31 de maio de 2012

Entrevista Com: Sérgio Morais (Treinador dos Juniores do Coimbrões)

O 'Entrevista Com' está de volta, desta feita para destacar o trabalho feito por diversos treinadores a nível da formação nos clubes gaienses. Este tema vai começar com o treinador dos juniores do Canidelo, Sérgio Morais, que classificou a equipa na quinta posição da Série 1 da 1ª Divisão Distrital e brevemente, teremos a entrevista com Carlos Machado, treinador dos juniores do Canidelo, que levou a sua equipa até à subida aos Nacionais da categoria.
Sérgio Morais está no Coimbrões desde o início da época, mas já tinha representado o clube enquanto jogador, tendo sido ao serviço dos verde e pretos que terminou a carreira, decorria o ano de 2000. enquanto jogador representou ainda diversos clubes, entre eles o Candal, o Canidelo, o Valadares, Oliveira do Douro, Delães e Arrifanenese. A nível de Camadas jovens, Sérgio Morais fez todos os escalões no Canidelo, passando ainda pelo Boavista no último ano de júnior. Como treinador, o técnico já orientou o plantel sénior do Canidelo, mas foi nos juniores do clube onde esteve mais tempo, orientando a equipa por
épocas seguidas. Este ano chegou ao Coimbrões.
Aqui fica a entrevista gentilmente concedida pelo treinador, num exclusivo 'A Bola é Redonda'.



A Bola é Redonda (ABR) - Esteve ao serviço do Coimbrões esta temporada, mais precisamente nos juniores, depois de no mesmo escalão, ter treinado o Canidelo na época anterior. Como foi a mudança do Canidelo para o Coimbrões?

Sérgio Morais (SM) - Foi uma mudança fácil pois fomos muito bem recebidos, fruto de todo o que tínhamos feito pelo clube durante jogadores, aliás era um namoro de pelo menos quatro anos, que por esta ou aquela razão não aconteceu mais cedo. Eu digo fomos porque eu não trabalho sozinho, tenho uma pessoa que me acompanha desde essa altura, o Dany, antigo jogador também de vários clubes de Gaia.


Em 1991 ao serviço do Candal
ABR - O ano passado, o Canidelo esteve às portas de chegar ao Apuramento de Campeão, algo que atingiu este ano e também a subida aos Nacionais. Como vê esse feito?

SM - Com alegria, porque vejo o culminar de um trabalho iniciado por nós há quatro anos, e finalizado pelo Mister Berto e sua equipa técnica de uma forma exemplar. Já o fiz, mas aproveito esta entrevista para, publicamente, dar os parabéns ao Mister Berto e todo o seu staff, principalmente ao meu amigo de infância, o director José Manuel como ao Sport Clube de Canidelo.


ABR - Depois de um início um pouco abaixo do que era esperado, o Coimbrões conseguiu recuperar e chegou ao terceiro lugar, no entanto, acabou o campeonato na 5ª posição. O que faltou à equipa para lutar por uma posição melhor?

SM - Mais humildade e mais atitude em jogos considerados mais acessíveis. Quem quer lutar pelos primeiros lugares não pode perder 10 pontos com equipas que se safaram de descer por um ponto.


ABR - Quais foram as maiores dificuldades que sentiram esta temporada?

SM - Várias. Era uma equipa sem ambição, sem disciplina, treinavam por treinar, e no jogo, aparecia o reflexo disso mesmo. Tivemos que fazer um trabalho de base em várias vertentes do futebol, chegando mesmo a fazer um trabalho individualizado, quer táctico e técnico, mas principalmente mental, fazendo-os acreditar que no futebol não há limites.


Em 2000 no último ano de carreira, ao serviço do Coimbrões

ABR - Na próxima época, continuará à frente dos juniores do Coimbrões?

SM - Sim. Posso confirmar com a devida autorização do Clube.


ABR - Para o próxima temporada, teremos o Coimbrões a lutar deliberadamente por um lugar que de acesso à subida de divisão?

SM - Essa é uma pergunta muito subjectiva, pois todos os que vão participar tem legitimas pretensões de subida. No Coimbrões trabalhamos com o que a casa tem, pois não temos dinheiros para contratar quem nós queremos. Agora, o que podemos prometer, é que vamos ser uma equipa competitiva e que vai saber o que quer e se isso fizer a diferença...


Foi no Canidelo que Sérgio Morais
se estreou nos séniores
ABR - Há duas épocas, esta equipa quase descia de divisão. O que mudou entretanto?

SM - Essa pergunta devia ser feita aos jogadores mas vai muito ao encontro da minha resposta atrás. Disciplina, rigor, muito trabalho técnico e táctico e o acreditar no impossível. Fazer de um grupo de atletas uma família, uns guerreiros.


ABR - Como vê o estado da formação no Coimbrões?

SM - Do melhor. Repare, tem a melhor escola de futebol jovem de Gaia, a Futjovem, que rivaliza com as melhores da cidade do Porto. Os escalões de benjamins e infantis todos os anos fornece os grandes do Pais. O ano passado foram dois para o SL Benfica e FC Porto, este ano mais dois para o FC Porto. Pena que esse trabalho, muito por força dessas saídas, não seja tão visível nos escalões de iniciados, juvenis e juniores, mas penso que num curto espaço de tempo seja ultrapassada.


Último ano de formação
no Boavista
ABR - Ate há bem pouco tempo, apenas o Candal tinha equipas nos escalões nacionais nas três principais camadas jovens. Agora o Canidelo juntou-se também. Acha que os clubes estão a mudar a maneira de ver a formação?

SM - Claro que sim. Eu vou falar no Coimbrões. Nós trabalhamos de forma a colocar nos seniores o maior número de jogadores oriundos da formação, porque só assim é que o clube não perde a sua identidade. Outra situação, é ter treinadores com uma filosofia virada para a entre-ajuda entre todos, porque ai começa a nascer a tal família que falava atrás, e no Coimbrões, com a antiga direcção e com a actual, esse é e será o nosso meio de recurso num curto espaço de tempo, pois queremos continuar a crescer de uma forma sustentada.


ABR - Por último, gostava que deixasse uma mensagem a todos os jovens que sonham ser jogadores de futebol, bem como aos adeptos do Coimbrões e leitores do blog.

SM - Para se ser jogador tem de se ser humilde, ser trabalhador, ser bom ouvinte, ter vontade de aprender e acreditar no seu futebol.
Para os leitores, uma palavra de apreço porque sem eles este tipo de trabalho não era possível.
Quanto aos adeptos, continuarem a dar o apoio a todos os escalões como dão, pois ai é que começa a tal família que eu falo, para eles o nosso muito obrigado.

29 de maio de 2012

Rui Pedro deixa o Canidelo

Rui Pedro, médio que esta época realizou 12 jogos como titular dos gaienses, apontando quatro golos, afirmou ao 'A Bola é Redonda' que não irá continuar no clube na próxima época: "Estou livre para ir para qualquer clube. Vou aguardar contactos e escolher com calma, pois não quero de todo ter um ano como o que passou. Só quero que a próxima época comece para esquecer esta última", começou por referir o jogador, que será uma baixa de peso no meio campo da próxima época, para António Remelgado.
Por isso, o jogador não considera que esta tenha sido uma boa época a nível individual e explica porque: "A nível pessoal, foi um ano que não me satisfez em nenhum aspecto. Comecei mal, tomei a pior opção que poderia ter tomado ao assinar pelo Grijó, não quero nem lembrar, depois, tive algumas propostas mas optei pelo Canidelo, uma casa que já conhecia bem onde já tinha sido muito feliz. Decidi voltar, comecei bem, a jogar como sempre foi normal, no entanto, com a troca de treinadores, comecei a jogar cada vez menos, o que me leva neste momento a sair do clube", afirmou o jogador. A nível colectivo, Rui Pedro esperava também um pouco mais: "Tivemos uma época abaixo das expectativas. Embora não tivesse começado a época, sabia quais eram os objectivos do Presidente para este ano. Ficamos uns furos abaixo do desejado, contudo, o nono lugar não é péssimo, se tivermos em conta que tivemos uma mudança de treinador a meio da época. Mas sabemos perfeitamente que tínhamos plantel para muito mais", avaliou o médio.
Rui Pedro agradece também aos leitores do blog, pois apesar de pouco utilizado, o jogador acabou por ser o terceiro melhor jogador da Divisão de Honra, com 15% dos votos, logo atrás do colega de equipa, Ricardo Melo, que arrecadou 18% dos votos: "Embora a época não me tenha corrido como desejado, quero agradecer a todos os que votaram em mim aqui no blog e que fizeram com que ficasse em terceiro lugar. É muito bom sentir o carinho e o reconhecimento das pessoas pois dá-nos ainda mais motivação para continuar a jogar, a todas elas muito obrigado. Aos outros dois colegas  principalmente ao meu colega/amigo Ricardo Melo, que ficaram em segundo e primeiro lugar, os meus parabéns", afirmou, deixando também uma palavra de apreço para os associados do Canidelo: "Aproveito  também o momento para agradecer a todos os sócios,  colegas e direcção do Canidelo por todo o apoio que sempre me deram. Para eles as maiores felicidades", concluiu o jogador.

Ricardo Silva - "Em principio regressarei a um clube de Gaia"

Ricardo Silva voltará a jogar em Gaia na próxima época
Ricardo Silva, avançado que esta época esteve ao serviço do Pedrouços, abordou a época do clube que culminou com a descida deste à 1ª Distrital. O goleador disse que "falhamos nos momentos mais importantes. Perdemos pontos que não deveríamos perder, por exemplo com Baião e Vilarinho em casa, e o desfecho foi inevitável. Faltou sobretudo maturidade e experiência à equipa", abordou o jogador.
O Pedrouços classificou-se na 15ª posição, com 32 pontos, e viu passar pelo banco três treinadores: Começou Edgar, seguiu-se-lhe Mário Henrique e terminou Bruno Mendes. Nenhum deles conseguiu evitar o desfecho menos desejado.
O último jogo desta época foi no terreno do Candal, clube que Ricardo representou precisamente antes de ingressar nos maiatos, há duas épocas atrás: "Em relação ao jogo com o Candal não há muito a dizer. Foi um jogo de final de época, em que o resultado não era significante para nenhuma das equipas, e no qual o Pedrouços utilizou alguns jogadores menos utilizados durante toda a época. O resultado justo era o empate", afirmou o jogador, que levantou um pouco o véu sobre a próxima época, adiantando que não ficará no Pedrouços e que há fortes possibilidades de voltar a Gaia: "Penso que o ciclo no Pedrouços acabou. Em principio regressarei a um clube de Gaia, mas para já, ainda não posso adiantar muito mais", disse Ricardo.
O jogador falou também da descida do Arcozelo à 2ª Distrital. Ricardo esteve três temporadas nos verde e brancos e por isso, custa-lhe ver o clube passar por esta crise: "A descida do Arcozelo à 2ª Distrital é algo que me deixa bastante triste. Em primeiro lugar porque gosto imenso do clube, em segundo, porque os treinadores desta época, quer o mister Ernesto, quer o mister Alfredo Mendes, são duas pessoas excelentes, dois excelentes treinadores e que não mereciam também este final. Espero muito sinceramente que o clube se reabilite e que volte rapidamente à Divisão de Honra", desejou o jogador.

Lourenço põe um ponto final na carreira

Lourenço, aqui ao serviço do Sp. Covilha em 03/04, então a disputar a Liga de Honra

Lourenço, avançado que entre outros clubes, representou o Dragões Sandinenses, Vilanovense, Candal, Coimbrões e estava desde o início desta temporada no Canidelo, decidiu colocar um ponto final na longa carreira de futebolista. Perto de celebrar 36 anos, no próximo domingo 7 de Junho, o atleta explicou ao 'A Bola é Redonda' o porquê da sua decisão de 'pendurar as botas': "Quando vim para o Canidelo, o plano era terminar onde tudo começou e agora, quase com 36 anos e 26 de carreira, acho que estava na altura. Sinto que teria condições físicas para continuar, mas tudo tem o seu tempo e eu prefiro que as pessoas digam que gostavam de me ver mais uma época, do que já não faço a diferença em campo", afirmou o avançado, que deu os primeiros passos para o futebol, precisamente no Canidelo.
Numa carreira com passagens por clubes com história no futebol português, casos do Sp. Covilhã e do Nacional, onde foi treinado por José Peseiro e conseguindo uma subida à Liga, que não chegou a disputar, Lourenço destaca a presença nos quartos-de-final da Taça de Portugal em Alvalade, na temporada 1999/00, ao serviço dos Dragões Sandinenses, mas também as subidas com o Coimbrões e com o Candal: "As recordações do futebol são muitas, como podes imaginar, mas saliento do período de formação a ingenuidade e a forma desinteressada com que jogávamos, só pela paixão ao jogo. Depois, como profissional, tudo foi diferente mas igualmente marcante, pois vivi o sonho de milhares de jovens. Recordo os golos, as subidas de divisão, os quartos-de-final em Alvalade, o playoff com o Trofense, a subida á 1ª Liga com o Nacional, até aquela ansiedade de fim de época, quando não sabia onde ia jogar na seguinte. Recordo os estágios, as amizades, as entrevistas, a subida pelo Candal, a subida pelo Coimbrões", contou Lourenço.
Contudo, Lourenço vai continuar ligado ao futebol, até porque é dono de uma escola de futebol, a Newteam, mas também porque está envolvido com Napoleão, outro jogador que terminou a carreira no final desta época, num novo projecto: "Tenho uma escola de futebol, a Newteam, onde posso transmitir parte do que aprendi a crianças dos 3 aos 15 anos, pois conto já com cerca de 50 atletas, o que me realiza pessoalmente pois era um sonho de há muito. Paralelamente consegui , juntamente com o Napoleão, realizar outro projecto que é um indoor soccer em Canidelo, o Indoor4Caminhos, onde organizamos jogos, torneios, festas de aniversário, convívios, etc. Como podes constatar a paixão e a minha ligação ao futebol vai continuar, mas de maneira um pouco diferente", concluiu o jogador.
Na próxima quinta-feira, dia 7 de Junho, está marcada uma festa de despedida do jogador, com a realização de um jogo de futebol, às 11h, no Estádio do Canidelo.

Ricardo - "O balanço da temporada é bem positivo"

Ricardo a festejar o terceiro golo frente ao Crestuma, já ao cair do pano, depois de a equipa ter estado a perder por 0-2

Ricardo, avançado do Perosinho, está contente com o facto da equipa ter conseguido bater o Ermesinde, no jogo de atribuição do 5º e 6º lugar, conseguindo com isso a tão almejada subida de divisão.
Relativamente à partida com o Ermesinde, decidida na marcação das grandes penalidades, o dianteiro refere que os dois conjuntos aproveitaram os erros cometidos por ambas as equipas: "O jogo do Ermesinde foi jogado mais com o coração, onde ambas as equipas cometeram imensos erros, o que é aceitável visto que era o jogo do tudo ou nada. Apesar disso, foi um jogo muito disputado, num campo onde as condições são mínimas para que houvesse um jogo bem jogado e apelativo, prevalecendo os lances de bola parada pois todos os golos surgiram de canto e livre directo", disse o jogador, que faz um balanço bastante positivo da temporada do seu clube, visto que, apesar de ter sido neste jogo decisivo, o Perosinho conseguiu atingir o objectivo da época: "O balanço da temporada é bem positivo, pois de uma maneira ou de outra, com mais ou menos sofrimento, conseguimos o tão almejado objectivo que era a subida de divisão. No entanto poderíamos ter aproveitado as variadíssimas ocasiões para alcançarmos o objectivo mas, devido à falta sorte, pressão e até mesmo a falta de alguma experiência, deixá-mo-lo fugir alcançando-o mais tarde com todo o mérito", analisa Ricardo.
A jogar à duas temporadas no clube, o atleta ainda não sabe se irá continuar, preferindo aproveitar para descansar e tomar decisões mais para a frente: "O meu futuro ainda está por decidir mas depois de uma época tão longa e desgastante quanto esta, estou só concentrado em relaxar e depois irei pensar no futuro", concluiu Ricardo.
De referir que o Perosinho consegue a subida de divisão, porque o Salgueiros 08 irá ser promovido também à 3ª Nacional, apesar do segundo lugar na Divisão de Honra, à semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, verificando-se apenas a descida de um clube filiado na AF Porto, no caso o Alpendorada.

28 de maio de 2012

Mário Heitor - "Finalmente temos aquilo que precisamos para poder trabalhar"

Apesar de todas as dificuldades, o Oliveira do Douro garantiu a manutenção.
Mario Heitor fica assim mais uma época no clube

O Oliveira do Douro conseguiu garantir a permanência na Divisão de Honra a duas jornadas do fim do campeonato, com a vitória alcançada frente ao Nogueirense. A formação orientada por Mário Heitor era apontada como uma candidata à subida de divisão, mas acabou por estar a lutar para não descer à 1ª Distrital. Os oliveirenses viveram uma época bastante atribulada, com muitas saídas de jogadores, lesões e também com a saída do presidente, Pedro Farinha, por motivos pessoais.
Mário Heitor garante ao 'A Bola é Redonda' que "a minha equipa técnica e eu vamos continuar no clube", e faz um balanço daquilo que foi esta época à frente dos destinos dos gaienses. Com uma nova direcção, liderada por João Paulo Correia, o técnico afirma que agora "finalmente temos aquilo que precisamos para poder trabalhar".
Rabaça ingressou
no Canidelo e foi
o melhor marcador
Sobre a temporada do clube, que terminou na 11ª posição com 40 pontos conquistados, o técnico explica o que correu mal: "Foi uma época desgastante, onde tinha tudo para correr bem mas não aconteceu. Conseguimos fazer um plantel equilibrado e bastante competente para andar entre os cinco primeiros lugares da tabela, algo que ate ao fim da primeira volta estava a ser conseguido. No entanto, apesar das promessas feitas, logo no primeiro mês começaram os problemas: faltou cumprir o que tinha sido assumido, principalmente com os jogadores que transitaram da época passada", começou por analisar o técnico, que aponta essas promessas não cumpridas como as principais causas de mal estar entre os atletas do clube: "Isto causou desde logo um mau estar entre os jogadores e a direcção. Foi preciso muito engenho para motivar os meus jogadores a não desistir, apesar das constantes promessas e sucessivos incumprimentos. Depois o presidente deixou o clube por motivos pessoais, o que agravou o mal estar", revelou o treinador. Porém, em Dezembro as coisas complicaram-se, com muitos atletas a deixarem o clube, nomeadamente Hugo Figueiredo, que ingressou no Coimbrões e Rabaça, que foi para o Canidelo, os dois melhores marcadores da equipa. Mas não só: "Quando chegamos a Dezembro muitos jogadores decidiram deixar o clube e nessa altura tivemos uma onda lesões graves. Ao todo ficamos sem 16 jogadores. Foi muito difícil conseguir garantir a manutenção nestas condições, onde os grandes heróis foram todos os jogadores, que não desistiram e defenderam sempre com grande determinação a camisola do Oliveira do Douro", afirmou peremptoriamente Mário Heitor.
Hugo Figueiredo deixou os
oliveirenses e ingressou no
Coimbrões
Agora, finda a época, o clube prepara já a próxima temporada, recomeçando mais uma vez do zero. Mário Heitor continuará à frente da equipa técnica e deixa elogios ao novo presidente: "Já estamos a preparar a próxima época e finalmente temos aquilo que precisamos para poder trabalhar. Temos uma nova direcção, liderada por uma pessoa muito competente e séria, e que trará, sem qualquer dúvida, a estabilidade que todos precisamos", disse, não adiantando contudo, nada relativamente a entradas, saídas e permanência de jogadores: "Relativamente a jogadores não vou adiantar nada. A grande preocupação para esta época é voltar a dar ao clube a credibilidade que foi perdendo ao longo destes últimos anos. Para mim, é um grande orgulho poder ser o treinador do Oliveira do Douro, e farei sempre o meu melhor para que o clube possa atingir a melhor classificação possível", concluiu o treinador.

Classificações - 3ª Divisão Série B, Fase Subida


Terminou a Fase Subida da 3ª Divisão Nacional. O Grijó não conseguiu somar pontos na deslocação ao terreno do Sousense, acabando derrotado por duas bolas a zero, com os gondomarenses a terminarem esta fase a apenas quatro pontos dos lugares de subida, na terceira posição. Já os grijoeneses ficaram no sexto lugar, com 23 pontos. Sobem à 2ª Nacional o Cesarense e o Infesta, que desde o início do campeonato foram dominando os primeiros lugares da tabela classificativa.

26 de maio de 2012

Ricardinho - "Muito obrigado por tudo"

Ricardinho explicou os motivos
da sua saída do Serzedo
Ricardinho, atleta que esteve durante duas temporadas ao serviço do Serzedo, está sem clube desde que os gaienses decidiram não continuar a contar com os seus serviços, como o 'A Bola é Redonda' já tinha anunciado ontem.
O jogador afirmou ao blog que os motivos da sua saída, prendem-se com questões financeiras. Ainda assim, o avançado que foi pelo segundo ano consecutivo o melhor marcador da equipa, deixa elogios ao clube e agradece pela aposta nele: "Gostava de agradecer ao Serzedo por me ter aberto as portas numa altura complicada para mim. Passei dois anos bons, com uma subida de divisão, fiz 39 golos em duas épocas e fiz alguns amigos", disse o atleta, referindo os motivos da sua saída: "Foi-me comunicado ontem (quinta-feira) que não contavam comigo por ser um jogador caro, e que o clube iria baixar o orçamento. Gostava de agradecer a todos os associados e jogadores mais jovens do Serzedo, muito obrigado por tudo", afirmou Ricardinho.
Contactado pelo blog, Luís Pedrosa, remeteu mais para a frente qualquer tipo de comentários sobre as palavras do jogador.

25 de maio de 2012

Presidente do Serzedo desmente "redução orçamental" e dispensa de Bruninho

Luís Pedrosa, presidente do Serzedo, ficou indignado com a notícia sobre a dispensa dos jogadores que o A Bola é Redonda anunciou.
Luís Pedrosa confirmou a saída de quatro atletas, mas não confirmou a saída de Bruninho: "Bruninho não foi dispensado, nem sei se vai ser ou não. Os outros quatro nomes vão sair porque já foi falado com eles", disse o presidente.
Luís Pedrosa confirmou a continuidade de Pedro Domingues na próxima época mas também desmentiu a redução orçamental: "O Pedro vai continuar no clube. Falamos e disse-lhe que queria uma equipa com o mesmo nível da de este ano. A redução orçamental é mentira, porque o orçamento para este ano é o mesmo da época anterior. É certo que vão sair alguns jogadores, mas os que vêm não irão jogar de borla", disse o presidente
Assim, apenas estão confirmadas as saídas de Pacheco, Bruno Cruz, Ricardinho e Félix. Quanto a entradas, o presidente remteu para a próxima semana mais desenvolvimentos.

Nandinho - "Vão ter que correr mais que nós para nos ganhar"

Nandinho a festejar o golo frente ao Benfica na final da Taça de Portugal

O Modicus-Sandim recebe no próximo domingo o Sporting, em jogo das meias-finais do Campeonato Nacional da 1ª Divisão de futsal. A realizar a melhor época de sempre, os gaienses estão entre as quatro melhores equipas do campeonato, depois de na fase regular terem terminado na terceira posição e de no início deste mês terem disputado a final da Taça de Portugal frente ao Benfica.
Um dos artífices desta boa campanha, Nandinho, jogador que recentemente alcançou a sua primeira internacionalização e marcou o seu primeiro golo ao serviço de Portugal, disse que a sua equipa irá abordar o jogo de forma tranquila, pois o Modicus já atingiu os seus objectivos: "Vamos jogar tranquilos com o Sporting. Já cumprimos os nossos objectivos para esta época e vamos divertir-nos neste jogo, mas com o intuito de fazer a vida negra ao Sporting e jogar para ganhar", disse o ala dos gaienses.
Na fase regular, o Sporting não conseguiu derrotar os gaienses, empatando a cinco golos em Loures e depois a três golos em Sandim, mas para Nandinho isso não será factor impeditivo para o Sporting tentar conquistar a vitória: "É um adversário fortíssimo. São jogadores experientes. Pode pairar na cabeça essa ideia, mas para nos vencerem terão que ter a certeza de que correram mais que nós. Este ano estamos bem e confiantes e temos a responsabilidade de deixar uma boa imagem", disse o melhor marcador do campeonato, com 37 golos apontados.
Nandinho revelou também que ainda não sabe o seu futuro. Devido à boa campanha individual, as propostas já forma surgindo, com o jogador a admitir todos os cenários, até a ficar mais uma época no Modicus: "Tudo pode acontecer. Vamos ter que aguardar. Felizmente tenho algumas propostas para sair, mas ficar também é uma possibilidade. Vamos ver", revelou o jogador que tem ainda o sonho de estar no Mundial da modalidade: "Cheguei à selecção graças ao trabalho. É um momento alto de cada jogador, representar o seu país. Temos as meias-finais para disputar, mas depois quero descansar, pois quero começar a próxima época como acabei esta, pois é um objectivo meu estar no Mundial", concluiu o jogador.
A partida entre o Modicus e o Sporting realiza-se então no próximo domingo, no Pavilhão do Modicus, com início marcado às 17h.

Infesta empata em Grijó e volta a subir de divisão


O Infesta conseguiu somar o ponto que faltava para poder voltar a festa da subida de divisão. Em partida realizada no passado sábado, frente ao Grijó, em casa deste, a formação de José Manuel Ribeiro conseguiu segurar o empate a uma bola e festejar o regresso à 2ª Nacional, escalão que havia deixado há três épocas com duas descidas sucessivas que levaram a equipa até aos distritais da AF Porto.
A partida foi equilibrada na primeira metade, com o Infesta a adiantar-se no marcador por intermédio de Magalhães aos 36' de jogo. Na segunda metade o Grijó comandou as operações e conseguiu chegar ao empate, por intermédio de João aos 68' e esteve muito perto de conseguir virar o resultado, mas a trave e a exibição de Duarte, guardião infestista, impediram que os gaienses voltassem a vencer os matosinhenses em casa.
Óscar Nogueira, treinador do Grijó, destacou a forma de jogar da sua equipa e a falta de sorte para alcançar outro resultado: "Foi um jogo bem disputado entre duas boas equipas. A primeira parte mais dividida, com o Infesta bem organizado, mas sempre atenta ao nosso erro para poder causar perigo na nossa área, sendo num lance desses que aproveitaram para fazer o único golo, mesmo já depois de Duarte ter feito duas excelentes defesas. Na parte complementar tudo se alterou, alteramos um pouco a estrutura e a dinâmica no jogo o que causou mais dificuldades ao adversário, que passou praticamente a defender exclusivamente e, depois do nosso excelente golo apontado pelo João, juntou algum anti-jogo explicável pelo interesse no resultado que servia os seus objectivos", disse o técnico, que deixou contudo, os parabéns ao adversário e também aos seus jogadores: "Quero dar os parabéns sinceros ao Infesta pela conquista da subida de divisão, em especial ao meu amigo Zé que foi o líder do grupo. Também quero felicitar os meus jogadores por terem deixado no último jogo em casa uma boa imagem, uma equipa organizada, lutadora, ambiciosa e essencialmente com muito carácter o que me satisfaz", disse Óscar Nogueira.
No próximo domingo joga-se a última ronda do campeonato e já com tudo decidido, o Grijó desloca-se ao terreno do Sousense. Óscar Nogueira espera um bom jogo de futebol: "É o ultimo desta "maratona" e que já quase nada modifica na classificação e na imagem que as equipas conseguiram nesta temporada. Mas é um jogo, e quando assim é, queremos disputar o que está em disputa que são os três pontos. Espero um desafio tranquilo, interessante e positivo", concluiu o treinador, que remeteu para a próxima semana, novidades sobre a sua continuidade ou não à frente do clube na próxima época.

Dragões Sandinenses perdem no adeus de Ricardo Jorge


O Dragões Sandinenses perdeu no passado sábado por três bolas a uma, na recepção ao Ac. Felgueiras, equipa que tinha garantido a subida de divisão bem como o título de Campeã Distrital.
Porém, o jogo até nem foi fácil para os homens de Ricardo Soares, que entraram a perder, com um golo de Ivo aos 23 minutos. No entanto, a formação gaiense foi falhando algumas ocasiões de golo, o que permitiu aos felgueirenses aproveitar as oportunidades que criou e com mais eficácia chegou à igualdade ainda na primeira parte, num golo de Filipe Carvalho (42') e já na segunda metade Fábio (64') e Bruno (83') fizeram os outros golos.
Ricardo Jorge, treinador dos Dragões Sandinenses, destacou precisamente a falta de eficácia da sua equipa, aliada a boa organização do adversário, como factor preponderante neste jogo e no resto da época: "O último jogo é um reflexo daquilo que foi a nossa época. Jogamos contra a melhor equipa do campeonato, já o tinha dito, uma equipa experiente e bem organizada, mas fomos mais consistentes e conseguimos em diversas ocasiões encostar o Ac. Felgueiras, mas fomos ineficazes na finalização ao passo que o adversário foi à nossa baliza três vezes e marcou três golos. Acho que é um resultado justo", disse o treinador.
Este jogo marcou também a despedida do técnico: "Vim para o Dragões Sandinenses com um projecto de dois anos, um para subir e outro para estabilizar o clube. Felizmente isso foi conseguido, consegui criar uma boa relação com a massa adepta e também com os jogadores, mas o projecto chegou ao fim e agora estou à procura de um no projecto. Estou à espera que o telefone toque", adiantou o treinador, que porém, não descarta a hipótese de continuar: "Se o Dragões Sandinenses me apresentar um projecto aliciante, porque não? Contudo, actualmente sou um treinador livre", concluiu.
O Dragões Sandinenses terminou a temporada na 13ª posição, com 40 pontos, um lugar muito abaixo daquilo que era esperado, mas com o principal objectivo da época garantido há algum tempo, que passava pela manutenção.

Serzedo terminou o campeonato em sexto e dispensa cinco

Ricardinho foi, pela segunda vez,
o melhor marcador do Serzedo
no campeonato.
O Serzedo venceu no passado sábado o Baião por uma bola a zero, conseguindo terminar assim o campeonato num honroso sexto lugar, mas, tendo em conta as exibições da equipa durante grande parte da temporada e o facto de esta ter subido de divisão esta época, o sexto lugar acaba por saber a pouco, tanto mais que o terceiro classificado, o Pedras Rubras, ficou a apenas dois pontos de distância.
A equipa de Pedro Dominguez conseguiu superiorizar-se ao adversário, apesar de ter jogado desde os 35' com menos uma unidade, por expulsão de Óscar. Fábio, a cinco minutos do final do encontro, apontou o golo que valeu os três pontos para os gaienses.
Porém, o A Bola é Redonda sabe que o clube já prepara a próxima temporada e nesse sentido, houve já cinco jogadores que deixaram o plantel, por causa da política de redução orçamental do clube. Assim Ricardinho, melhor marcador da equipa com 15 golos, Félix, segundo melhor marcador com 13, Bruninho, Pacheco e Bruno Cuz, são a partir de hoje jogadores livres, depois de a direcção ter prescindido dos seus serviços.
Esta será uma notícia que iremos acompanhar em próximas actualizações.

Canidelo vence e termina no 9º lugar


Local: Estádio do Canidelo
Hora: 17h
Árbitro: Tiago Costa

Canidelo: Costa, Gomes, Fifas, Sérgio e André, Rúben, Lourenço (Cardoso 80') e Andrade (Vinagre 40'), Rabaça, Sousa (Luís Miguel 70') e Miguel.
Treinador: António Remelgado

Barrosas: Ricardo, Emanuel, Paulo, Luís e Igor, Vítor Alves, Vítor Mendes (Michel 56') e Agostinho, Tiago, Ismael (António 70') e Raul (Luís 74').
Treinador: Jorge Abreu

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 2-1

Marcadores: Rabaça (50') e Lourenço (79') para o Canidelo e Vítor Alves (65') para o Barrosas.

O Canidelo fechou o campeonato com uma vitória, ao receber e bater o Barrosas por duas bolas a uma, ultrapassando assim este adversário na classificação e terminando a prova no nono lugar, com 44 pontos conquistados. Este jogo marcou também as despedidas dos relvados de Andrade e Lourenço, dois jogadores que haviam chegado esta temporada provenientes do Coimbrões. O médio de 37 anos e o avançado de 35, puseram assim termo a uma carreira recheada de êxitos e, no caso de Lourenço, com o golo que valeu mais três pontos ao Canidelo.
António Remelgado, treinador da equipa, destacou este jogo precisamente pela sua carga emocional: "Foi um jogo de emoções fortes, com as despedidas do Lourenço e do Andrade. Para além disso, foi um jogo razoável, típico de final de época e que teve dois bons golos. Terminamos o campeonato no nono lugar, mas o objectivo que me foi proposto, foi cumprido", adiantou o técnico.
António Remelgado adiantou também, que será o treinador do Canidelo na próxima época: "Vou continuar. Tenho raízes profundas que me ligam ao Canidelo e foram reunidas as condições mínimas para a minha continuidade", concluiu o treinador.

Candal despede-se com vitória no campeonato


Local: Estádio Rei Ramiro
Hora: 17h
Árbitro: Bruno Chasqueira

Candal: Paulo Alegria (Luís 85'), Ricardinho, Bicho, Nuno Sousa e Tiga, Russo (Gil 84'), Campota (Romani 87') e Jony, Digas, João Amaral e Gonçalo.
Treinador: Paulo Gentil

Pedrouços: Pedro, Sampaio, Neves, Gerson e Carlos, Nuno Cardoso, Paparradas e Miguel Coelho (Pedro Sá 46'), Postiga, Huguinho (Ricardo 46') e André (Fabú 46').
Treinador: Bruno Mendes

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 2-1

Marcadores: Gonçalo (47' e 73') para o Candal e Ricardo (88') para o Pedrouços

O Candal fechou a época com uma vitória, em partida frente ao já despromovido Pedrouços. A formação gaiense levou de vencida os maiatos por duas bolas a uma, com bis de Gonçalo, sendo que para o Pedrouços marcou Ricardo, atleta que já defendeu as cores candalenses. Os golos só surgiram na segunda metade, o que demonstra o equilíbrio que a partida teve.
Paulo Gentil, treinador do Candal, destacou o facto de este ter sido um jogo típico de final de época e disse também que a equipa jogou para que o Gonçalo alcançasse a primeiro lugar na lista dos melhores marcadores: "Foi um jogo típico de final de época. Queríamos também ajudar o Gonçalo a ser o melhor marcador, pois fez uma época fantástica. Falhamos muitos golos, por isso penso que o resultado poderia ter sido mais dilatado. Porém é sempre bom terminar a vencer", disse o técnico. De facto, o Candal com esta vitória, quebrou uma série de quatro jogos sem vencer, sendo que levava já três derrotas seguidas.
Relativamente à próxima temporada, o técnico admite que é praticamente certa a sua continuidade, contudo, apenas poderá confirmar essa situação mais à frente: "As coisas estão encaminhadas para continuarmos a trabalhar no Candal. No entanto, apenas na próxima semana poderei confirmar isso com mais precisão", adiantou o treinador.

24 de maio de 2012

Progresso perde na despedida de Milton Ribeiro


Local: Estádio do Aliados de Lordelo (Paços de Ferreira)
Hora: 17h
Árbitro: Sérgio Ferreira

Progresso: Barbosa, Bessa, Oliveira, Berto (Filipe 81') e Morais, Luís, Jorge e Bareck, Cruz (Pinto 40'), Fábio (Galiza 68') e Leitão
Treinador: Milton Ribeiro

Amarante B: Sérgio, Diogo Monteiro, Couto, Cerqueira e Cláudio, Pedro Melo (Nuno 88'), Calixto e André, Bruno (Casinhas 65'), Landinho e Pedro Miguel (Peixoto 69').
Treinador: Carlos Gonçalves

Resultado ao intervalo: 0-1
Resultado final: 0-2

Marcadores: Pedro Miguel (2') e Landinho (90+2')

O Progresso perdeu no passaso sábado com o Amarante B, em partida referente à disputa do 3º e 4º lugar da 2ª Distrital, disputada no estádio do Aliados de Lordelo, em Paços de Ferreira. A formação amarantina acabou por ser mais forte, vencendo o jogo por duas bolas a zero, marcando no início e no fim do encontro, através de Pedro Miguel (2') e Landinho (90+2'). Milton Ribeiro despediu-se assim do comando técnico dos portuenses com uma derrota, contudo, com o sentimento de dever cumprido: "Depois de uma semana complicada, devido à morte de um dos nossos adeptos mais representativos, que desde já aproveito para mandar as condolencias à familia do Tininho, sendo este pai do meu jogador Barek, depois da direcção não ter falado connosco, depois de termos tomado a decisão de deixarmos o clube no final deste jogo, depois de uma semana onde apenas treinamos uma vez por falta de roupeiro e de acesso à lavandaria, tenho de dizer que encaramos o jogo com muita seriedade e honestidade", revelou o técnico, que, apesar de achar o resultado algo pesado, reconhece justiça na vitória do adversário: "A vitória é justa, o resultado um pouco dilatado, mas o Amarante mereceu pelo que fez", disse.
Milton Ribeiro não deixou de agradecer aos adeptos que se deslocaram a Paços de Ferrieria para apoiar a equipa e quanto à sua situação revelou que já houve algumas sondagens, mas nada em concreto: "Mais uma vez os nossos adeptos estiveram presentes em grande número, o que nos deixou muito contentes, visto ser o jogo da despedida de muitos de nós. Só tenho a agradecer todo o apoio e carinho que nos deram. Em relação ao meu futuro, neste momento sou um treinador livre e aberto a novos projectos. Não existe nada em concreto e apenas houveram algumas sondagens de dois clubes, mas sem qualquer convite formal. Estou tranquilo", disse, remetendo para o seguinte endereço de email os potenciais convites: miltonribeiro.coach@gmail.com .

23 de maio de 2012

Perosinho vence nas grandes penalidades e festeja a subida


Local: Complexo Desportivo do Senhora da Hora
Hora: 17h
Árbitro: André Neto

Perosinho: Rui Leite, Guedes, Hélder, Vitó e Filipe, João Tiago, Ricardo e Luís, Ivo, Pedro e Marquinho.
Treinador: Allen

Ermesinde: Luís, César, Fábio Ribeiro, Cláudio e Ivo (Flávio 41'), Marco, Medeiros e Joca, Nando (Leça 90+3'), Sérgio e Armando (Paulo 85').
Treinador: Vítor Leal

Resultado ao intervalo: 2-1
Resultado final: 2-2
Resultado nas grandes penalidades: 4-3

Marcadores: João Tiago (2') e Ivo (15') para o Perosinho e Joca (5') e Marco (52') para o Ermesinde

E à terceira foi de vez. O Perosinho conseguiu, na terceira oportunidade que teve para subir, alcançar esse mesmo objectivo, depois de derrotar na marcação de grandes penalidades o Ermesinde. A formação gaiense carimba assim o regresso à Divisão de Honra da AF Porto, tudo porque o Salgueiros 08 acompanha o Ac. Felgueiras na subida à 3ª Nacional, tendo apenas o Alpendorada feito o caminho inverso, sendo assim necessário subir mais um clube desta divisão para que houvessem os 18 clubes necessários na Honra. Depois de ter sido candidato na época anterior e de ter terminado a prova a lutar pela permanência, esta época nada foi deliberadamente assumido e a equipa fez uma campeonato em grande nível, ocupando sempre os lugares de subida. Nas duas últimas jornadas, duas oportunidades de carimbar esse regresso, mas dois falhanços, frente ao Valonguense e depois frente ao Sobrado, afastaram o sonho, que finalmente chegou por esta via. 
Relativamente à partida, o Perosinho esteve sempre por cima dos acontecimentos e apontou o primeiro golo por intermédio de João Tiago, logo aos 2'. No entanto, a reacção do Ermesinde não se fez esperar e aos cinco minutos já tinha reestabelecido o empate, com golo de Joca. Porém, Ivo deu nova vantagem aos gaienses ainda no primeiro quarto de hora, vantagem essa que só seria desfeita já no segundo tempo, com o golo de Marco (52') a reestabelecer a igualdade que imperou até ao final dos 90'. Nas grandes penalidades Rui Leite foi o herói ao defender o segundo castigo máximo, o que enervou os de Ermesinde que voltaram a falhar logo de seguida. Ricardo também falhou uma grande penalidade para o Perosinho, mas no final da primeira série de cinco, João Tiago conseguiu bater o guarda-redes do Ermesinde dando azo à festa dos gaienses.
Allen, treinador do Perosinho, afirma que foi uma vitória merecida da sua equipa: "Foi um bom jogo de futebol entre duas equipas que não queriam desperdiçar mais esta oportunidade, todos os intervenientes em campo deram o seu máximo e isso proporcionou a quem assistiu ao jogo um bom espectáculo, com poucas ocasiões de golo mas muito disputado, com grande dinâmica de parte a parte. Sofremos muito com as derrotas com o Valonguense e Sobrado por isso esta vitória foi uma prenda para estes jogadores que bem mereceram a festa feita no final deste jogo, aí sim demos por cumprido o nosso principal objectivo, a subida à Honra, foi uma alegria enorme e iremos continuar a festejar durante as próximas semanas", disse o técnico, que elogiou ainda a bravura com que a sua equipa se bateu: "Os meus jogadores demostraram tudo aquilo que nos caracterizou ao longo desta época, uma equipa organizada que procura constantemente ter a bola em sua posse e que tenta sempre criar perigo em todas as suas jogadas ofensivas, uma equipa com ambição e uma capacidade de sofrimento enorme e neste último jogo essa característica não podia ter sido mais expressa pelo nosso enorme e grandioso capitão, o Filipe, que já havia acabado o jogo com o Sobrado com 2 costelas fissuradas, também no sábado jogou cerca de 60 minutos com a cabeça aberta após um choque com um adversário", adiantou.
Agora é tempo de pensar na próxima época, no entanto, Allen ainda não tem a sua situação definida: "A minha situação contínua indefinida mas penso que até final desta semana estará tudo resolvido", concluiu.

Valadares sagra-se Campeão Distrital


Local: Complexo Desportivo de Lavra
Hora: 17h
Árbitro: Cândido Bessa

Valadares: Clemente, Ósmar (Cláudio 90'), Carvalho, Alexis e Serginho, Silva, Tiago Almeida e Raposo (Leandro 65'), Juliano, Stuart e Luciano (Niko 78').
Treinador: Paulo Alexandre

Mocidade Sangemil: Chibante, Hélder Nunes, Ferraz, Cafú e Isaac (Freitas 88'), Bruno Miguel, Peixoto e Álvaro (João 60'), Aranha, Macaco e Fábio Rola.
Treinadores: Hugo Pancho e Jorge Chibante

Resultado ao intervalo: 0-1
Resultado final: 1-1
Resultado das grandes penalidades: 6-5

Marcadores: Macaco (34') para o Mocidade Sangemil e Stuart (90+4') para o Valadares

O Valadares terminou a temporada em grande, ao conseguir sagrar-se campeão da 2ª Divisão Distrital numa partida com emoções fortes. A formação gaiense conseguiu assim atingir o seu grande objectivo da temporada, depois de alcançar a subida à 1ª Distrital, bem como a vitória na Série 2.
Porém, a partida do passado sábado não foi nada fácil para os gaienses, que tiveram que se esforçar ao máximo, perante uma formação do Mocidade Sangemil que esteve por cima em vários momentos do jogo. Assim, a equipa onde alinha Fernando Madureira, mais conhecido por Macaco, carismático líder dos Superdragões, colocou-se na frente do marcador aos 34' de jogo, precisamente com um golo de Fernando Madureira. O Valadares tentou de todas as formas chegar ao golo mais cedo, mas não o conseguiu, sendo que já quase toda a gente festejava o título para os maiatos, Stuart apontou o golo da igualdade aos 90+4', levando a partida para a decisão através da marca da grande penalidade. Ali, Fábio Rola falhou o castigo máximo e os gaienses fizeram a festa.
Paulo Alexandre, treinador do Valadares, estava contente com mais este feito da sua equipa: "O jogo com o Mocidade Sangemil, como esperávamos, foi um desafio difícil contra um adversário organizado e com bons valores onde ouve duas partes distintas. Na primeira, o nosso adversário vencia por 1-0 e quanto a mim bem, na segunda entramos melhor, fazendo com que nosso adversário baixa-se as linhas e pouco jogo houve, já que o Mocidade Sangemil fez muito anti-jogo. Penso que no final dos 90' era justo o empate. Nos penaltis fomos competentes e concentrados", disse o técnico, que revelou também a sua continuidade à frente da equipa na próxima temporada: "Vou continuar no Valadares", concluiu o treinador.
O Valadares termina assim uma época de grande sucesso, onde dominou em todos os sentidos: Foi o melhor ataque (86 golos), a melhor defesa (16 golos sofridos), a equipa com mais vitórias (25) e a equipa que teve o máximo de jogos sem perder fixado nas 17 partidas.

21 de maio de 2012

Classificações - 3ª Divisão Série B, Fase Subida


O Grijó não conseguiu evitar que o Infesta festejasse a subida no jogo disputado no passado sábado. Com a necessidade de somar apenas um ponto para poder festejar, os matosinhenses conseguiram isso mesmo, ao empatar a uma bola, num terreno onde constumam sentir bastantes dificuldades. Este jogo não fugiu à regra e apesar da vantagem alcançada na primeira parte, já no segundo tempo os gaienses conseguiram empatar. O Sousense voltou a vencer, no caso o Vila Real, por uma bola a zero, mas o sonho da subida esfumou-se mesmo antes da entrada para a última ronda. Assim, o Infesta acompanha o Cesarense na subida à 2ª Divisão Nacional, regressando a um escalão que abandou há três épocas atrás. Quanto a descidas, essas estão também definidas, sendo que cem aos distritais o Sp. Meda, Sp. Lamego e Alpendorada.


Classificações - Divisão de Honra


Terminou o campeonato da Divisão de Honra da AF Porto, sendo que já tudo tinha ficado decidido ainda antes do início desta ronda. Assim, o Ac. Felgueiras terminou a prova com uma vitória, por três bolas a uma sobre os Dragões Sandinenses, que terminaram o campeonato num modesto 13º lugar. O Serzedo terminou em grande ao derrotar o Baião por uma bola a zero, mas apenas conseguiu o sexto lugar, uma posição que acaba por saber a pouco, apesar de a equipa ter sido promovida este ano. O Candal também terminou com uma vitória, colocando assim um ponto final a uma série de quatro jogos sem vencer e o Canidelo também venceu, desta feita o Barrosas, por dois golos sem resposta. O Oliveira do Douro não conseguiu contrariar o Pedras Rubras, perdendo assim por 1-3, em casa, o que colocou a equipa maiata na terceira posição. O Salgueiros 08 deverá acompanhar o Ac. Felgueiras na subida à 3ª Divisão Nacional, sendo que no fecho do campeonato goleou o São Pedro da Cova por quatro bolas a zero. À 1ª Distrital descem então o Pedrouços, Vilarinho, Custóias e Nun'Álvares.

18 de maio de 2012

Grijó somou a primeira vitória e quer estragar a festa do Infesta


O Grijó somou a primeira vitória no passado domingo, na recepção ao Vila Real. A equipa gaiense venceu a partida por uma bola a zero, com Vando a ser ao autor do único golo do encontro, á passagem dos 69' minutos de jogo.
Óscar Nogueira, treinador dos grijoenses, destacou a importância do triunfo alcançado, bem como a exibição de alguns atletas menos utilizados que as diversas baixas no plantel têm proporcionado: "Foi um jogo intenso, mas um pouco condicionado pelo calor que se fez sentir. Apesar das dificuldades referidas e as eventuais ausências já registadas há alguns jogos, fizemos uma partida bem conseguida, ganhando bem e valorizado pela boa réplica do Vila Real. Quero salientar que as baixas que temos, também trouxeram oportunidades a alguns miúdos se mostrarem e ganharem alguma experiência. Neste campo, destaco o Marco, que sendo primeiro ano de júnior está a cumprir e por isso tenho depositado total confiança nele", afirmou o técnico.
Infesta não conseguiu vencer
o Grijó das duas vezes
que se deslocou a Gaia
Este sábado a turma grijoense joga a última partida em casa, frente ao Infesta. Os matosinhenses necessitam de apenas um ponto para conseguir garantir o segundo lugar e a consequente subida de divisão, mas o Grijó não quer ser o 'anfitrião' dos festejos e procurará amargurar a vida dos comandados de José Manuel Ribeiro, repetindo talvez, os resultados dos últimos encontros entre estas duas equipas em Grijó, que se saldaram em duas vitórias por 2-1 para os gaienses: "Será um jogo interessante, em que queremos vencer e deixar em casa uma imagem próxima daquilo que foi a nossa 1º fase, que consideramos muito boa. Respeitando o Infesta, vamos fazer tudo para vencer", afiançou Óscar Nogueira.
O jogo tem início às 17h deste sábado, no Complexo Desportivo de Grijó.

Dragões Sandinenses prontos para receber o Campeão


O Dragões Sandinenses termina o campeonato em casa, no próximo sábado, ao receber o Ac. Felgueiras, equipa que já conseguiu os seus objectivos, sagrando-se campeã desta divisão bem como garantindo também a subida à 3ª Divisão Nacional.
Ricardo Jorge, treinador dos gaienses, refere que espera um bom jogo, porque os felgueirenses são a melhor equipa: "Espero um excelente jogo de futebol, pois o Ac. Felgueiras provou que é a melhor equipa deste campeonato. No entanto, queremos presentear os nossos associados com uma vitória, por isso vamos lutar pelos três pontos", afiançou o técnico.
A equipa vem de um empate frente ao São Pedro da Cova, a duas bolas, numa partida onde correram sempre atrás do prejuízo e que teve em Nuno Velha o herói ao apontar os dois golos dos gaienses, já nos minutos finais do encontro: "Penso que foi um jogo bem conseguido. Sofremos os golos de bola parada, sendo que o primeiro foi marcado sem o São Pedro da Cova ter chegado à nossa baliza com perigo. Falhamos algumas oportunidades de golo, mas no final, penso que o resultado é justo, apesar do nosso domínio", concluiu Ricardo Jorge, que ainda não sabe nada acerca do seu futuro.
A partida com o Ac. Felgueiras disputa-se no Estádio do Tourão, com início marcado para as 17h deste sábado.

Candal espera fechar com vitória


O Candal perdeu no passado domingo com o Pedras Rubras, em jogo da penúltima jornada do Campeonato da Divisão de Honra da AF Porto. Os golos do encontro foram apontados por Biscoito (2' e 60') e Carlitos II (34') para os maiatos e por Gonçalo (36') para os gaienses, na altura reduzindo para duas bolas a uma.
Paulo Gentil utilizou uma equipa com jogadores que não têm tido muitos minutos de jogo durante a temporada e também aproveitando para lançar juniores. Sobre o jogo, o treinador disse que a sua equipa ressentiu-se muito da ausência de Ferraz no eixo central da defesa, a braços com um surto de varicela: "Sentimos muito a falta do Ferraz na defesa. Fizemos um jogo razoável, acabando por ser mais fortes depois do 2-1. Na segunda metade rectificamos alguns aspectos e poderíamos ter chegado ao empate, mas não o fizemos e depois acabamos por sofrer o terceiro golo. Destaco que jogamos com muitos miúdos na casa dos 20 anos", analisou o técnico.
Relativamente à partida com o despromovido Pedrouços, Paulo Gentil espera um jogo aberto, agora que ninguém tem responsabilidades em cima dos ombros: "Espero um jogo aberto. Queremos acabar com uma vitória em casa, para brindarmos a nossa massa associativa. Vamos continuar a dar oportunidades aos mais jovens, pois é importante que evoluam", afirmou.
Pedrouços é o último adversário
do Candal esta temporada
O Candal não vence há quatro jogos e somou por derrotas as últimas três partidas disputadas. Para Paulo Gentil é fácil identificar o motivo das derrotas, pois o Candal jogou com equipas que tinham outros voos, nesta fase final do campeonato: "Jogamos com três candidatos ao título nesta fase. Acabamos por perder com o Salgueiros 08, o Nogueirense e o Pedras Rubras, que têm orçamentos maiores e planteis mais experientes e maduros. Não podemos esperar mais do Candal, que é uma equipa voluntariosa, mas à qual falta experiência. Estou satisfeito com o campeonato que fizemos, pois sofremos limitações de variadas ordens e conseguimos ultrapassa-las", analisou o técnico.
Sobre o seu futuro, Paulo Gentil ainda não avança nada, porque ainda nada está decidido: "As coisas têm o seu timming. Já houve algumas abordagens, mas essa é uma questão que partirá da direcção. Mais à frente já poderá haver novidades. Sabemos o que é importante, mas estamos à espera de uma conversa com a direcção", concluiu o treinador.
O Candal despede-se do campeonato em casa, em partida frente ao Pedrouços, com início marcado para as 17h deste sábado.

Perosinho ainda sonha com a subida


O Perosinho ainda tem uma réstea de esperança em conseguir a promoção à Divisão de Honra, que falhou via campeonato. Tudo se resume à possibilidade do Salgueiros 08 acompanhar o Ac. Felgueiras na subida à 3ª Divisão Nacional, como tem acontecido de há vários anos a esta parte, e uma vez que apenas o Alpendorada, membro da AF Porto, desce aos distritais, será necessária a subida de mais um clube da 1ª Distrital, no caso o vencedor do jogo de atribuição do 5º e 6º lugar, precisamente entre o Perosinho e o Ermesinde.
Allen, técnico da formação gaiense, está esperançado nesta nova oportunidade, para poder alcançar o objectivo primordial desta época: "Estamos a encarar o jogo de sábado como uma terceira oportunidade para alcançar definitivamente o nosso sonho, a subida. Sabemos que do outro lado está uma equipa que fez um campeonato muito parecido com o nosso em termos de pontuação e pelas informações que procurei tirar, é uma belíssima equipa. Estou certo que também eles querem aproveitar este jogo para conseguir o desejado acesso à Honra", disse o treinador.
Sobre o jogo, Allen espera uma partida com um nível de intensidade máximo, pois as duas equipas têm o mesmo objectivo: "Será mais um jogo intenso em que os nervos estarão à flor da pele. Já por duas vezes sofremos dissabores pelo facto desse nervosismo, por isso mesmo, estamos a encarar o jogo com a tranquilidade possível e tentar a todo o custo corrigir os erros dos últimos encontros. É uma derradeira oportunidade, estou muito confiante que vamos conseguir vencer", concluiu o treinador.
A partida será disputada em campo neutro e ao contrário do que é habitual, apenas será jogado uma partida, assim, todas as decisões serão tomadas na tarde de sábado. O jogo tem início às 17h, no Complexo Desportivo do Senhora da Hora, em Matosinhos, sendo que o árbitro, à semelhança do que aconteceu nas últimas jornadas, não foi ainda divulgado.

17 de maio de 2012

Milton Ribeiro deixa o Progresso

Milton Ribeiro deixa o Progresso no final do jogo do próximo sábado

Milton Ribeiro, treinador que está esta temporada ao serviço do Progresso, anunciou o fim da sua ligação ao clube portuense, após o jogo do próximo sábado com o Amarante B, que decide o 3º e o 4º lugar da 2ª Distrital.
Em carta aberta enviada ao blog, o técnico assume que a mudança de direcção do clube é a base da sua decisão, pois ainda não foi abordado pela mesma para continuar.

Aqui fica o texto escrito pelo técnico, onde explica todos os motivos:

"Serve a presente para transmitir a todos os Progressistas, amigos do Sport Progresso e dos Green Bull’s, assim como a todos os interessados que a minha ligação ao Sport Progresso termina no final do jogo do próximo sábado!

Tal decisão foi transmitida ao meu grupo de trabalho na terça-feira, dia 15 de Maio de 2012.

Muitos perguntar-se-ão quais os motivos para a minha saída depois de uma época repleta de sucessos, onde conquistamos o segundo lugar do campeonato, posição que nos deu a subida de divisão, onde fomos o segundo melhor ataque, a terceira melhor defesa, a segunda equipa com mais vitórias, a segunda equipa com menos derrotas, tudo isto conquistado com muito trabalho, com muito empenho, com muito respeito e dedicação pela instituição Sport Progresso. Tudo isto, feito por uma equipa, um grupo completamente novo. Que jogou todos os jogos sem qualquer contrapartida financeira, sem qualquer apoio monetário, ao contrario das equipas que ficaram, imediatamente, à nossa frente e atrás de nós. Um grupo de trabalho composto por 23 jogadores novos, juntando os seis que transitaram da época anterior, sendo que destes seis, apenas três terminaram a época, com uma equipa técnica nova no clube, com dois directores experientes e aos quais se deve, também, muito do sucesso alcançado.

Por estes motivos e de forma a não fazerem juízos de valor e de personalidade, sem saberem as verdadeiras razões, decidi escrever esta carta, onde colocarei tudo aquilo que se passou para que eu tomasse, em consciência, a decisão de deixar o comando técnico do Sport Progresso.
Não sou um “iluminado” do futebol, nem tão pouco quero que, ao lerem esta carta, olhem para mim como se fosse um “santo”, já que a realidade não é essa nem tão pouco pretendo passar essa ideia.

Sinto-me na obrigação de ser sério, sincero e directo com as pessoas que me apoiaram durante esta época, com aquelas que acompanham a minha carreira, assim como com aquelas que visitam este blog.

Antes de mais aproveito para dizer, a todos quantos lerem esta carta, que, respeito muito a instituição Sport Progresso, um clube com 103 anos de idade, com uma mística muito própria, mística essa que nem todos a sentem, mas que batem no peito dizendo que são progressistas, no entanto as suas acções demonstram que, apenas o são de boca e porque fica bem dizer.

Tomei a decisão de deixar o comando técnico do escalão sénior do Sport Progresso porque não sou um treinador agarrado ao lugar, nem tão pouco seria capaz de treinar onde não me sinto valorizado e desejado pela direcção desse clube. Comecei a sentir, na recta final da época que talvez não fosse o treinador que a nova direcção tinha idealizado para a época 2012/2013, muito devido pelas conversas que ia ouvindo e pelas movimentações que ia vendo em torno dos elementos que, eu sabia, fariam parte da nova direcção. Contudo e tendo um compromisso com a direcção actual, mas acima de tudo com os meus jogadores e com os nossos adeptos, senti que deveríamos lutar até ao final pelo nosso objectivo. Objectivo esse que veio a ser concretizado! Se calhar para espanto de alguns e, nessa altura, as intenções tenham saído goradas.

Depois de conquistarmos a subida de divisão, ninguém da nova direcção veio falar connosco, dar-nos os parabéns por algo que tínhamos conquistado, ou melhor, deram, de forma circunstancial e num ambiente de festa, mas nada mais do que isso e ninguém se mostrou disponível para falar connosco e pelas conversas que tive com um elemento que transitou da anterior para a nova direcção, percebi que os mesmos não estavam com grande interesse em conversar e negociar. Mas aquilo que mais me custou, foi na assembleia que aconteceu na passada sexta-feira não nos terem dado a garantia que seriamos nós a continuar na próxima época, nem tão pouco demonstraram que tinham esse interesse. Apenas dizendo que conversaríamos o mais rapidamente possível para decidirmos o que fazer. A meu ver, com isto, aquilo que procuraram foi calar a pergunta dos sócios, não respondendo sequer, concretamente à questão. Sabendo também de fonte segura, que um dos directores da nova direcção seria um ex-jogador do clube, com que não contei por achar que não tinha capacidade para fazer parte de uma equipa que lutaria pela subida de divisão. O meu espanto, ou não, quando soube que este elemento tinha feito um ultimato para ficar na direcção, esse ultimato era, e passo a citar, “eu só fico se o treinador dos seniores for embora!”. Contudo, tendo a confirmação que os meus directores iriam reunir com a direcção eleita, para decidir o que fazer decidi esperar. Depois dessa reunião acontecer e sabendo alguns pormenores, ainda mais tive a certeza que as pessoas não estavam com interesse na minha continuidade. Foi indicado aos meus directores que teríamos de reunir na terça-feira, dia 15, sendo que a minha decisão foi tomada durante a noite de segunda-feira, porque senti que o melhor caminho seria mesmo a saída, visto que a direcção me estava a abrir a porta. Cheguei ao campo à hora marcada, mas qual não foi o meu espanto quando os meus directores, e quando falo os meus directores, estou a falar daqueles que trabalham directamente comigo, Sr. Paulo Picarote e Sr. Óscar Jesus, que a reunião já não iria ser levada a cabo e que apenas reuniriam comigo depois do jogo de sábado. Nesse momento, ainda mais tive a certeza que a minha decisão era a mais correcta. Alem disso percebi que o receio da direcção era que, falando comigo e, me transmitindo a minha não continuidade que a equipa se poderia recusar a ir ao jogo no sábado, mas aquilo que eu posso dizer é que mesmo depois de ter transmitido a minha decisão ao plantel e havendo, como é óbvio, alguns jogadores que não se sentiam motivados para ir ao jogo, eu expliquei as razões pelas quais devíamos ir. O respeito pelo clube, pelos nossos adeptos e principalmente devido ao falecimento, na passada semana, do nosso adepto mais representativo, eram as nossas motivações para fazermos o ultimo jogo. Aqui mais uma vez fica demonstrado o carácter que esta equipa tem, a humildade que este grupo tem e sem duvida alguma que algumas pessoas naquele clube estão a anos-luz deste jogadores, equipa técnica e directores de escalão. Para cumulo chegamos para treinar e nem cestos tínhamos feitos, nem hipóteses tínhamos de aceder à lavandaria para treinar.

Por todos estes motivos, a minha decisão está tomada e é irreversível. Representarei o Sport Progresso até ao dia 19 de Maio de 2012, depois do jogo com o Amarante deixarei um lugar que ocupei com muita honra, com muito orgulho e felicidade, mas também com muito respeito, com muito empenho, com muito trabalho e com muita humildade.

Acredito que tenha feito a vontade a algumas pessoas, assim como acredito que muitas pessoas ficarão tristes por eu sair do clube, mas não podia ir contra os meus ideais, não poderia permitir que me gozassem e que me fizessem sentir indesejado, num clube onde trabalhei de borla, ou melhor, para ser sincero, recebi no ultimo mês 100 €, pelo facto de me encontrar desempregado e de ter algumas dificuldades para ir para os treinos, mas nada mais do que isso. Onde montei uma equipa a custo zero, uma equipa jovem, com qualidade e com garantias de continuidade, mas pelos vistos não é a continuidade do sucesso que a direcção que tomou posse na sexta-feira passada queria fazer.

Quero desejar as maiores felicidades para aqueles que continuarem no clube, desejar que possam engrandecer o clube e pedir que não deixem acabar um clube que têm mais de 100 anos de historia e que tem de ser gerido como um clube de futebol e não como um banco.

Quero aproveitar para agradecer a todos aqueles que estiveram sempre do nosso lado, à FORÇA VERDE que nos acompanhou em todos os jogos, aos verdadeiros adeptos que acreditaram em nós e nos fizeram responsabilizar por um compromisso que assumimos, a todos aqueles que não acreditaram e que apenas sabiam e sabem dizer mal, aos meus directores pelo excelente trabalho que fizeram, para todos os meus jogadores que são os principais responsáveis por este sucesso, à minha equipa técnica e ao nosso massagista e acima de tudo a Deus por me permitir ter discernimento para encarar as decisões e por ter tomado as decisões certas.

Podem dizer o que quiserem, mas obrigatoriamente tenho de dizer que saio de cabeça erguida, com o dever cumprido, montei um plantel de 29 jogadores sem receber qualquer tipo de compensação monetária, destes 29, 26 terminaram a época, utilizei 3 juniores em jogos oficiais e os resultados dão-me razão. Por isso, digam o que quiserem, apontem o dedo a coisas que não têm qualquer valor quando colocadas na balança. Eu só tenho a dizer que, na primeira época que treinei seniores, subi uma das equipas mais antigas e mais laureadas da A. F. Porto e por estes motivos só tenho de me sentir feliz por tudo aquilo que fiz esta época.

Sou um treinador ambicioso, sei o quanto trabalho para poder melhorar todos os dias, sei que hoje sou mais treinador do que era no inicio da época, assim como tenho tentado moldar e abolir alguns erros que cometia no banco de suplentes. Quero com isto dizer que sei aprender com os erros e é dessa forma que quero evoluir para continuar a fazer algo que amo que é treinar futebol. Não penso que tenha de ser “lambe-botas” para poder continuar a treinar. O que posso garantir é que vou continuar a trabalhar para melhorar e esperar que surja algum convite que seja interessante, quer em termos de objectivo, quer em termos de condições. Estou disponível para ouvir propostas e deixo o meu futuro nas mãos de Deus porque sei que o meu futuro a Ele pertence e nunca me deixou ficar mal.

Agradeço a leitura desta carta e deixo ao vosso critério as conclusões sobre aquilo que escrevi.

Muitas felicidades e que Deus vos abençoe a todos.

Milton Ribeiro

Treinador de Futebol"