2007/08) e Cesarense (2009/10).
José Pedro representou o
Marítimo seis épocas
Relativamente aos objectivos dos grijoenses, estes mantêm-se intactos e o técnico acredita que o Grijó tem condições para se manter nos escalões nacionais: "O clube tinha traçado um objectivo e é isso que vamos tentar fazer, mas temos que pensar jogo a jogo. Vamos tentar resolver as coisas e colocar o clube no Campeonato Nacional de Seniores, pois tem boas estruturas e um escalão acima é o ideal para o clube", afirmou o técnico.
Como jogador, José Pedro também tem um vasto currículo, sempre nos escalões nacionais, principalmente nos profissionais. Depois de acabar a formação no Lus. Lourosa, representou a equipa nas antigas 3ª Nacional e 2ª Nacional de onde saltou para o Portimonense da I Divisão Nacional, representando os algarvios durante quatro temporadas. Depois de uma época na recém criada Divisão de Honra ao serviço do Portimonense, José Pedro passou a integrar os quadros do Marítimo, clube que representou durante seis temporadas sempre ao mais alto nível. Já numa fase final da carreira, ingressou no Nacional na Divisão de Honra e terminou a carreira ao serviço do Lus. Lourosa, na época 1998/99 na 2ª B.

Óscar Nogueira analisa a 3ª Eliminatória da Taça de Portugal

Óscar Nogueira analisou mais uma eliminatória da Taça de Portugal e mais uma jornada da Divisão d'Elite
Cumpriu-se mais uma eliminatória da Taça de Portugal em que o tomba-gigantes foi o Santa Maria do Campeonato Nacional de Seniores, ao eliminar a Académica da 1º Liga!
Alem desta surpresa, houve também vários jogos interessantes mas o nosso foco foi o Serzedo-Sp. Espinho, Coimbrões-Rio Ave e o Salgueiros 08-UD Oliveirense.
Neste ultimo assistimos a um jogo com partes distintas. Na primeira parte observamos um Salgueiros cauteloso e a respeitar em demasia a equipa adversária, o que lhes  permitiu a obtenção de três golos mesmo tendo feito pouco por isso. Já na etapa complementar, vimos a equipa da casa desinibida, atrevida e provando que tinha armas para poder discutir esta eliminatória. Penso que a diferença mínima condizia mais com o que se passou durante o jogo.
Em Coimbrões, como era de esperar, verificou-se algum desequilíbrio qualitativo mas o querer e carácter dos jogadores gaienses, deixou sempre em aberto o resultado até ao fim.
O Rio Ave, com mais dinâmica e intensidade de jogo, tirou proveito dos dotes técnicos dos seus jogadores, colocando em sentido a defesa da casa e proporcionando algumas boas intervenções ao guarda-redes Hélder, que foi anulando o golo da tranquilidade aos vila condenses. Assim, a equipa gaiense, com uma boa organização defensiva, e tentando tirar proveito da velocidade de alguns seus jogadores, ia mostrando alguma capacidade para causar estragos, mas logo ficou limitada com a lesão do Pedro Tavares que se mostrava o jogador mais irreverente.
Resumindo, o jogo foi quase sempre controlado e com naturalidade pelo Rio Ave, mas sempre com boa réplica e atitude do Coimbrões, que apesar de jogar duas divisões abaixo dignificou o espectaculo!
Já o jogo em Serzedo, como tinha projectado, foi mais equilibrado e decidido de forma dramática na marcação de grandes penalidades
O Sp. Espinho tentou, de início, assumir o jogo com mais posse de bola e chegando mais perto da baliza dos da casa, encontrando uma equipa na expectativa, estando sempre atenta aos erros adversários para sair em transição rápida criando algum perigo.
Á passagem de pouco mais da meia hora, a equipa da Costa Verde teve a contrariedade de ficar com menos um homem, o que dificultou a constante posse e fez com que não pudesse ser tão segura e esticada no terreno. Do outro lado, o Serzedo cresceu mais um pouco e apareceu com mais naturalidade na área contraria. À medida que o tempo foi passando, aproveitou o desgaste físico da equipa forasteira, acentuou o ataque, tentando evitar os penaltis, o que lhes viria a ser fatal.
O resultado aceita-se, devido ao Sp. Espinho ter jogado quase 90' com menos um homem, o que lhes tirou algum favoritismo e, do outro lado, o Serzedo aproveitando as limitações espinhenses, também teve chances de vencer. Depois a sorte sorriu á equipa do CNS.
Na Divisão d'Elite,  verificou-se um desperdício dos clubes da frente ao não vencer os seus jogos, deixando outros aproximar-se, mas havendo outros que não aproveitando estas escorregadelas, como o caso de Vila Meã e Grijó, adiaram mais uma jornada para se aproximarem dos lugares que desejam.
Continua a assistir-se a algum equilíbrio, que é dominante neste campeonato.

Óscar Nogueira

Perosinho soma terceira derrota seguida e cai para o fundo da tabela


Local: Complexo Desportivo do Os Lusitanos
Hora: 15h
Árbitro: Ana Afonso

Os Lusitanos: Zé Filipe, Sérgio Teixeira, Gouveia, Tarrelo e Ricardo Silva (Carvelli 71'), Pipo, Suiço (Paulo 71') e Filipe Teixeira, Letra, Ze Vina (Ricardinho 65') e David.
Treinador: Paulo Silva

Perosinho: Rui Neves, Elói, Fábio, Miguel Neto e Jorginho, Gasosa (Resende 58'), Dominguez (Romano 40') e Nandinho, Mário (Castro 85'), Pedro Santos (Diogo 58') e Ricky (Tiago Pinto 58').
Treinador: Alfredo Mendes

Resultado ao intervalo: 1-1
Resultado final: 2-1

Marcadores: Pipo (5') e David (61') para o Os Lusitanos e Pipo (15' na p.b.) para o Perosinho

O Perosinho somou a terceira derrota seguida no campeonato e caiu para a 13ª posição da tabela classificativa, apenas com três pontos somados, fruto da vitória na primeira jornada frente ao São Vítor. A equipa de Alfredo Mendes não conseguiu contrariar o futebol dos matosinhenses e logo aos cinco minutos de jogo Pipo abriu o marcador para o Os Lusitanos. O mesmo Pipo voltaria a marcar à passagem do quarto de hora, mas na baliza errada, apontando um auto-golo que permitiu aos gaienses empatar a partida. 
Já no segundo tempo foi David a desfazer o empate aos 61' dando a vantagem à equipa da casa, resultado com que terminou o jogo.
Alfredo Mendes, técnico dos azuis e brancos, refere que a sua equipa ainda não conseguiu assimilar os processos que são trabalhados durante a semana, nos jogos: "A equipa ainda está um pouco descrente. Ainda não conseguimos aplicar aquilo que trabalhamos durante a semana, nos jogos. Falta-nos uma vitória para que as coisas mudem", referiu o treinador, que desvaloriza a posição classificativa: "Ainda estamos no início, pelo que essa preocupação não se põe. É uma equipa nova, treinador novo, processos novos e que ainda não foram bem assimilados, por isso ainda não apareceram. Confiamos nos jogadores e vamos fazer tudo para irmos para os lugares que traçamos, os primeiros cinco da tabela. Queríamos mais nesta altura, mas este é um processo que demora tempo", concluiu Alfredo Mendes.
O Perosinho joga no próximo domingo com o Castêlo da Maia, em casa, às 15h deste domingo.

23 de Outubro de 2014

Bolas paradas fatais para os oliveirenses


Local: Estádio Municipal da Lavandeira
Hora: 15h
Árbitro: Paulo Nunes

Oliveira do Douro: Faria, David Santos, Carlos Pinto, Pereira e Daniel Pinto, Gui, Careca e Bruninho (Miguel 77'), Fábio Rola (Nicola 68'), Rui João (Luís Pereira 77') e Penantes.
Treinador: Alexandre Ribeiro

Rebordosa: Vasco Viana, Rui Alves, Baptista, Quim e Paulo Monteiro, Filipe Carvalho, Pinto (Vieira 79') e Serginho, Bock, Brandão (Fábio 79') e Rui Miguel (Oliveira 60').
Treinador: Tonanha

Resultado ao intervalo: 1-1
Resultado final: 2-2

Marcadores: Penantes (14') e Rui João (53') para o Oliveira do Douro e Pinto (37') e Filipe Carvalho (83') para o Rebordosa

O Oliveira do Douro cedeu pontos na recepção ao Rebordosa, ao empatar a dois golos, interrompendo assim uma série de quatro vitórias consecutivas.
A formação de Alexandre Ribeiro adiantou-se no marcador à passagem do primeiro quarto de hora através do golo de Penantes, mas ainda antes do intervalo Pinto reestabeleceu a igualdade, na sequência de um pontapé de canto. 
Na segunda parte Rui João voltou a dar vantagem aos oliveirenses, mas a sete minutos do fim da partida Filipe Carvalho voltou a empatar, novamente na marcação de um pontapé de canto, estabelecendo o resultado final.
Alexandre Ribeiro, técnico dos oliveirenses, refere que a sua equipa foi superior ao adversário: "Foi um jogo difícil como já estávamos à espera. Conseguimos chegar por duas vezes á vantagem no marcador, mas em dois lances de bola parada o Rebordosa conseguiu igualar. No geral acho que fomos superiores ao nosso adversário e tivemos as melhores oportunidade de golo, mas não conseguimos materializar essa superioridade", afirmou.
O Oliveira do Douro beneficiou da derrota do Rio Tinto para ainda assim conseguir aumentar a vantagem e cimentar a primeira posição, somando agora 20 pontos.
No próximo domingo os oliveirenses deslocam-se ao terreno do Gens.


22 de Outubro de 2014

Dragões Sandinenses perdem e complicam apuramento para a fase seguinte


Local: Estádio do Tourão
Hora: 15h
Árbitro: Luís Rocha

Dragões Sandinenses: Xavier, Armando (Vitinha 70'), Bruno, Carvalho e Oliveira, João Alves, Hélder (Gomes 46') e Carlos (Miguel 46'), Pedro Gabriel (Zezinho 46'), Tavares (Zé Luís 46') e Avelino.
Treinador: José Almeida

Custóias: Figueiras, Santa Cruz, Flávio, Renato e Diogo, Ricardo, Estrela (Rúben 87') e Medeiros, Pedro, Alan e Ivo.
Treinador: Mário Rui

Resultado ao intervalo: 0-2
Resultado final: 1-3

Marcadores: Medeiros (25'), Ivo (35') e Santa Cruz (75') para o Custóias e Avelino (46') para o Dragões Sandinenses

O Dragões Sandinenses escorregou na terceira jornada do Grupo 6 da Taça Brali, colocando em risco a passagem à fase seguinte. No passado domingo a equipa recebeu o Custóias e acabou por perder por 1-3, numa partida onde a equipa voltou a sentir dificuldades na finalização, desperdiçando algumas boas ocasiões que criou.
O Custóias chegou ao intervalo a vencer por 0-2, aproveitando dois lances de contra-ataque bem delineados. No início do segundo tempo Avelino reduziu e devolveu a esperança aos sandinenses, mas a 15 minutos do final, Santa Cruz matou as esperanças dos gaienses num bom resultado e deixa a equipa praticamente fora da corrida pelo primeiro lugar.
José Almeida, treinador do Dragões Sandinenses, refere a finalização como principal factor responsável pela derrota: "Foi um jogo que não correu nada bem. entramos mal na primeira parte, desconcentrados e sofremos dois golos em contra-ataque. Na segunda parte entramos bem melhor, reduzimos a desvantagem e ainda tivemos várias oportunidades de golo que falhamos e depois, em mais um lance de contra-ataque, sofremos o terceiro golo e acabamos por perder", disse o técnico.
Com este resultado o Dragões Sandinenses ocupa agora a quinta posição, com três pontos somados e com apenas duas jornadas por jogar. Apesar de ainda não estar completamente arredado da disputa pelo primeiro lugar, as contas ficaram agora mais difíceis.
No próximo domingo o campeonato está de regresso, com o Dragões Sandinenses a defrontar o Foz, novamente em casa, equipa que os gaienses já venceram na primeira jornada da Taça Brali por 2-1.
A partida está agendada para as 15h do próximo domingo.

Nuno Costa dispensado do Grijó

Nuno Costa (segundo a contar da esquerda) deixa o Grijó bem como a restante equipa técnica
Nuno Costa, treinador que chegou este ano ao Grijó proveniente do Leça, foi dispensado pelo Presidente dos gaienses, Manuel Gomes.
Tudo aconteceu na passada segunda-feira, após o empate dos grijoenses em casa, frente ao Gens, a um golo: "O Presidente comunicou-me antes do treino de segunda-feira que a nossa ligação tinha chegado ao fim. Queria terminar este projecto e ainda me sentia motivado para o fazer. Estamos a seis pontos do segundo classificado e a sete ou nove do primeiro, uma vez que ainda não se sabe muito bem como está essa situação, numa altura em que faltam 90 pontos para disputar", começou por referir o técnico, deixando no ar a ideia de que a 11ª posição na classificação não agradou a Manuel Gomes, uma vez que o objectivo do Grijó passa pelo regresso ao Campeonato Nacional de Seniores: "É esse o objectivo, voltar ao CNS o mais rápido possível. Só que temos um plantel praticamente novo, pois muitos dos jogadores do Grijó foram embora no final da época, uma equipa técnica nova e competimos contra planteis e treinadores que já estão juntos há algum tempo. Estas coisas levam o seu tempo a construir e é preciso paciência, que foi o que não tiveram", desabafou Nuno Costa, que não quis adiantar as razões dadas pela direcção grijoenses para a sua saída: "Não quero alimentar coisas. Acho apenas extremamente injusto. Não quero falar sobre o que ele disse, apenas o que penso", disse o técnico, que se sente injustiçado: "Isto é muito injusto. O Presidente fez tudo para que viesse para o Grijó, mesmo sabendo da minha posição no Leça e de que todos queriam que eu ficasse lá. Ele disse que o Grijó não era um cemitério de treinadores e agora acontece isto. Quando se tomam estas decisões, há que assumir as suas responsabilidades", concluiu o técnico, deixando no ar a ideia de que a sua saída não terá sido amigável.
Nuno Costa deixa o Grijó ao cabo de 10 jogos oficiais, oito para o campeonato e dois para a Taça Brali, onde somou três vitórias, dois empates e cinco derrotas e ainda não é conhecido o nome do seu substituto.

Estreia do novo relvado foi aziaga para o Pedroso


Local: Complexo Desportivo de Pedroso
Hora: 15h
Árbitro: Paulo Pinto

Pedroso: Chico, Cláudio (Rúben 45'), André, Hugo (Júlio 88') e Manito, Neves, Isidro e Alex (Nunes 73'), Dani (Fábio 45'), Pita e Cardoso.
Treinador: Manuel António

Leverense: Vítor, Paulo, Pinhal, Lopes e Diogo, Miguel, Pedro (Taison 40') e José (João Pinho 65'), Rafael (Luís 65'), Adriano e Hermes (João 50').
Treinador: Eduardo Paixão

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 0-1

Marcador: Adriano (78' de g.p.)

Adriano já rematou para o golo da vitória do Leverense no dérbi
Foto: Clube União Desportiva Leverense
O Pedroso perdeu o dérbi com o Leverense, no passado domingo, por uma bola a zero. Este jogo marcou o regresso do Pedroso a casa, uma vez que foi inaugurado o novo relvado sintético do Complexo Desportivo, adjacente ao Estádio Jorge Sampaio.
Numa partida bastante disputada, o Leverense acabou por sorrir já no segundo tempo, quando Adriano concretizou uma grande penalidade apontada pelo juiz da partida aos 78', estabelecendo assim o resultado final e 'estragando' a festa do Pedroso.
Manuel António, técnico pedrosense, afirma que a sua equipa falhou na finalização e que esse factor ditou o resultado final, apesar de o considerar injusto: "O que correu mal foi a finalização. Criamos oportunidades flagrantes de golo mas não as concretizamos. O Leverense é uma boa equipa e dificultou bastante a nossa missão, mas acredito que o resultado é injusto", disse.
Já Eduardo Paixão afirma que a sua equipa foi superior e que o Leverense mereceu a vitória: "Foi um jogo equilibrado na primeira parte. O Pedroso encaixou bem na nossa equipa, mas tivemos humildade e fomos superiores, por isso, merecemos a vitória", disse, destacando um aspecto negativo nesta inauguração do novo relvado sintético do Pedroso: "Jogar numa inauguração de uma relvado novo foi desumano, porque a relva estava seca, o que criou algumas queimaduras em alguns atletas", concluiu.
Com este resultado o Leverense ocupa o quarto lugar com nove pontos, os mesmos do Canelas 2010. Já o Pedroso manteve o nono lugar com quatro pontos.
No próximo domingo há dérbi entre o Leverense e o Crestuma, enquanto o Pedroso joga com o São Vítor, no terreno destes.

Crestuma permite reacção avintese no último quarto de hora


Local: Centro de Estágios Olival/Crestuma
Hora: 15h
Árbitro: Renato Barqueira

Crestuma: Paulo, Samuel, Correia (Rafael 78'), João Pinto e Campos (Diogo 60'), Bruninho (Fábio 78'), Lázaro e Sérgio, Lola, Ricardo e Pedro.
Treinador: Vítor Moreira

Avintes: Cláudio, Rochinha, Tiago Silva (Alex 65'), Oleh e Tiago Costa (Lelo 76'), António, Fonseca e Djaló, Nuno (Tiago Filipe 65'9, Bruno Vasconcelos e Telmo Pedrosa.
Treinador: Eduardo Moreira

Resultado ao intervalo: 1-0
Resultado final: 3-2

Marcadores: Lola (5'), Diogo (65') e Ricardo (68') para o Crestuma e António (74') e Djaló (83' de g.p.) para o Avintes

Djaló apontou o segundo do Avintes, na marcação de uma grande penalidade, e gerou incerteza no marcador
Foto: Futebol Clube Avintes - Equipa Sénior
Grande jogo protagonizado por Crestuma e Avintes no passado domingo, no Centro de Estágios Olival/Crestuma. A vitória sorriu à equipa da casa, por 3-2 mas terminou a partida a sofrer para segurar a vantagem, depois de ter estado a vencer por 3-0. O Avintes reagiu e por pouco não surpreendia o Crestuma, que com esta vitória manteve o segundo lugar na classificação. Lola abriu o marcador logo aos 5' de jogo, porém, já na segunda parte e apenas na última meia hora, o marcador voltou a funcionar. Diogo, que havia entrado minutos antes, dilatou a vantagem para os homens de Vítor Moreira aos 65' e três minutos depois Ricardo fez o 3-0. O Crestuma tirou o pé do acelerador e surgiu o Avintes, com António a reduzir para 3-1 a quinze minutos do final do jogo e já dentro dos últimos dez minutos Djaló apontou o segundo golo avintense, na marcação de uma grande penalidade, gerando a incerteza no marcador até ao apito final, sem contudo, existir mais alterações.
Vítor Moreira, técnico do Crestuma, destaca o desempenho da sua equipa até ao terceiro golo: "Foi um jogo muito bem disputado. Entramos bem, fizemos o 1-0 muito cedo e controlamos a partida até ao intervalo, apesar de termos recuado em demasia o que deu algum ascendente ao nosso adversário, sem que este tivesse grandes oportunidades de golo. Ao intervalo corrigimos o posicionamento da equipa, o que fez com que chegássemos aos 3-0, e ainda desperdiçamos algumas ocasiões para marcar", disse o técnico. O pior veio depois: "Aconteceu o que não pode acontecer. A minha equipa baixou a guarda, relaxou, desconcentrou e o adversário, de forma competente, aproveitou e chegou ao 3-2 o que nos fez sofrer para segurar a vitória", deixando o aviso para os próximos jogos: "Espero que os meus atletas tenham aprendido a lição. Os jogos só terminam ao apito do árbitro e quando se defrontam equipas de qualidade, como este Avintes, podemos pagar caro se não o fizermos", concluiu.
Já do lado do Avintes, Eduardo Moreira refere que a sua equipa acordou tarde para o jogo e que se tivesse mais alguns minutos, ainda poderia ter chegado ao empate: "Não entramos bem no jogo. Não estivemos ao nível que costumamos estar e sofremos três golos mais por culpa própria, do que por mérito do Crestuma. Quando tentamos reagir fomos tarde. Se tivéssemos reagido mais cedo ainda tínhamos empatado o jogo. Acordamos tarde para o jogo e quando assim é, não podemos falar em injustiça do resultado", disse o treinador.
Com este resultado o Crestuma mantém o segundo lugar da classificação, com 10 pontos, enquanto o Avintes ocupa a oitava posição com cinco e não vence desde a primeira jornada. 
No próximo domingo o Crestuma defronta o Leverense e o Avintes recebe o Os Lusitanos.

21 de Outubro de 2014

Alexandre Oliveira - "A formação não passa de uma utopia"

Alexandre Oliveira apenas esteve
quatro jornadas à frente do São Félix
Alexandre Oliveira foi despedido do comando técnico do São Félix, após a derrota com o São Vítor no passado fim-de-semana por 3-2.
O técnico havia chegado ao clube com o objectivo de apostar na formação dos azuis e brancos, sendo esse o projecto do clube para os próximos dois anos, que compreendia uma aposta sólida na formação e depois tentar o regresso à Divisão de Honra.
Porém, esse projecto esbateu-se ao cabo de quatro jornadas, sem pontos, e com o último lugar da tabela classificativa. 
Alexandre Oliveira foi apanhado de surpresa com a decisão da direcção liderada por César Rocha: "Fiquei sem raciocínio. Não estava à espera mesmo", começou por dizer o técnico, em exclusivo, ao A Bola é Redonda.
Com uma vasta experiência na formação, cerca de 10 anos, Alexandre Oliveira sabe que não se constroi um plantel competitivo de um dia para o outro e que a opção que a direcção tomou teria que ter tempo para dar os seus frutos: "O clube decide alterar e mudar o futebol sénior, o que implica logo uma redução orçamental, ou seja, assume a formação para dar continuidade ao futebol sénior com valores reduzidos. Constrois um plantel com oito seniores de primeiro ano, seis ou sete de segundo ano mais dois com idade júnior. Tens de gerir isto e construir uma identidade e, como é óbvio, exige trabalho e tempo mas os resultados são o prioritário", desabafa o técnico, que conta o que lhe foi dito na hora da saída: "Não chega jogar bem. Tens de ganhar rápido. O que interessa é ganhar. O próprio Presidente referiu que a juventude é o motivo da saída, claro que os resultados também são consequência", disse.
Por tudo isto, para Alexandre Oliveira, falar de formação é falar-se numa utopia: "Fala-se muito na formação, que se deve apostar na formação. Quando se aposta depois é o que se vê. A formação não passa de uma utopia. Dizem ser o futuro para sobreviver mas não é viável, os pontos vão estar sempre em primeiro lugar", atira.
Ainda assim, o treinador ficou satisfeito com estes cerca de dois meses de trabalho à frente do São Félix: "Fica a satisfação de que, pelo menos, durante dois meses foi possível demonstrar bom futebol, e isso foi reconhecido pelos nossos adversários. Os pontos eram uma questão de tempo", concluiu. técnico.
Ainda não surgiram nomes para a vaga deixada por Alexandre Oliveira, que se transformou assim na primeira 'chicotada psicológica' da época, na 1ª Distrital.

São Félix permite 'remontada' e mantém último lugar


Local: Complexo Desportivo de Campanhã
Hora: 15h
Árbitro: Tiago Loureiro

São Vítor: Seabra, Miguel Almeida, Branca, Tiago e Avelino, Soares (João Silva 44'), Caracol e Ruizinho, Coelho, Ivan (Diogo 44') e Hugo Almeida (Laranja 59').
Treinador: Jorge Bastos

São Félix: Pedro, Ricardo, Diogo (Gomes 69'), Daniel Lima (Pontes 44') e Reis (João Teixeira 69'), Bruno Lopes, Ribeiro (César Rocha 59') e André Cardoso, João Silva, Ricardo Carvalho (Guimarães 59') e Morgado.
Treinador: Alexandre Oliveira

Resultado ao intervalo: 1-2
Resultado final: 3-2

Marcadores: Reis (14') e Ribeiro (29') para o São Félix e Soares (42'), Coelho (55' de g.p.) e Diogo (66') para o São Vítor

O São Félix permitiu que o São Vítor protagoniza-se a reviravolta no marcador e acabou por somar a quarta derrota em outros tantos jogos, o que deixa a equipa na última posição da classificação da Série 1 da 1ª Distrital, ainda sem qualquer ponto conquistado.
A partida até começou bem para os gaienses, que se adiantaram no marcador à passagem do primeiro quarto de hora, com o golo de Reis. Quinze minutos depois, Ribeiro aumentou para 0-2 e tudo parecia bem encaminhado para o São Félix conseguir os três pontos. Porém, ainda antes do intervalo Soares reduziu para o São Vítor e acordou a sua equipa, que na segunda parte, protagonizou a reviravolta no marcador com golos de Coelho, aos 55', na marcação de uma grande penalidade que deixou muitas dúvidas aos responsáveis azuis-e-brancos e depois por intermédio de Diogo aos 66', num lance também muito contestado pelos gaienses, consumando assim a reviravolta e ficando com os três pontos.
Alexandre Oliveira, treinador do São Félix, estava desolado com mais este desaire e atribui responsabilidades ao árbitro da partida: "Antes do intervalo sofremos o 2-1, mais uma vez numa bola parada. Ao intervalo acertamos alguns detalhes que seriam fundamentais para dilatar o resultado e trazer os três pontos, quando sofremos um penalti fantasma que só o árbitro viu. Depois, num lance em que o jogador sai de uma posição de fora-de-jogo não assinalado, domina a bola com a mão e o golo é validado. O São Vítor, como equipa mais experiente, aproveitou ao máximo todos os momentos possíveis para quebrar o nosso ritmo ofensivo e saiu vencedor", disse o técnico.
Com este resultado o São Félix continua no último lugar, sendo a única equipa que ainda não conseguiu somar qualquer ponto nestas quatro primeiras jornadas. No próximo domingo a equipa recebe o Arcozelo.

Classificações - Divisão d'Elite Pro Nacional


Na Divisão d'Elite, o Oliveira do Douro mantém-se firme na frente da tabela e, apesar do empate caseiro com o Rebordosa, a equipa beneficiou da derrota do Rio Tinto no terreno do Aliados Lordelo para manter a primeira posição na classificação. 
O Candal acabou derrotado na deslocação a Paredes, por 2-1. A equipa gaiense não conseguiu segurar o ímpeto da equipa da casa, que em cinco minutos resolveu a questão, com golos aos 30' e 35'. Nem o golo candalense no início da segunda parte foi suficiente para mudar o rumo dos acontecimentos, permitindo assim ao Paredes somar o primeiro triunfo na prova.
O Valadares regressou ao trilho das vitórias e depois de três derrotas seguidas, a formação de Paulo Alexandre somou o segundo triunfo seguido ao receber e derrotar o Aliança Gandra por 2-1, subindo ao quarto lugar na tabela classificativa.
O Grijó não foi além de uma igualdade a uma bola na recepção ao Gens, deixando fugir o grupo da frente, ocupando actualmente o 11º lugar, com 11 pontos. 
Já o Serzedo viu a viagem a São Pedro da Cova ser adiada para o próximo dia 29 de Outubro, devido à participação da equipa na 3ª Eliminatória da Taça de Portugal, onde acabou derrotado pelo Sp. Espinho nas grandes penalidades, depois de uma igualdade a um golo ao fim dos 120 minutos de jogo.



Classificações - Taça Brali - Divisão de Honra - Grupo 6


Este fim-de-semana, na Divisão de Honra, o Campeonato deu lugar à terceira jornada da Taça Brali. O Canidelo, que liderava o Grupo 6, deslocou-se ao terreno do Foz e acabou derrotado por 2-1 permitindo ao Custóias, que venceu em casa do Dragões Sandinenses, assumir a liderança do grupo, quando faltam duas jornadas para o final desta primeira fase. No outro jogo deste grupo o Infesta venceu o Vila Fc por 3-2, numa partida com alguma polémica. Quatro dos cinco golos foram apontados através da marca da grande penalidade e a vitória chegou para os infestistas já no período de compensação, numa altura em que os gaienses jogavam reduzidos a oito elementos. Este resultado deixa o Vila Fc afastado da fase seguinte.



20 de Outubro de 2014

Classificações - 1ª Distrital Série 1


O Gulpilhares continua imparável na Série 1 da 1ª Distrital. A equipa gaiense somou o quarto triunfo em outros tantos jogos, ao receber e vencer o Águas Santas por duas bolas a zero. Os comandados de António Pereira assumem-se assim como um dos princiapis candidatos à subida e também à disputa do título de Campeão Distrital, um ano depois de ter descido da Divisão de Honra. O Crestuma confirma o bom início de época e o bom momento de forma que atravessa ao receber e vencer o Avintes por 3-2. A equipa de Vítor Moreira manteve assim o segundo lugar e continua na perseguição ao líder, Gulpilhares.
No outro dérbi da tarde, o Canelas 2010 derrotou o Arcozelo por 2-1, com os verde-e-brancos a somarem a segunda derrota seguida. A formação canelense ocupa assim a terceira posição, com nove pontos, os mesmos do Leverense que venceu o Pedroso por uma bola a zero.
O Perosinho voltou a perder, desta feita na deslocação ao terreno do Os Lusitanos. A equipa de Alfredo Mendes não conseguiu superiorizar-se aos matosinhenses e perdeu por 2-1, caindo para o 13º lugar da classificação. 
A inda sem vitórias está o São Félix, que no passado sábado somou a quarta derrota seguida, ao perder na deslocação ao terreno do São Vítor por 3-2. A equipa de Alexandre Oliveira não começou da melhor forma o campeonato e o último lugar é reflexo disso mesmo. 



Classificações - 2ª Distrital Série 1


O Pasteleira continua imparável na Série 1 da 2ª Distrital. A formação portuense recebeu o São Romão no passado sábado e goleou a equipa trofense por 7-1. É a segunda goleada consecutiva da turma de Afonso Martins, que confirma assim o estatuto de candidato à subida de divisão. O primeiro grande teste dos portuenses será no próximo domingo, quando a equipa se deslocar ao terreno do Desp. Portugal, que este domingo foi surpreendido em casa, pelo Marechal Gomes Costa, acabando derrotado por 1-3 e perdendo o comboio da frente.
O Torrão somou a terceira derrota seguida no campeonato. Depois da goleada sofrida no passado domingo, os gaienses não conseguiram contrariar o futebol do Sp. Cruz e acabaram derrotados por 3-0, proporcionando assim a primeira vitória aos portuenses. No próximo domingo os gaienses recebem o Roriz.



18 de Outubro de 2014

Dragões Sandinenses somam quarto empate consecutivo


Local: Campo da Citânia (Paços de Ferreira)
Hora: 15h
Árbitro: Rui Oliveira

Citânia de Sanfins: Macial, Miguel Santos, Baptista (nuno 85'), Valter e Pinto (Leandro 74'), Ascendino, Miguel (Santos 85') e Rui, Luís, Quintela (Antero 46') e Nelinho.
Treinador: Germano Pereira

Dragões Sandinenses: Xavier, Armando, Rogério, Pedro e Oliveira, Filipe, João e Hélder (Pedro 92'), Zezinho, Zé Luís (Gomes 78') e Tavares (Vitinha 78').
Treinador: José Almeida

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 1-1

Marcadores: Tavares (48') para o Dragões Sandinenses e Miguel (81') para o Citânia de Sanfins

O Dragões Sandinenses somou mais um empate na sexta jornada do Campeonato da Divisão de Honra da AF Porto. A equipa de José Almeida deslocou-se ao terreno do Citânia de Sanfins e trouxe uma igualdade a um golo, sendo este o quarto empate consecutivo da formação gaiense.
O Dragões Sandinenses demonstrou alguma superioridade perante um adversário que luta para sair da zona de despromoção e que é simultâneamente, à entrada para esta jornada, era o pior ataque com apenas um golo marcado e a pior defesa, com 12 golos sofridos. Ao intervalo registava-se um empate semgolos, situação desbloqueada por Tavares aos 48' dando vantagem aos sandinenses. Porém, a vantagem haveria de cair por terra a dez minutos do final do encontro, quando Miguel empatou para os homens da casa. 
Com este resultado o Dragões Sandinenses mantêm o 12º posto na classificação, agora com sete pontos, enquanto o Citânia de Sanfins ocupa o penúltimo lugar, com apenas três pontos somados.
No próximo domingo o Dragões Sandinenses recebem o Foz.

Dérbi termina empatado


Local: Complexo Desportivo de Avintes
Hora: 15h
Árbitro: Nélson Pascoal

Avintes: Cláudio, Cláudio Dias (Alex 86'), Rochinha, Tiago silva (João Baldaia 86') e Tiago Filipe (Djaló 46'), Oleh (Telmo Sousa 62'), António Campos e Nuno Rocha, João Pereira, Telmo Pedrosa e Bruno Vasconcelos.
Treinador: Eduardo Moreira

Pedroso: Chico, Cláudio, André, Isidro e Alex, Hugo, Neves e Cardoso, Manito (Rodrigues 69'), Berna (Fifa 20') e Gerson (João 86').
Treinador: Manuel António

Resultado ao intervalo: 1-0
Resultado final: 1-1

Marcadores: Nuno Rocha (16') para o Avintes e Cláudio (63') para o Pedroso

Avintes e Pedroso empataram a uma bola, em jogo da terceira jornada da Série 1 da 1ª Distrital da AF Porto. As duas equipas protagonizaram uma partida disputada e equilibrada, o que se reflectiu no resultado final. Os avintenses adiantaram-se no marcador ainda na primeira parte, através de Nuno Rocha, decorria o minuto 16. No segundo tempo o Pedroso correu atrás do prejuízo e acabou recompensado com o golo de Cláudio pouco depois dos 60' de jogo. Até final o resultado manteve-se inalterado com as duas equipas a dividirem os pontos.
Isidro, defesa do Pedroso, falou ao 'A Bola é Redonda' analisando o encontro: "A minha equipa entrou para vencer. Na primeira parte entramos bem e quando estávamos por cima do jogo, sofremos um golo caricato mas mesmo assim não fomos abaixo. Na segunda parte entramos bem, fomos atrás do prejuízo, e conseguimos com um grande golo do Cláudio. O empate foi justo para as duas equipas", disse o atleta.
O Pedroso joga este domingo em casa, fazendo assim a estreia do novo relvado, frente ao Leverense. A partida tem início às 15h.

17 de Outubro de 2014

Crestuma ascende ao segundo lugar


Local: Estádio do Perosinho
Hora: 15h
Árbitro: Diogo Cancela

Perosinho: Rui Neves, Elói (Diogo 65'), Fábio, Neto e Vaz (Pinto 25'), Mário Dominguez (Resende 65') e Nando, Gasosa, Serginho e Castro.
Treinador: Alfredo Mendes

Crestuma: Paulo, Samuel, Correia, Zé Pinto (Campos 30') e Teixeira (Eduardo 40'), Bruninho (Diogo 80'), Lázaro e Sérgio, Lola, Ricardo e Pedro.
Treinador: Vítor Moreira

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 0-1

Marcador: Sérgio (55')

O Crestuma venceu no passado domingo o Perosinho, no terreno destes, por uma bola a zero, com o golo a ser apontado por Sérgio já no decorrer do segundo tempo. Esta foi a segunda derrota seguida dos homens de Alfredo Mendes, que já haviam perdido o dérbi com o Pedroso há duas semanas.
Vítor Moreira, técnico do Crestuma, afirma que a vitória da sua equipa é justa: "Foi um jogo dificil, como prevíamos, mas penso que fomos a equipa mais consistente e a vitória assenta bem na nossa equipa", disse.
Este resultado catapulta o Crestuma até ao segundo lugar. Apesar de ainda ser muito cedo para se fazer uma selecção de candidatos, é certo que os crestumenses começaram melhor que a época passada. Vítor Moreira destaca o bom início de época, desvalorizando a posição em que a sua equipa se encontra: "Quando estamos na terceira jornada a classificação pouco diz. Foram disputados poucos pontos e temos a noção que as coisas ainda estão pouco definidas. O importante, para nós, são os pontos e nesse campo temos sete o que nos deixa satisfeitos com o arranque de época. Se juntarmos a isto as duas vitórias na Taça Brali, temos que enaltecer o belo trabalho que este grupo está a realizar", concluiu o técnico.
O Crestuma joga este domingo, em casa, onde recebe o Avintes às 15h.

Óscar Nogueira - "Gaia apresenta candidatos de respeito á conquista do acesso à subida de divisão"

Apesar das dificuldades que encontrará, Óscar Nogueira acredita que o Coimbrões pode ser o tomba-gigantes na Taça de Portugal
Vamos ter certamente uma eliminatória da Taça de Portugal muito interessante e a suscitar muita curiosidade com vários jogos "tentadores", começando por um interessantíssimo Fc Porto-Sporting CP mas focando mais na nossa realidade e evidenciar o Coimbrões-Rio Ave e o Serzedo-Sp. Espinho.
A tarefa do Coimbrões parece complicada e de possibilidade de passagem á etapa seguinte reduzida, mas será também um desafio apetitoso e motivante para os jogadores se agigantarem e, daí, poder partir para uma exibição ambiciosa de forma a minimizar as diferenças que, certamente, existem entre uma equipa do Campeonato Nacional de Seniores e outra da 1º Liga, que até representa o futebol português através da Liga Europa. Esperemos um dia menos bom do Rio Ave e um excelente dia do Coimbrões e, assim, tudo poder acontecer!
Já o Serzedo, não tendo um trabalho facilitado com a visita do Espinho, parece-me que tem mais legitimidade de discutir com outro equilíbrio esta eliminatória.
Mesmo com algum favoritismo dos Espinhenses, os gaiense apresentam argumentos já demonstrados na etapa anterior que pode ambicionar estar no próximo sorteio da Taça de Portugal.
Outro motivo de curiosidade, é o de ambas as equipas virem de vitórias moralizadoras depois de fases negativas e daí quererem continuar esta fase positiva! Neste jogo calculo que haja mais equilíbrio, até porque o Serzedo terá proveito do factor casa e das caracteristicas do seu terreno. Estão com toda a certeza lançados dois dos jogos desta eliminatória que despertaram a atenção de muitos, especialmente dos gaienses!

Na Elite e após um domínio do São Martinho nas primeiras jornadas, aparece um Oliveira do Douro forte e confiante, parecendo querer ser um sério candidato a um dos lugares desejados e que permitem a ascensão ao CNS.
Já assisti a dois jogos dos Oliveirenses onde mostraram atributos para os nomear como candidatos á subida de divisão, apresentando-se coesos, intensos, organizados e transparecendo um bom espírito de grupo. Parece-me que se conseguirem ser regulares podem ser uma das quatr ou cinco equipas que irão lutar por esses dois lugares de sucesso.
Outra equipa que também reúne atributos para entrar nessa discussão é o Valadares, que se deslocou ao Padrão da Légua e conquistou justamente os três pontos em disputa. Entrando no jogo com personalidade e segurança na posse e controlo do jogo, teve um revés quando sofre um golo contra a corrente dos acontecimentos e assim chegaria ao intervalo em desvantagem.
A abordagem ao segundo tempo não seria muito diferente, só com a importante particularidade de pôr mas alguma rapidez na circulação de bola causando mais alguns desiquilíbrios na defesa contrária, proporcionando roturas na mesma, que viria a dar frutos com a conquista de um livre directo e uma grande penalidade, que resultaria no primeiro e segundo golos. A partir daqui, foi uma equipa a gerir perante alguma impotência do Padroense que, reduzidos a 10 homens, não parecia apresentar argumentos para perturbar a experiente equipa de Valadares, que acabaria com as duvidas - se haviam -  do resultado no ultimo lance do jogo com o terceiro golo.
Assim chegaria o final dum jogo que confirma a qualidade da equipa gaiense, e reafirma-se com argumentos suficientes para lutar por um desses tão desejados dois lugares que dão acesso aos Nacionais do futebol português.
Assim, parece-me que Gaia apresenta candidatos de respeito á conquista do acesso à subida de divisão!

Óscar Nogueira

São Félix soma terceira derrota seguida e mantém último lugar


Local: Complexo Desportivo de São Félix
Hora: 15h
Árbitro: Pedro Paula

São Félix: Nuno Couto, Gomes, Ricardo Reis (Pontes 60'), Daniel (Fábio Santos 65') e Miguel Reis, Bruno Lopes, Ribeiro (César Rocha 44') e André Cardoso, João Silva (Ruben Guimarães 65'), Ricardo Carvalho e Diogo Morgado.
Treinador: Alexandre Oliveira

Canelas 2010: Chibante, Fábio Costa, Sampaio, Isaac e Fernandes, João Pereira (Teixeira 79'), Márcio Guedes (Mesquita 60') e Aranha, João Pereira II, Joel e Macaco.
Treinador: Nuno Sousa

Resultado ao intervalo: 0-2
Resultado final: 1-3

Marcadores: Fernandes (14'), Aranha (20') e Joel (90) para o Canelas 2010 e Pontes (80') para o São Félix

O São Félix perdeu no passado domingo, na recepção ao Canelas 2010, por 1-3. A equipa liderada por Alexandre Oliveira somou de resto a terceira derrota seguida, em três jornadas já disputadas, e ocupa o último lugar da tabela classificativa.
A formação azul-e-branca chegou ao intervalo a perder por 0-2 mas Pontes ainda deu esperanças aos adeptos e atletas da casa, reduzindo a desvantagem a dez minutos do final. Porém, Joel, em cima dos 90' de jogo, colocou o Canelas 2010 a vencer por 1-3, estabelecendo o resultado final.
Alexandre Oliveira afirma que os golos surgiram de erros da sua equipa: "Três erros, três golos sofridos. Os dois primeiros em bola parada e o terceiro falha posicional. Dou mérito ao adversário por ter aproveitado esses erros e os ter convertido em golo", disse o técnico.
Este resultado mantém o São Félix no último lugar da Série 1 da 1ª Distrital, a par do Senhora da Hora, sem qualquer ponto somado nestas três primeiras jornadas. Porém, o técnico acredita que apesar deste momento menos bom da sua equipa, o melhor está para vir: "Ninguém quer a derrota. Todos trabalham para chegar ao domingo e ganhar os três pontos, contudo, esta situação não nos deixa desmotivados nem apreensivos, pois sabemos que faz parte do processo. A normalidade está próxima e, em seguida, os resultados irão surgir fruto do trabalho que estamos a realizar", atestou.
O São Félix joga no próximo sábado, às 15h, no terreno do São Vítor.

16 de Outubro de 2014

Rui Leite - "Pasteleira é candidato à subida"

Rui Leite é o dono das redes do Pasteleira e ainda não sofreu qualquer golo em três jornadas
O Pasteleira regressou esta temporada aos Campeonatos Distritais da AF Porto e nas suas fileiras conta com um guarda-redes que durante vários anos defendeu as cores de emblemas gaienses, nomeadamente Dragões Sandinenses, Crestuma e Perosinho, Rui Leite.
O guardião falou ao 'A Bola é Redonda' sobre o jogo do passado domingo, frente ao Torrão, onde o Pasteleira goleou os gaienses por 0-8: "Foi um jogo bem conseguido da nossa parte. Dominamos o jogo do inicio ao fim e o resultado é a prova disso", disse. Os golos dos portuenses foram apontados por Murillo (3), Nogueira, Emerson, Julyelson, Thome e um golo na própria baliza.
O Pasteleira começou o campeonato da melhor forma e lidera a Série 1 da 2ª Distrital com nove pontos, fruto de três vitórias nas três primeiras jornadas. Apontou já 12 golos e ainda não sofreu nenhum, o que faz com que a equipa seja uma das principais candidatas à subida de divisão. Rui Leite afirma que é esse o objectivo delineado para esta época: "Sim, esse é um objectivo que já foi assumido pela Direcção", afirmou.
Sobre o bom início de campeonato, Rui Leite refere que é fruto do bom trabalho desenvolvido: "Esta a correr dentro do espectável. Trabalhamos todos os dias, com o objectivo de conseguir os três pontos ao domingo"
No próximo jogo o Pasteleira recebe o São Romão. Rui Leite espera conseguir mais três pontos, apesar de esperar dificuldades: "Esperamos uma vitoria e vamos trabalhar para isso. Embora saibamos que não será um jogo fácil", concluiu.
A partida será disputado no Estádio da ADR Pasteleira, às 15h, no próximo sábado.