19 de Agosto de 2014

Taça Brali - Divisão d'Elite - Grupo 1


Arrancou no passado fim-de-semana a 2ª Edição da Taça Brali, competição que foi vencida pelo Serzedo na época anterior, permitindo assim aos gaienses disputarem a Taça de Portugal.
No Grupo 1 da Divisão d'Elite, composto apenas por equipas de Gaia, Serzedo e Oliveira do Douro empataram sem golos, o que permitiu ao Valadares, que venceu o Grijó por 2-0, isolar-se no comando do grupo, sendo que apenas o primeiro terá passagem assegurada à fase seguinte, que será a eliminar. No próximo domingo o Serzedo terá um prova de fogo, já que visita o Valadares e uma derrota pode deixar os detentores do trofeu fora da corrida pela fase seguinte, uma vez que apenas se disputa uma volta. Já o Oliveira do Douro recebe o Grijó.



Taça Brali - Divisão d'Elite - Grupo 2


Na primeira jornada do Grupo 2 da Taça Brali referente ao escalão da Divisão d'Elite, tudo terminou empatado. O Padroense visitou o Leça e empatou a três golos e o Candal deixou Matosinhos com um amargo de boca, ao empatar a dois no terreno do Perafita. Os gaienses estiveram a perder, conseguiram dar a volta ao resultado já no decorrer do segundo tempo, mas mesmo perto do apito final acabaram por consentir a igualdade. Com este resultado o Candal ocupa o terceiro lugar, apenas pela diferença de golos.



Arcozelo apresenta-se este sábado

O Arcozelo irá efectuar o seu jogo de apresentação este sábado, frente a uma equipa do Sindicato dos Jogadores. 
Allen, treinador do Arcozelo, está satisfeito com aquilo que já viu da sua equipa nesta primeira semana de trabalho: "Está a correr muito bem. No fim da semana passado participamos no Torneio do Coimbrões e a equipa deu excelentes indicações apesar de termos apenas efectuado quatro treinos", disse o técnico. A equipa defrontou Coimbrões e Vila Fc, tendo sido derrotado pelos verde-e-pretos por uma bola a zero e vencido o Vila Fc pelo mesmo resultado.
Para este sábado está então agendado o jogo de apresentação aos associados, que terá o seu início às 17h e onde serão conhecidas mais novidades sobre o plantel dos verde-e-brancos.

Serzedo e Oliveira do Douro empatam sem golos na Taça Brali


Local: Complexo Desportivo de Serzedo
Hora: 17h
Árbitro: Nélson Pascoal

Serzedo: Filipe, Pacheco, Cruz, Joel e Joãozinho, Hélder Moreira, Viana e Tiago Santos (Bruno Faria 66'9, João Alves, Bruninho e Nuno Barbosa (André Silva 75').
Treinador: Filipe Ribeiro

Oliveira do Douro: Faria, David Santos, Carlos Pinto, Bisa e Daniel Pinto, Gui, Bruninho, Nicola (Bruno Careca 58') e Miguel (Fábio Rola 58'), Penantes e Rui João (Luís 66')
Treinador: Alexandre Ribeiro

Serzedo e Oliveira do Douro disputaram este domingo o primeiro jogo oficial da temporada, referente à primeira jornada da Taça Brali, partida que terminou com uma igualdade a zero.
Com os dois conjuntos ainda há procura da melhor forma, o jogo acabou por ter poucas oportunidades de golo, apesar do Serzedo, detentor do troféu, ter enviado uma bola à barra e ter visto o árbitro do encontro anular um golo.
Filipe Ribeiro, treinador do Serzedo, referiu que a sua equipa é que dispôs das melhores oportunidades para marcar: "Foi um jogo em que não houve muitas oportunidades de golo, mas as que houve foram nossas. Enviamos uma bola à trave e marcamos um golo que acabou por nos ser anulado, mas que deixou grandes duvidas", disse, referindo que a sua equipa ainda está à procura da melhor forma: "Temos somente três semanas de preparação e estamos a consolidar uma ideia. Penso que já são visíveis algumas situações interessantes mas ainda realizadas com intensidade baixa, e ontem o calor que se fazia sentir ainda complicou mais as coisas", disse.
Já do lado do Oliveira do Douro, Alexandre Ribeiro afirmou que a sua equipa controlou o jogo apesar de não o ter dominado: "Defrontamos o actual vencedor da Taça Brali, na sua casa, e como tal um adversário bastante difícil. Conseguimos criar algumas oportunidades mas que não conseguimos materializar. Considero que, mesmo não dominando o jogo, quase sempre conseguimos controla-lo", afirmou.
Tal como o treinador adversário, Alexandre Ribeiro ainda está a acertar arestas na forma de jogar da sua equipa: "Fomos com intuito de ganhar, como sempre, mas tínhamos alguns objectivos nesta fase da época que eram tão importantes para nós como ganhar, pois encaramos esta prova com respeito mas, tendo em conta a nossa pré-época, o objectivo é usa-la como jogo de preparação para o campeonato. Continuamos a fazer uma rotação de jogadores, de forma ao plantel continuar a ganhar ritmo e consolidar processos, o que acho que tem sido conseguido", concluiu o treinador.
Com este resultado as duas equipas viram o Valadares isolar-se na primeira posição do Grupo 1, depois de ter vencido o Grijó. 
No próximo domingo o Serzedo visita o Valadares enquanto o Oliveira do Douro recebe o Grijó. As partidas estão agendadas para as 17h.

Crestuma ganha forma para a nova época

Vítor Moreira mantém-se como treinador do Crestuma e a manutenção é o objectivo
O Crestuma já está a trabalhar sob as ordens de Vítor Moreira, que assim se manteve no comando técnico dos gaienses. O treinador orientou a equipa na época passada e garantiu a permanência, tendo sido convidado a continuar por mais uma temporada.
Ao blog, o técnico mostrou-se satisfeito com aquilo que já viu esta temporada, em duas semanas de trabalho: "Foram duas semanas a limar o plantel e a tentar colocar já os princípios de jogo que queremos implementar. O balanço é positivo, como ficou demonstrado na vontade que os atletas tiveram de aplicar os mesmos, no jogo de preparação do passado sábado", partida disputada frente ao Águas Santas e que terminou com a vitória dos gaienses por 2-1.
Relativamente ao plantel, este vai ganhando forma mas ainda faltam definir algumas questões. Porém, Samuel, Teixeira, Jorge, Sérgio, Macedo, Barros, Campos, Ricardo e Bruninho renovaram e são reforços Fernando (ex-Ataense), Lola (ex-Fornelos) e Lázaro (ex-Oliveira do Douro), bem como o regresso de Paulo Rocha para a baliza.
Sobre os objectivos do Crestuma para o próximo ano, estes passam apenas pela manutenção: "O Crestuma segue a linha de não prometer o que  não pode cumprir, logo, dentro desses condicionalismos, o que queremos é dignificar o clube e assegurar a manutenção", afirmou taxativamente Vítor Moreira.
O Crestuma apresenta-se aos associados no fim-de-semana de 6 e 7 de Setembro, carecendo de confirmação definitiva o dia e o adversário.

Rui Stam deixa o futebol

Rui Stam, aqui com a camisola do Águas Santas, último clube que representou na sua longa carreira
Rui Stam, defesa central que ia representar o Perosinho, colocou um ponto final na carreira de futebolista. O anúncio foi feito pelo próprio na sua página do Facebook, alegando motivos pessoais: "Com muita pena minha tenho de deixar o futebol, ou seja, a minha paixão e essência de vida. Incompatibilidades e questões pessoais levam-me a tomar esta decisão....muito difícil... Foram 20 anos de carreira, com muitas alegrias e tristezas, muitas histórias para contar", escreveu o atleta.
Com um vasto currículo no futebol, Rui Stam ia a caminho de representar o 19º clube, o Perosinho. Com passagem por São Vítor, Bom Pastor, Pasteleira, Valadares, Progresso, Gens, Leverense, Coimbrões, Pedrouços, Perafita, Avintes, Dragões Sandinenses, Valonguense, Folgosa, Leça do Balio, Ermesinde 1936, Senhora da Hora e Águas Santas, o atleta não deixou de agradecer a todos pelo contributo na sua formação: "Obrigado a todos os que me formaram como jogador e como homem, muito me orgulho de ter representado 18 clubes, todos eles com muito profissionalismo e dignidade", disse.
Rui Stam conta já com 39 anos mas mesmo assim era bastante cobiçado por vários clubes. Esta temporada iria vestir a camisola do Perosinho, mas tal não irá acontecer, pelo que o central deixa um pedido de desculpas ao clube e também a Alfredo Mendes, técnico dos azuis e brancos. "As mais sinceras desculpas à grande instituição Clube Futebol Perosinho e ao técnico Alfredo Mendes, com o qual eu já tinha vínculo para a presente época. As maiores felicidades para vocês com votos de um excelente campeonato", concluiu Stam.

11 de Agosto de 2014

Análise da Série C do Campeonato Nacional de Seniores - Óscar Nogueira

Óscar Nogueira acredita que Cinfães e Salgueiros 08 poderão ser os principais candidatos à subida.
Dia 24 deste mês começa o Campeonato Nacional de Seniores com vários clubes de nomeada, mas faremos uma análise mais pormenorizada da Série C onde está incluído o Coimbrões.
Nesta serie encontram-se o Sp. Espinho que parece procurar de alguns anos a esta parte a estabilidade desportiva mas principalmente financeira, parecendo partir para este campeonato com a ideia de tranquilidade somente.

Temos também o Cinfães que se reforçou com jogadores experientes nestas andanças e de qualidade confirmada, entre eles destaco Tiago Pinto e João Beirão ao Boavista e Pepe e Toste ao Salgueiros entre outros, juntando às renovações de qualidade segura, portanto acho que será certamente a ter em conta como um candidato aos dois primeiros lugares!

O Gondomar aparece esta época, uma vez mais, como incógnita, perdendo vários jogadores influentes na época passada, a construção do seu plantel é muito lenta e de qualidade incerta, apesar de serem muito bem orientados, por isso veremos como se apresentam.
O Lourosa apresenta sempre equipas competitivas e contam com uma massa associativa "bairrista" e exigente que apoia com muito carinho o clube da terra. Perderam alguns jogadores influentes para o vizinho Cesarense mas também foram buscar dois ou três jogadores para colmatar essas mesmas saídas, por exemplo Pedro Sá que conheço bem de o treinar e sei a qualidade que vai trazer á equipa. Podem contar com uma equipa a procurar dignificar a "terra" em todos os jogos!

O Pedras Rubras apostou na continuidade da estrutura, não saindo nem entrando muita gente, reforçando-se pouco, mais dentro das possibilidades do clube, juntando ao bom conhecimento e competência da sua equipa técnica penso que poderão fazer um campeonato tranquilo.
Esta serie conta também com a "novata" equipa de Sobrado, que manteve a "espinha dorsal" do seu 11 mais utilizado e dar continuidade ao trabalho realizado pelo Manuel Pinheiro, também se estreando em Campeonatos Nacionais, campeonato esse que já o poderia ter frequentado quando há alguns anos subiu o Pedrouços. Aproveitando as mais-valias do ano passado e reforçando-se com jogadores como Miguel Matos ex-Salgueiros, André Soares ex-Grijó e Hugo Oliveira ex-Vizela entre outros, penso que para quem não conhece os jogadores e só avalia o clube pelas presenças em CNS pode ser surpreendido e passa a ser um trunfo para as suas prestações neste mesmo campeonato!

Já o Sousense como já de alguns anos a esta parte se apresenta praticamente com o mesmo plantel, só referindo as saídas de Daniel e Telmo e saudando o regresso de Norinho após castigo federativo e, também, a chegada de um "miúdo" talentoso da formação do FC Porto, André Ribeiro, esta estabilidade da estrutura faz do clube e da equipa credível, e a ter em conta para um campeonato mais tranquilo que no ano passado.
Tendo pouca informação e conhecimento do Moimenta da Beira, ate porque os poucos jogos-treinos feitos ate agora (3) não deram grandes indicações, passo a falar de outro clube que o apelido de candidato aos dois primeiros lugares, e esse é o Salgueiros. Clube que tenta entrar na realidade futebolística em que está inserido mas nem por isso deixou de se reforçar qualitativamente e a quantidade necessária para dar essas garantias e possibilidades de lutar por um lugar que dê acesso ao "sonho"!

Estruturado com o apoio de um director desportivo conhecedor de futebol, um presidente atento e rigoroso, um treinador motivado pela oportunidade dada de treinar um clube como o Salgueiros no CNS e que certamente vai dar uma resposta positiva, um conjunto de valiosos jogadores que reúnem o necessário num plantel competitivo e competente que é experiencia, qualidade e irreverencia e finalmente uma massa associativa única, muito exigente mas sempre presente a empurrar a equipa para o sonho. Acredito estar reunidas condições de lutar por um desses dois lugares!

Aqui vamos "ajustar" e opinar da possibilidade do Coimbrões nesta serie, achando eu que tem condições e legitimidade de ambicionar por um bom campeonato, deixando sair alguns jogadores bastante utilizados como: Carlos Sousa, Costa, Nando, etc., também rectificou com jogadores experientes, de muita qualidade como: Makukula, Pinheiro, Fábio, Júlio entre outros, dando possibilidades de poder superar a classificação do ano passado e podendo andar no pelotão da frente!

Espero e conto com um Coimbrões forte, competitivo e competente, á imagem da exigência do seu treinador!

Estaremos atentos e acompanhando passo a passo esta série, esperando ser um campeonato muito competitivo e não menos atractivo! Estão lançados alguns pontos de interesse e haverá brevemente mais!
Até breve!

Óscar Nogueira

10 de Agosto de 2014

Valadares entrosado venceu Serzedo ainda à procura da melhor forma


Local: Estádio Municipal da Lavandeira
Hora: 21h
Árbitro: Eduardo Cardoso, auxiliado por Sandra Nogueira e Filipe Freitas

Serzedo: César (Nélson 80'), Pacheco (João Belo 30'), Hélder, Joel (Marco 30') e Marcos, Óscar (Gerson 30'), André e Tiago Santos (Nuno Barbosa 30'), Joãozinho, Sobral (Viana 69') e Braga (Zé Diogo70')
Treinador: Filipe Ribeiro

Valadares: Hélder Costa, Serginho, Vítor Lobo, Nuno Miguel e Paulo Campos, Hélder Duarte, Vitinha e Johnatan, Bruninho, Paulinho e Ricardo Alves (Gerson 60').
Treinador: Paulo Alexandre

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 0-2

Marcadores: Johnatan (67') e Bruninho (87') para o Valadares


Serzedo sentiu algumas dificuldades e derrota acaba por ser justa

Valadares apresentou um futebol mais rotinado e venceu de forma justa

O Valadares é o outro finalista do III Torneio João Pinto, depois de vencer o Serzedo por duas bolas a zero, na segunda partida deste torneio organizado pelo Oliveira do Douro.
Desde o apito inicial que a equipa de Paulo Alexandre se mostrou superior ao adversário, que lhe cedeu a iniciativa de jogo tentando sair em contra-ataques rápidos, mas que não acabaram por surtir o efeito desejado. Com algumas baixas, umas por lesão, outras por opção do treinador, o Serzedo foi aguentando os ataques do adversário durante a primeira parte, conseguindo chegar ao intervalo com uma igualdade a zero. César já havia evitado o golo aos 35' ao defender uma cabeçada de Johnatan que surgiu no coração da área a rematar, pelo que o resultado era algo lisonjeiro para os azuis e brancos.
Na segunda metade da partida, o Valadares manteve a toada ofensiva, e nem as quatro substituições de Filipe Ribeiro, ainda na primeira meia hora do primeiro tempo, trouxeram acutilância a sua equipa, que continuou a permitir o domínio do adversário. 
Aos 66' Johnatan voltou a ameaçar as redes de César ao cabecear à trave na sequência de um centro de Vitinha pela direita do ataque, mas no minuto seguinte não perdoou, e à terceira oportunidade acabou por facturar, novamente após jogada de Vitinha, mas agora do lado esquerdo, que centrou atrasado e encontrou o médio livre de marcação, com este apenas a ter que desviar a bola de César. 
O Serzedo sentiu o golo e passou por alguns momentos de atrapalhação e poderia ter sofrido novo golo minutos depois, com Vitinha a surgir isolado perante César, mas a rematar ao lado à saída do guarda-redes do Serzedo. Com os homens de Filipe Ribeiro a não conseguirem chegar perto da baliza de Hélder Costa, o Valadares acabou por sentenciar a partida a três minutos do fim, novamente com Vitinha no lance, a ganhar uma bola que acabou por sobrar para Bruninho que de ângulo bastante apertado e num 'toque de letra', acabou por introduzir a bola na baliza a cargo de Nélson, naquele que será certamente o melhor golo do torneio. 
A vitória do Valadares não sofre contestação, seguindo assim para a final onde irá encontrar o Lourosa, em partida que terá início às 21h. Já o Serzedo irá disputar o 3º e 4º lugar, às 18h, frente ao Oliveira do Douro.

Filipe Ribeiro (Treinador do Serzedo): "Não correu nada mal. Este jogo serviu essencialmente para nos prepararmos. O que interessou aqui foi treinarmos a nossa ideia de jogo, tivemos que fazer a gestão de algumas situações, tivemos cinco juniores a jogar, a ideia foi treinar, queríamos ganhar, mas não vou abdicar neste momento de criar uma identidade. Hoje o intuito foi jogar para ganhar, não conseguimos, mas isso não põe em causa o nosso trajecto. A mentalidade de querer ganhar é que tem que estar presente, mas nesta altura estou pouco preocupado com isso. O Valadares foi mais forte, ganhou, por isso dou-lhes os meus parabéns. O jogo de amanhã é o seguimento do jogo de hoje, vamos tentar observar algumas situações, mas vamos seguir o mesmo trajecto que tínhamos pensado para este torneio".

Paulo Alexandre (Treinador do Valadares): "Sinceramente foi o que disse aos meus jogadores. Temos que acreditar no nosso trabalho. Para nós foi um treino tanto é que poucas alterações fiz, pois já estava estipulado assim. O mais importante foi o facto deles competirem e o resultado não demonstra nada, apesar de já haverem algumas rotinas, mas o nosso campeonato só começa dia 31 de Agosto. Amanhã é mais um treino para nós. Como disse vou continuar a dar minutos aos jogadores para melhorar os índices físicos. É agradável ver uma equipa jogar futebol como a nossa, por isso, os meus jogadores estão de parabéns"

Vitória sorriu ao Lourosa nas grandes penalidades


Local: Estádio Municipal da Lavandeira
Hora: 18h
Árbitro: Sandra Nogueira, auxiliada por Eduarda Cardoso e Filipe Freitas

Oliveira do Douro: Faria (Tiago Oliveira 58'), Pinto, Pereira, Carlos (Rómulo 58') e David, Gui (Ricardo 78'), Bruno Careca e Bruninho (Miguel 58'), Fábio Rola (Luís Int.), Penantes (Carriça 58') e Rui João (Nicola 58').
Treinador: Alexandre Ribeiro

Lourosa: Marco, Fábio, António (David 77'), Rui João (Fernando 59') e Ivo, João Pedro (Bruno 59'), Ricardo (João Ramos 59'), Fábio Zola, Pedro Sá e Nélson (Carvalho 75'), Lima.
Treinador: Joaquim Martins

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 0-0
Grandes penalidades: 7-8

Oliveira do Douro foi mais consistênte, mas acabou derrotado nas grandes penalidades

Lourosa mostrou-se fragilizado e apenas nas grandes penalidades foi superior

O Oliveira do Douro perdeu esta tarde no jogo de abertura do III Torneio João Pinto, torneio organizado pelos oliveirenses, frente ao Lusitânia de Lourosa, formação que milita no Campeonato Nacional de Seniores.
Se à partida era esperada alguma supremacia dos aveirenses devido ao escalão superior onde estão inseridos, mas também à preparação da equipa que começou os trabalhos mais cedo, o Oliveira do Douro contrariou essa tendência e foi, a espaços, marcando terreno e segurando os ímpetos dos visitantes.
O jogo até começou com jogadas de perigo perto das duas balizas, primeiro para os homens de Alexandre Ribeiro, numa jogada onde Penantes não conseguiu concretizar, e depois para o Lourosa, na marcação de um livre directo que obrigou Faria a apertada defesa. 
Com o decorrer do tempo o jogo foi caindo de intensidade e passou a ser mais disputado a meio campo, sem que uma equipa fosse superior à outra e sem criar oportunidades de golo. Nos instantes finais da primeira parte a emoção voltou a estar perto das balizas, primeiro para o Lourosa, com Fábio Zola a cruzar tenso, mas Lima não rematou nas melhores condições e a bola saiu ao lado. Já perto do apito para intervalo, foi a vez do Oliveira do Douro criar perigo na sequência de um canto, mas no meio da confusão criada na área do Lourosa, nenhum jogador gaiense conseguiu rematar para golo.
Após o intervalo Alexandre Ribeiro retirou Fábio Rola e fez entrar Luís, e o futebol do Oliveira do Douro mudou. Logo na primeira vez que tocou na bola, o 16 oliveirense poderia ter feito golo, surgindo isolado perante o guarda-redes adversário, mas a tentativa de chapéu esbarrou no peito de Marco. O Lourosa respondeu com um remate de Fábio Zola, mas a bola saiu à malha lateral. As substituições começaram a surgir, mas apenas beneficiaram os homens da casa, que foram conseguindo encostar o adversário ao seu meio campo, mas sem conseguir criar situações claras de golo. Aos 80' Ricardo centrou tenso para o coração da área, mas Luís chegou atrasado por centímetros, não conseguindo desviar para golo. Já perto do apito final, o Lourosa ainda introduziu a bola na baliza de Tiago Oliveira, mas o árbitro auxiliar já havia levantado a bandeira, assinalando fora-de-jogo ao atacante forasteiro.
Com o nulo a imperar ao fim dos 90' foi necessário recorrer à marcação das grandes penalidades, com o Lourosa a conseguir levar a melhor ao fim de 16 grandes penalidades marcadas, com Nicola a falhar o castigo máximo e João Ramos a conseguir bater Tiago, que antes esteve muito perto de defender os remates de David e Bruno. Quanto à arbitragem de Sandra Nogueira, não se deu por ela em campo, o que é muito bom sinal, contando também com a ajuda dos jogadores.
Com este resultado, o Lourosa seguiu para a final do torneio, este domingo às 21h, onde irá defrontar o Valadares. Já o Oliveira do Douro irá disputar a partida do 3º e 4º lugar com o Serzedo, às 18h.

Alexandre Ribeiro (Treinador do Oliveira do Douro): "Tínhamos a noção que três ou quatro semanas de trabalho fazem uma grande diferença. Queremos sempre ganhar, mas temos outros objectivos delineados, como os processos, modelo de jogo, queríamos ver se as coisas estavam consolidadas e achei que a equipa esteve bem. Não se conseguiu ver o Lourosa superior e poderíamos ter feito golos. Os objectivos foram alcançados para este jogo. Amanhã vamos tentar o mesmo que fizemos hoje. Não nos vamos preocupar com a classificação, queremos ganhar, mas os processos são mais importantes que o resultado"

Joaquim Martins (Treinador do Lourosa): "Já estava à espera destas dificuldades. Não serve de desculpa, mas temos sete jogadores lesionados. Jogamos com alguns juniores e os atletas estão bastante desgastados, porque nos jogos que temos feito, são quase sempre os mesmos que têm jogado os 90'. Já treinamos com o Grijó e sabemos a valia destas equipas que lutam para subir de divisão. Temos mais dificuldades na zona ofensiva, estou à espera de dois jogadores e a sorte dos penaltis sorriu-nos, como poderia ter sorrido ao Oliveira do Douro. Penso que o empate foi o resultado mais justo. Espero que os meus jogadores descansem bem hoje para amanhã estarem o melhor possível".

1 de Agosto de 2014

Análise da 1ª Eliminatória da Taça de Portugal - Óscar Nogueira

Óscar Nogueira analisa o sorteio da 1ª Eliminatória da Taça de Portugal
Começa mais uma época do desporto que mais amamos e assim sorteados o CNS e a 1ª Eliminatória da prova rainha do futebol português, a Taça de Portugal!
Este sorteio ditou jogos interessantes e que despertaram bastante curiosidade!
Desde já destaco como jogo grande o Varzim-Mirandela, sendo duas equipas que tem como objectivo comum a subida de divisão, bem orientadas e com planteis recheados de bons valores, só por si são razoes para merecer enorme curiosidade quem sairá mais forte deste braço de ferro! 
Também saliento o jogo entre o Sobrado e o Moura, por razoes diferentes mas não com menor interesse. Se o Moura se apresenta nesta época com uma equipa experiente e forte para "atacar" o objectivo de subida, já o Sobrado faz o seu baptismo em provas nacionais querendo certamente realizar uma boa campanha e por isso reforçando-se com jogadores experientes e conhecedores destes trajectos. Será um jogo curioso porque a equipa de Sobrado quererá perante os seus adeptos mostrar condições de os aliciar para o resto da época e, ao mesmo tempo, poder fazer uma excelente prova de fogo com uma equipa que curiosamente defrontei á três épocas pela A.D.Grijó e também para a 1ª Eliminatória da Taça de Portugal. Dessa equipa só restam quatro jogadores, e também se conclui que esta formação do Moura é mais madura, com uma média de idades de 26 anos em comparação com a de á três anos que era de 23!
Contudo acho que será um jogo equilibrado e decidido nos pormenores. Se a equipa de Moura é composta de elementos que pareçam fazer dela competente, o Sobrado fará do factor casa e da vontade de se estrear nesta competição da melhor maneira, trunfos fortes e que possam ser eficientes caso consigam controlar a ansiedade gerada normalmente nestas ocasiões.
Para finalizar, também realço a isenção do Coimbrões a esta eliminatória, que já começa (quase) a ser uma tradição, assim como o Serzedo, clube que venceu a Taça Brali da AF Porto, e por isso, está por direito próprio nesta competição. O Serzedo tem vindo a crescer a um bom ritmo e será interessante perceber em que nível se encontra, mas terá que esperar pela segunda eliminatória.
Portanto, está em perspectiva uma interessante e cheia de curiosidades eliminatória da Taça de Portugal!
Saudações desportivas!

Óscar Nogueira

Óscar Nogueira e Rúben Pedrosa comentam no 'A Bola é Redonda'

 Óscar Nogueira, ex-treinador do Perafita, juntamente com Rúben Pedrosa, jogador de futebol, serão os novos comentadores no 'A Bola é Redonda'.
Aproveitando a experiência do ex-jogador do Canidelo e Perafita no estrangeiro, Rúben Pedrosa aceitou o repto lançado pelo blog e irá contar-nos como está a ser a sua vida no Luxemburgo, ao mesmo tempo que nos vai dando novidades sobre a sua experiência no US Esch, clube que irá representar.
Já Óscar Nogueira, técnico que tem passagens por Grijó, onde venceu um título de Campeão Distrital em 2007/2008 e mais tarde um título de Campeão Nacional, acumulando também duas subidas de divisão e participando em meia época na subida ao Campeonato Nacional de Séniores, Oliveira do Douro e treinou o Perafita na última época, irá abordar o futebol na sua generalidade, começando com um artigo de opinião sobre a primeira eliminatória da Taça de Portugal, que será publicado brevemente. Semanalmente o técnico dará aqui a sua opinião sobre os diversos aspectos do mundo do futebol.
Estes são dois reforços de peso do blog, que procura dar aos seus leitores as mais variadas visões sobre o futebol. Estão previstas a entrada de mais colaboradores a este nível, e assim que forem conseguidos, serão anunciados.
Não perca, ainda hoje, a analise à primeira eliminatória da Taça de Portugal, por Óscar Nogueira, em especial ao jogo Sobrado-Moura.

30 de Julho de 2014

Fifas vai jogar no Valonguense

Fifas (n.r. Nº 3) vai jogar no Valonguense na próxima época desportiva  
Foto: Hélder Santos / Aspress / Global Imagens
Fifas, defesa esquerdo gaiense, vai representar esta temporada o Valonguense da Divisão d'Elite Pro Nacional. 
Com formação no Vilanovense - onde se estreou como sénior na antiga 2ª Divisão B - o alteta conta com passagens pelo Coimbrões e Canidelo e ainda AD Oliveirense e Rebordosa, clube que representou na última temporada.
Na sua página de Facebook, o defesa esquerdo dá conta da sua ida para o clube do Concelho de Valongo. titular indiscutível em todos os clubes por onde passou, Fifas refere que "é com muito prazer e orgulho que irei representar esta instituição e dar o melhor de mim pelo clube para atingir os objectivos propostos", disse.
No curriculo, Fifas conta com um título de Campeão Distrital pelo Coimbrões, na época 2007/2008, ano em que os gaienses subiram à extinta 3ª Divisão Nacional e venceram a Divisão de Honra da AF Porto.

29 de Julho de 2014

César Pinho - "Nenhuma das 20 equipas terá um orçamento tão baixo quanto o São Pedro da Cova"

César Pinho mantém-se no comando técnico do São Pedro da Cova nesta época que terá início brevemente. O treinador  gaiense continua assim um trabalho que começou a desenvolver ainda durante a época passada e que culminou com a permanência da equipa na Divisão d'Elite Pro Nacional, ainda que por via administrativa, beneficiando da desclassificação do Lousada por incumprimentos administrativos. 
César Pinho, que tem larga experiência como treinador das camadas jovens,  concedeu esta entrevista ao blog onde fala dos desafios que teve quando chegou ao clube e também dos futuros, mas sempre com os pés bem assentes na terra, tendo em conta o estado actual do clube gondomarense.
Veja as palavras do técnico em mais um exclusivo do 'A Bola é Redonda'.

César Pinho (dir.) vai continuar a desenvolver o seu trabalho no São Pedro da Cova


A Bola é Redonda (ABR) - Chegaste ao clube num contexto complicado. A equipa lutava pela permanência e acabaste por garantir esse objectivo, ainda que por via administrativa. Faz-me um balanço da época do São Pedro da Cova.

 César Pinho (CP) - A época do São Pedro ficou marcada, sobretudo, pela promoção do clube á Elite, por via da reformulação dos campeonatos. Parece-me que não estavam reunidas condições, para num espaço curto de tempo, promover a equipa desde a Divisão de Honra a uma realidade onde não tinha os meios mínimos para competir com equipas que, por exemplo, saíram da extinta 2ª Divisão Nacional.
Na viragem do ano, o grupo estava claramente marcado por um registo que não correspondia á qualidade do mesmo, nem de quem o liderava. Embora seja um tema sob o qual não esteja profundamente habilitado a falar, as razões para a baixa performance eram de natureza diversa, para além do espaço treino, onde os atletas -pelo menos comigo, e quase sempre, sem excepções - foram briosos.
Mentalmente torna-se complicado, no meio de um começo com dez derrotas em 15 jornadas, criar confiança. E nestes momentos, é comum tudo acontecer a estas equipas.
Vários foram os jogos onde a equipa perdeu pela margem mínima, e isso reforça a ideia que passei acima. Perante a vitória, as dificuldades são ultrapassadas, ou pelo menos o foco dado é menor, logo cria estabilidade. Já sob a derrota, e nas mesmas circunstâncias, a tendência é empolar a realidade que participa/não participa, no rendimento colectivo do treino/jogo.
Resumidamente, todos os que participaram de modo (in)directo no clube, foram responsáveis, de uma maneira ou outra, por todas as dificuldades que passamos, e que são públicas. Para se ter uma ideia final, durante esta época, a possibilidade do clube encerrar, não esteve assim tão distante.

ABR - É sabido das dificuldades do clube, nomeadamente a nível financeiro. Correu o rumor que a equipa poderia até nem terminar o campeonato, mas tal não se verificou. Quais foram as tuas maiores dificuldades desde que estas no comando da equipa?

CP - A questão é válida, e o rumor também, disse-o já atrás até. Que dificuldades encontrei? Diversas, muitas, todas diferentes. Assaltos a material de treino, de jogo, de higiene pessoal, de manutenção. A falta de receitas, pese embora a vontade em contornar este elemento.
Constante alteração dos elementos no grupo, por via do fluxo entradas/saídas, ora por esta razão, ou por aquela. A falta de um Homem para o Futebol, que retirasse das mãos dos treinadores, tarefas para as quais não têm que estar obrigatoriamente preparados. Comunicação nula, ou incoerente. Não definir prioridades/objectivos. Necessidade de educar um ou outro elemento, de que as necessidades da equipa, estão acima dos seus interesses/ambições pessoais.

Treinador Gaiense mostra-se feliz
ao liderar este projecto
ABR - Vais começar a época no clube e tens a oportunidade de construir um plantel à tua imagem. Quais são as expectativas e objectivos para esta época, que está perto do começo?

CP - Este plantel foi construído para jogar na Divisão de Honra. Tenho a certeza absoluta que, nenhuma das 20 Equipas terá um orçamento tão baixo quanto a AD São Pedro da Cova.
Claramente o nosso desafio passa por manter o clube, e promover os nossos jogadores. Garantir que estes, ficam habilitados a competir contra quem for, onde quer que seja. Dar-lhes comportamentos/ferramentas, que amanhã os tornem mais completos.
Colectivamente, ajustaremos sempre, de modo constante, domingo a domingo, mediante a classificação, as condições para que nos possamos promover ainda mais, ou proteger. Depende muito do efeito que o nosso trabalho provocará nos nossos jogadores, da abertura destes, do trabalho dos outros, mas sobretudo do equilíbrio emocional. Ou seja, de compreendermos que, por muito que possamos ter feito num determinado jogo, isso não seja sinónimo de vitórias...
Conviver neste meio, e com o sucesso ou falta dele, é provavelmente o maior desafio entre os objectivos. A capacidade de nos mantermos concentrados no que fazemos de bem, de mal, evitando viver acima do que valemos, ou abaixo disso.

A manutenção é o principal objectivo do clube para esta época

ABR - O plantel já se encontra fechado e a media de idades ronda os 23 anos. Numa prova longa e exigente, como é a Divisão d'Elite, achas que esse item será uma vantagem ou desvantagem? 

CP - O nosso plantel está fechado. Parece-me mesmo impossível que alguém possa entrar. A idade nunca é sinónimo de nada, embora possa realmente ser significado de maturidade, experiência. Preocupa-me mais criar abertura no grupo, para que se sintam motivados num espaço de tempo de maior, e com isso estejam mais perto da sua forma. Não da física, que também é importante, mas sim da resposta aos estímulos que o jogo cria.
Não olho para essa média de 22,7 anos, como algo que me preocupe, sinceramente. Nós não temos as armas que os adversários têm, embora nos tenhamos comportado no 'mercado', com respeito. Mesmo que os outros não o tenham connosco, e mesmo que isso nos possa enfraquecer, o nosso carácter ninguém nos tira. Não é uma questão de moralismos, é um facto.
Independentemente do futuro, sublinhar que estão connosco os que nós escolhemos, dentro de regras muito complicadas para formar um grupo com 22 atletas.
Eu acabo por ficar grato de viver esta experiência, sabendo contudo que, não prometemos o que não temos. Essa foi a condição para continuar, cumprir com os jogadores, e mudar a imagem do São Pedro da Cova, que muitas vezes é confundida com as pessoas que se dedicam a ele, como que para se fazer parte do clube, tenha que se ser incompetente. Completamente errado.

ABR - O São Pedro da Cova já esteve nas divisões nacionais. Achas que o clube réu e condições para num futuro próximo retornar a estes escalões?

CP - A questão é fácil de Responder. O Clube não tem minimamente condições para jogar CNS. Estamos a falar de dinheiro, receitas, patrocínios, estrutura, formação, etc.
A realidade é que o São Pedro da Cova vive com o que pode e tem um papel muito importante na promoção do seu meio, das suas gentes, tem uma cultura bem clara e bairrista, que lhe dá um toque diferente dos restantes.
O Clube é uma montra para muitos. Basta perceber que, mesmo perante a realidade do São Pedro, não falta quem o queira servir.
Mais importante do que alimentar expectativas irrealistas, é mesmo conhecer a realidade, agir em função dela, e promover todos os seus agentes, mas sobretudo a freguesia.

25 de Julho de 2014

Allen foi o escolhido pela direcção do Arcozelo


Allen é o novo treinador do Arcozelo e tem como missão devolver o clube à Divisão de Honra
Allen será o treinador do Arcozelo para as próximas duas temporadas. O técnico foi apresentado na passada quarta-feira em conferência de imprensa realizada no estádio do clube e terá como principal objectivo cimentar uma equipa para atacar o regresso do clube à Divisão de Honra.
O 'A Bola é Redonda' falou com o técnico, que disse ter sido fácil aceitar o convite dos verde-e-brancos: "O convite surgiu por parte do Director Desportivo, Fernando Machado, que me contactou e explicou o que pretendiam de mim e acabamos por chegar a acordo", referiu.
Sobre o objectivos para esta temporada, Allen explica que o projecto proposto pela direcção do Arcozelo é um projecto de dois anos: "Este será um projecto de dois anos, onde me foi pedido para organizar a equipa este ano, de forma a podermos lutar pela subida na próxima época. Queremos, como é lógico, fazer melhor que o ano passado, mas este ano os objectivos passam por cimentar a equipa e incutir mentalidade vencedora nos atletas".
Allen diz-se orgulhoso de treinar o Arcozelo, já que se identifica com o clube: "É um orgulho treinar esta equipa e a direcção ter pensado em mim para treinador. Identifico-me com a ideologia do clube, por causa da formação e a nível sénior, tem todas as condições para cimentar a sua posição. A 1ª Distrital é uma divisão curta para o clube", concluiu o técnico.
Neste momento o clube conta já com sete reforços: Miguel (ex-Coimbrões), para a baliza, o defesa Varela (ex-São Félix), Vitó (ex-Perosinho) para o meio campo, Valter, João Reis (ambos ex-Gulpilhares), Didi (ex-São Félix) e Gustavo (ex-Rio Meão) para o sector atacante. Foram também promovidos quatro juniores e ainda estão abertas duas vagas no plantel, que segundo Allen "conta já com 14 atletas formados no clube, sendo esse também um dos principais objectivos da direcção, ter o máximo de atletas da formação no plantel principal".

Rúben Pedrosa - "O futebol em Portugal está podre"

Rúben Pedrosa, extremo que se notabilizou ao serviço do Canidelo e Perafita na época anterior, está de malas aviadas para o Luxemburgo, onde irá representar o US Esch, clube da terceira divisão luxemburguesa. 
O 'A Bola é Redonda' falou com o atleta, que explicou os motivos que levaram ao insucesso do Perafita no Campeonato Nacional de Seniores. Falta de experiência, arbitragens e, inclusive, ordenados em atraso, são os motivos apontados pelo atacante. 
Com escola feita no Coimbrões, Boavista e Gondomar, Rúben Pedrosa já representou o Canidelo, Leça e Perafita no futebol sénior e com 22 anos, o extremo não pensa regressar ao futebol português, uma vez que se quer afirmar no Luxemburgo.
Veja de seguida a entrevista com o jogador em mais um exclusivo do 'A Bola é Redonda'

Rúben Pedrosa representou o Perafita na segunda metade da época 2013/2014

A Bola é Redonda (ABR) - Começaste a época no Canidelo, na Divisão de Honra da AF Porto e terminaste no Perafita, no Campeonato Nacional de Seniores. Como se processou esse salto? 

Rúben Pedrosa (RP) - Esse salto aconteceu em Dezembro através de um telefonema do mister Óscar Nogueira, nessa altura estava numa boa fase no Canidelo onde vinha de 3 jogos seguidos a marcar, quando surgiu a possibilidade de jogar CNS não hesitei pois achei que seria uma boa oportunidade para mim.

ABR - O Perafita acabou por não conseguir a manutenção no CNS e desceu aos distritais. Que falhou para que o objectivo não fosse atingido? 

RP - Basicamente o objectivo da manutenção não foi conseguido derivado a alguns factores importantes, tais como a troca de treinador que te obriga a novos métodos e a outro estilo de jogo, que só com os jogos vais aperfeiçoando, só que fazer essa mudança num CNS numa série bastante exigente é muito complicado e nós sentimos isso. Depois como em maior parte dos clubes, promessas que não eram cumpridas por parte da direcção, os jogadores sabem que os clubes passam enormes dificuldades para conseguirem cumprir o que foi combinado, mas quando chegas a certo momento e tens 3 meses de ordenados em atraso e tentas falar com os responsáveis para te pagarem e és recebido como se tivesses a pedir algo que não é teu por direito, tudo isto num momento em que a manutenção era possível e a equipa atravessava um momento de união e a praticar bom futebol. Para acabar, sem dúvida nenhuma o peso do clube e a sua mentalidade, para todos os efeitos o Perafita era um estreante na 2ª divisão B, e quando tens clubes na tua série como Boavista, Salgueiros, Freamunde, Gondomar entre outros, é óbvio que na dúvida o árbitro vai cair sempre para o outro lado e isso foi evidente ao longo dos jogos, mas mais vincadamente em jogos contra adversários directos, lembro-me por exemplo de 2 jogos contra o Sousense em que fomos gravemente penalizados, tendo tido pelo menos 2 expulsões e num deles acabamos inclusive a jogar com 8 jogadores.

Canidelo foi a primeira
experiência no futebol
sénior
ABR - Sei que vais iniciar uma nova aventura, no US Esch do Luxemburgo. Como surgiu esta possibilidade de emigrares para este campeonato?

RP - Bem a minha ideia ao vir para o Luxemburgo foi principalmente tentar ter outro nível de vida, arranj
ando trabalho e se possível continuar a minha carreira futebolística. Primeiramente estava tudo encaminhado para assinar numa equipa da 1ª divisão Luxemburguesa, mas com a descida dessa mesma equipa e saída do seu treinador e do director desportivo essa hipótese ficou de lado, depois fui á experiência a mais dois clubes tendo um deles apresentado uma proposta, que eu iria aceitar, só que nesse momento ainda não o podia fazer pois tinha problemas burocráticos para resolver, no meio disto, vou fazer um torneio no Estádio do US Esch, e sou abordado por esse mesmo clube, depois foi só juntar tudo, um projecto ambicioso, pessoas sérias e que demonstraram real interesse em mim o que me levou a aceitar quase de imediato.

ABR - Já conheces as instalações e o clube? Podes falar um pouco sobre elas?

RP - A pré-época começou há duas semanas, as instalações não são o top mas tem o necessário, o piso é sintético e é muito bom mesmo, tem inclusive aprovação da FIFA. Tem quatro ou cinco balneários, e tem um espaço com máquinas de fitness.

ABR - Quais são os objectivos do clube?
US Esch é o novo destino do atacante

RP - O clube já há três épocas consecutivas que fica na luta da subida não conseguindo no entanto esse objectivo. Por exemplo na última época não conseguiram a subida por um ponto. Este ano o pensamento é claramente na subida, tenho colegas que conheci e jogam em outras equipas que dizem que temos o melhor plantel da divisão, agora é formar uma boa equipa e penso que conseguiremos atingir esse objectivo.

ABR - Que expectativas tens para esta aventura?

RP - Bem acima de tudo quero demonstrar em campo a minha gratidão pela oportunidade dada, se possível com a subida de divisão. Óbvio que espero fazer golos, e voltar a sentir a felicidade de ir treinar e jogar, coisa que em Portugal aos poucos vinha perdendo. No futuro espero poder chegar ao topo do futebol Luxemburguês e quem sabe poder participar num jogo da Liga Europa por exemplo.

ABR - Esperas regressar ao futebol português?

RP - Sinceramente já não tenho grandes expectativas de voltar a jogar em Portugal, o futebol em Portugal está podre, as divisões profissionais estão contaminadas pelos empresários, e para lá chegar não basta ter qualidade, o jogador português fica quase sempre para última opção. No nosso país tenho a certeza que dificilmente iria passar da 2ª divisão B, por isso o meu objectivo no futuro é como referi na questão anterior.

23 de Julho de 2014

São Pedro da Cova mantem-se na Divisão d'Elite

A AF Porto já homologou as classificações dos Campeonatos Distritais referentes à época 2013/2014, e apenas há a registar a despromoção administrativa do Lousada em detrimento do São Pedro da Cova, como alteração mais significativa, no Campeonato da Divisão d'Elite Pro Nacional.
Na Circular nº 8 de 19 de Julho, a Associação faz então a homologação dos campeonatos e coloca o Lousada em último lugar, tendo sido desclassificado por falta de pagamentos de multas.
A desclassificação do Lousada já havia sido anunciada na Circular nº 3 de 7 de Julho, mas o clube tinha ainda a opção de recorrer desse castigo, o que não fez em tempo útil. Quem beneficia com esta situação é o São Pedro da Cova, visto que a equipa terminou o campeonato na 17ª posição, mas em virtude da queda do Lousada para o último lugar da tabela, os gondomarenses saltam fora da zona de despromoção. Assim, Barrosas, Infesta, Nogueirense e Lousada, são os clubes que descem à Divisão de Honra. Os jogos que o Lousada fez na segunda volta não foram contados em termos de classificação, mas também não proporcionou nenhuma alteração na mesma, apesar de os clubes que defrontaram os lousadenses terem perdido ainda os pontos que conquistaram.
O Lousada incorre ainda numa pena de multa de 1000€ e as custas do processo.

22 de Julho de 2014

Filipe Ribeiro - "À medida que fomos vencendo, fomos percebendo que poderiamos fazer historia nesta competição e no clube"

Serzedo venceu a Taça Brali na estreia da competição.    Foto retirada do Facebook do CF Serzedo
Filipe Ribeiro será o treinador do Serzedo na época que se avizinha a passos largos e que verá a formação azul e branca competir na Divisão d'Elite Pro Nacional. 
A estreia do técnico no banco do Serzedo não poderia ter corrido melhor, visto que a formação gaiense foi a grande vencedora da primeira edição da Taça Brali, ao derrotar na final o Ermesinde 1936, Campeão Distrital da 2ª divisão, por quatro bolas a zero. Juntando a isso o nono lugar na tabela classificativa em ano de estreia neste escalão, o balanço que o técnico faz da época é positivo: "O balanço foi positivo. Fizemos historia, pois conquistamos a primeira taça que a associação organizou e acabamos por conseguir atingir os objectivos a que nos tínhamos proposto no inicio do campeonato, que era ficar entre os dez primeiros da tabela, mas com algum amargo de boca, dado que andamos quase todo o campeonato nos seis primeiros e tivemos um ponta final um pouco aquém. Mas no global, acho que a época acabou por superar as expectativas e ser muito positiva", começou por realçar o técnico.
Sobre a conquista da Taça Brali, Filipe Ribeiro refere que com o andar da competição, verificou que havia hipóteses de vencer o troféu: "Quando se iniciou a época não sabíamos bem os moldes dessa taça. Tinha dito ao Presidente, antes de começar a época, que podíamos vencê-la. Claro que a encaramos também como uma forma de poder utilizar mais jogadores do plantel em competição e esse objectivo concretizou-se. À medida que fomos vencendo, fomos percebendo que poderíamos fazer história nesta competição e no clube", afirmou.
O Serzedo tem-se reforçado bem esta temporada. Já chegaram ao clube atletas que, para além de já terem defendido as cores do clube, adquiriram experiência noutros campeonatos casos de Bruno Pacheco, Marco Viana (ambos ex-Perafita) e Óscar Beirão (ex-Grijó), que disputaram o Campeonato Nacional de Seniores. Porém, na opinião do técnico, isso não faz com que o Serzedo seja visto como um potencial candidato à subida de escalão: "Não me parece, pois jogamos com equipas com outro poder financeiro. Faremos o nosso trajecto, procurando andar focados naquilo que podemos fazer. Não vamos pensar naquilo que poderá acontecer daqui a nove meses", disse o técnico. Por isso, os objectivos do Serzedo passam por "aumentar a nossa capacidade como equipa, tornando-a, se possível, mais competitiva. Vamos encarar de igual modo as competições, procurando encarar cada jogo para ganhar e procurar obter a melhor classificação possível", concluiu.
O plantel do Serzedo neste momento encontra-se fechado e os trabalhos têm início no próximo dia 29 de Julho. 

Vítor Hugo de saída do Grijó

Vítor Hugo esteve ao serviço do Grijó durante oito temporadas, alcançado três subidas de divisão

O defesa central Vítor Hugo colocou um ponto final na ligação que tinha com o Grijó. Há oito temporadas nos gaienses, o atleta decidiu em conjunto com a direcção liderada por Manuel Gomes, que esta seria a melhor altura para deixar os grijoenses e procurar novos desafios. 
Depois de consumada a descida do Grijó à Divisão d'Elite Pro Nacional, o central explica o falhou nesta caminhada no Campeonato Nacional de Seniores: "Muita coisa falhou. Escolhas técnicas e tácticas também estiveram na origem dos problemas. Tínhamos um plantel para ficar nos seis primeiros e escapar à fase de manutenção, mas as coisas não correram como planeado. Juntando algumas arbitragens que nos prejudicaram e algum azar em jogos que eram para ganhar", começou por analisar. 
Depois de um início prometedor, a equipa decaiu nas exibições e os maus resultados sucederam-se. Gorada a hipótese dos seis primeiros, a equipa até voltou a começar bem a fase manutenção, com três vitórias e dois empates, mas depois as coisas voltaram a correr mal e nos últimos nove jogos a equipa perdeu sete e ganhou apenas um. Apesar disso, Vítor Hugo afirma que o plantel sempre esteve unido: "O plantel sempre esteve unido mesmo sem os resultados aparecerem. A fase final foi o descalabro, não usamos o factor casa como arma, perdemos muitos jogos impensáveis e, por outro lado, penso que fizemos melhores jogos fora de portas. Estávamos numa fase em que tudo nos acontecia", disse. Por tudo isto, o balanço que é feito é negativo: "O balanço é negativo pois a equipa não atingindo os objectivos propostos, pessoalmente acabamos também por não atingir um nível alto", resume.

Rio Tinto é o novo
destino do central
O novo desafio de Vítor Hugo chama-se Rio Tinto, equipa que vai disputar a Divisão d'Elite Pro Nacional, à semelhança dos grijoenses. Sobre o convite, o atleta afirma que os responsáveis do clube fizeram muita força para contar com os seus préstimos: "Souberam da minha saída do Grijó e contactaram-me. Mostraram muito interesse nos meus serviços e fizeram muita questão e força para que representa-se o clube e cheguei a acordo com eles", afirmou, aguardando agora por melhores dias a todos os níveis: "Pessoalmente quero jogar e ajudar o clube com a minha qualidade, o meu trabalho e a minha dedicação, a atingir os objectivos. Este campeonato é muito longo e muito competitivo, vai ser uma estreia nesta divisão visto que vinha do CNS mas penso que existe bastante qualidade nas equipas o que perspectiva uma época a alto nível". Sobre os objectivos do clube, Vítor Hugo refere que estes passam por um campeonato tranquilo: "O clube tem como objectivo fazer um campeonato tranquilo mas pensando sempre em vencer todos os jogos, para andar nos lugares cimeiros e, quem sabe, no fim conseguir uma coisa bonita", concluiu.

Alexandre Ribeiro - "Somos o Oliveira do Douro e isso traz-nos a responsabilidade de jogarmos sempre para ganhar"

Alexandre Ribeiro irá iniciar a época ao
comando do Oliveira do Douro
Alexandre Ribeiro irá manter-se à frente do comando do Oliveira do Douro na próxima temporada. O técnico, que já passou pelo clube na época 2012/2013 orientando quatro jogos, está de volta a uma casa que bem conhece, depois das experiências como adjunto João Pinto, ex-jogador do Fc Porto, no Desp. Chaves e também na União de Leiria como adjunto de Rui Nascimento.
O 'A Bola é Redonda' falou com o técnico, que esteve ao comando da equipa nas últimas três jornadas, depois de Augusto Mata e de Quinito terem passado pelo banco dos oliveirenses. Com menos sorte do que na primeira passagem como treinador principal da equipa, Alexandre Ribeiro somou um empate e duas derrotas, perdendo a hipótese de alcançar a promoção ao Campeonato Nacional de Seniores, se bem que as responsabilidades desse objectivo não alcançado não possam cair sobre o treinador. Ao blog, o técnico referiu que quando chegou ao clube, este já se encontrava no quarto lugar, apesar de ainda ter hipóteses de subir: "Cheguei ao clube num contexto muito específico, sendo que a equipa já estava na quarta posição. Nos três jogos que fiz sofremos quatro grandes penalidades e com a pressão de alcançar o segundo lugar, tornou-se difícil obter a confiança necessária para isso mesmo", começou por analisar Alexandre Ribeiro. Porém, o Oliveira do Douro chegou à última jornada com a subida ao alcance: "Mesmo assim chegamos ao último jogo com a possibilidade de atingir o segundo lugar, mas tivemos a infelicidade do nosso lado, pois até ao 65' o Pedras Rubras não tinha feito um único remate à baliza e nós já tínhamos falhado três oportunidades flagrantes. Depois, a partir do penalti muito duvidoso marcado contra nós, não conseguimos reagir", disse.
Adjunto de Rui Nascimento em Leiria,
o técnico mostra-se mais ambicioso
Fruto desse bom desempenho da equipa azul e branca, Alexandre Ribeiro encara com optimismo a próxima época, embora sem se assumir como candidato à subida. Ainda assim, o técnico marca a posição do clube nesta prova, deixando no ar a ideia de que o Oliveira do Douro poderá ser um caso sério para os adversários: "Existem neste campeonato várias equipas com orçamentos mais altos que o nosso, com melhores condições de trabalho, mas nós somos o Clube de Futebol Oliveira do Douro e isso traz-nos a responsabilidade de jogar sempre para ganhar, seja contra quem for. É essa a nossa ambição e a nossa forma de estar. Depois, só no fim, se verá o que conseguiremos alcançar em termos classificativos", rematou.
O plantel inicia os trabalhos a 31 de Julho e não há novidades para além daquelas que já foram noticiadas, embora ainda possam chegar mais jogadores, uma vez que o plantel não se encontra fechado. 

21 de Julho de 2014

Manuel António - "São Félix nunca foi visto com os mesmos olhos que outros clubes"

Manuel António fechou uma ligação de dez anos com o São Félix

Manuel António deixou o comando técnico do São Félix ao fim de dez anos de ligação ao clube azul e branco. O final da época 2013/204 foi, na opinião do técnico, a altura certa para se fechar um ciclo: "Foi um ciclo de dez anos que terminou. Achei que estava na altura de fechar este percurso e procurar outro projecto. Tenho o São Félix no coração. Agradeço todo o apoio que a direcção me deu ao longo de todos estes anos e também aos adeptos que sempre estiveram ao meu lado e também dos jogadores. Estava na altura certa para rumar a outras paragens", afirma o técnico.
Sobre a época do São Félix que culminou com o regresso da equipa à 1ª Distrital, o técnico aponta diversos factores para o insucesso, mas a arbitragem está no topo dos prejuízos: "Inúmeros factores levaram a que a equipa não garantisse a manutenção. Quando não corre bem treinadores e dirigentes atiram-se ao trabalho do trio de arbitragem, mas a realidade é que este foi um dos maiores factores do nosso insucesso", atira o técnico, que explica de seguida a sua visão: "Esta era uma equipa com valor para se manter na Divisão de Honra e o mesmo foi dito por vários adversários. Mas o certo é que aconteceram coisas em determinados jogos, que só quem assistiu é que pode ter uma ideia do sucedido. O São Félix, desde que treino o clube, nunca foi uma equipa que fosse vista como qualquer outra pelos árbitros. Isto não aconteceu só este ano, mas também no ano anterior em que subimos", disse Manuel António, que também aponta outros factores: "Também tivemos algumas lesões, jogadores que só jogaram na segunda volta, mas a arbitragem foi o ponto fulcral", afirmou.

Este será o novo clube
que Manuel António
irá representar
O técnico vai agora orientar o Pedroso, equipa que também jogará na 1ª Distrital este ano. Manuel António ficou agradado com o convite e com as condições propostas e aceitou desde logo o comando da equipa: "O convite surgiu após um telefonema do Presidente do clube. Fiquei satisfeito quando surgiu esta oportunidade, pois já tinha decidido deixar o São Félix. O projecto agradou-me, mas sobretudo, o que me agradou mais foi a honestidade e humildade tanto do presidente como do vice-presidente, pois são pessoas que têm a mesma visão do futebol que eu", revelou o técnico, que espera fazer uma campanha tranquila: "Vou tentar dar o meu melhor em prol do clube, que merece, assim como os seus adeptos e os seus dirigentes. Queremos que o Pedroso deixe uma boa imagem nesta época 2014/2015", concluiu.
Os trabalhos da equipa estão prestes a começar, sendo a data de 31 de Julho apontada como a do regresso do plantel, que já conhece algumas caras novas e ainda não se encontra fechado. Assim, são 10 os novos reforços e ainda são esperados mais três atletas: João Pereira (ex-Canidelo), Bruno (ex-Canidelo) e Xico (ex-Sanguedo), chegam para a baliza, André (ex-Arcozelo) e Gerson (ex-Sp. Espinho) para a defesa, Hugo (ex-São Félix), Paulo Neves (ex-Perosinho), Rodrigues (ex-Arcozelo), Tita (ex-Sanguedo) e Joel (ex-São Félix) fecham o leque de reforços e são jogadores que ocupam a zona central do terreno de jogo. Foram também promovidos três juniores ao plantel principal.