31 de outubro de 2012

Entrevista com - Ricardo Alves (Perosinho)

O 'Entrevista Com' está de volta. Desta feita o blog esteve à conversa com Ricardo Alves, avançado do Perosinho e que este fim-de-semana esteve em destaque ao apontar três golos no jogo frente ao Ermesinde. Porém, a partida não correu da melhor forma, uma vez que os gaienses acabaram por perder por 3-4.
Formado nas camadas jovens do FC Porto, Ricardo Alves foi ainda internacional Sub-16 por Portugal. Terminou a sua formação no Leixões e depois os caminhos levaram-no a disputar os campeonatos distritais, tendo já passado pelo Canidelo e pelo Avintes,antes de chegar a Perosinho. Companheiro de equipa de Ivanildo (Olhanense), Vieirinha (Wolfsburgo) ou Paulo Machado (Olimpiacos), a falta de sorte levou Ricardo por caminhos opostos, mas que este está a tentar mudar com todo o seu empenho profissional.
Fique a conhecer um pouco mais sobre o 'Hulk' de Perosinho, alcunha que já lhe foi atribuída, em mais este exclusivo 'A Bola é Redonda'.

Ricardo a festejar um dos três golos apontados ao Ermesinde

A Bola é Redonda (ABR) - Ricardo, estas há três épocas no Perosinho. Fala-nos um pouco sobre a tua carreira no clube.


Ricardo Alves (RA) - O Perosinho é especial, é onde me sinto bem e tenho atingido os objectivos propostos.


ABR -  Nestas três temporadas tens-te feito notar pelos golos que marcas. Qual é a receita?

RA - Muito trabalho e dedicação.


ABR - Olhando para a tua carreira, fizeste a formação no FC Porto, cruzando-te, por exemplo, com jogadores como Vieirinha, Ivanildo, Paulo Machado, entre outros, que hoje jogam nas divisões profissionais e até no estrangeiro. Na tua opinião, o que te faltou para seguires um percurso, no mínimo, semelhante?

RA -  Mais dedicação e empenho, alguma sorte, o apoio e as criticas positivas do meu avô que deixou de acompanhar o meu desenvolvimento nos Juniores.


ABR -  Foste internacional Sub-16 por Portugal. Que memórias guardas dessa altura?

RA -  Foram os melhores momentos que passei no futebol pois trata-se do topo para qualquer jovem, e eu adormeci 'à sombra da bananeira'. As viagens, as brincadeiras, os estágios, os amigos que conheci, os sítios que visitei...


ABR -  Tens feito a tua carreira sénior praticamente nos escalões distritais. Aos 26 anos, ainda esperas chegar aos escalões Nacionais?

RA - Sim, ainda sou novo e acredito que vou chegar lá e para isso trabalho todos os dias, tanto em jogos como nos treinos, para que ainda venha a acontecer.


ABR - Há pouco falamos do Perosinho. Sei que tens uma alcunha que os adeptos te atribuíram. Queres revelar qual é e o porque?

RA - Aqui em Perosinho é por Hulk, devido ao meu poder físico e velocidade.


ABR - No último fim-de-semana estiveste novamente em destaque ao apontar três golos frente ao Ermesinde. Qual foi a sensação de fazer um hattrick?

RA - Muito boa. Há muito que não acontecia pena não ter ajudado a equipa a chegar à vitória, eles mereciam-na.


ABR - Ainda assim, o Ermesinde acabou por ganhar o jogo por 3-4. O que faltou ao Perosinho para segurar a vantagem, até porque esteve a vencer por 3-1?

RA - Faltou discernimento e experiência em momentos cruciais e, como se sabe, no futebol paga-se caro.


ABR - Qual é o jogador com que mais te identificas, na forma de ser e de estar em campo?

RA - Hulk, sem duvida, devido à minha velocidade, força física e técnica.


ABR - Por último, queria que deixasses uma palavra aos leitores do blog e também aos adeptos e jovens jogadores de futebol.

RA - Aos jovens tenho a dizer para não desistirem dos sonhos e acreditarem sempre no seu valor, já aos leitores peço que continuem a acompanhar e a ajudar este blogue, para que este ajude a divulgue o desporto regional amador e os seus intervenientes.

30 de outubro de 2012

Classificações - 2ª Nacional, Zona Centro


O Coimbrões voltou a empatar, desta feita na deslocação ao terreno do Bustelo. A equipa de Paulo Lima até entrou bem no jogo, com bis de Carlos Sousa ainda no primeiro quarto de hora, mas depois permitiu a recuperação da equipa da casa, que acabou por conseguir somar um ponto. Ainda assim os gaienses dividem com o Cinfães a liderança da Zona Centro da 2ª Divisão Nacional, ambos com 12 pontos. já o Sousense recebeu e venceu o Tocha por 1-0 e subiu ao oitavo lugar, com oito pontos.



Classificações - 3ª Nacional, Série C


O Grijó somou nova derrota este domingo, ao visitar e perder com o Estarreja por duas bolas a zero. A equipa de Óscar Nogueira somou assim o segundo desaire seguido e viu o Salgueiros 08 isolar-se no primeiro lugar, agora com 15 pontos. A próxima ronda trará o Oliveira de Frades a Grijó, numa partida onde os gaienses esperam somar os três pontos.



Classificações - Divisão de Honra


O Perafita isolou-se no comando da Divisão de Honra da AF Porto e tem agora mais cinco pontos que o segundo classificado, o Lixa. A equipa de Matosinhos recebeu e venceu o Nogueirense por 3-1, deixando a equipa maiata a seis pontos de distância. 
O dérbi entre o Candal e o Oliveira do Douro terminou da pior forma, com desacatos nas bancadas a decretarem o final da partida quando ainda faltavam jogar dois minutos. Nessa altura o Oliveira do Douro vencia por uma bola a zero. 
Nas restantes partidas, o Serzedo empatou em casa do Barrosas a duas bolas, mas permitiu a recuperação da formação da casa, que esteve a perder por duas bolas a zero. No outro dérbi da tarde, o Canidelo levou a melhor sobre o Dragões Sandinenses, ao vencer por uma bola a zero, com Rabaça novamente em destaque ao apontar o golo da vitória a cinco minutos do fim. Pior sorte teve o Perosinho, que acabou derrotado pelo Ermesinde por 3-4, mas a equipa de Allen vencia ao intervalo por 3-1, com hattrick de Ricardo. O São Pedro da Cova conseguiu regressar às vitórias, ao derrotar o Baião por 4-2.



Classificações - 1ª Distrital Série 1


O destaque da jornada 7 da Série 1 da 1ª Distrital vai para nova goleada sofrida pelo Avintes. Depois de no passado domingo a equipa ter perdido em São Félix por seis bolas a zero, desta vez, na visita ao Parque Soares dos Reis, o resultado foi de 7-1 favorável ao Vila FC. Foram duas saídas inglórias para os homens de Santos Cardoso, que sofreram 13 golos e apenas marcaram um. 
No resto da jornada, o Gulpilhares continua a liderar isolado e invicto e este domingo bateu o Lavrense, em Lavra, por 1-2. Já o São Félix reforçou o segundo lugar ao bater o Balasar por duas bolas a zero, aproveitando da melhor forma a derrota do Progresso na deslocação ao terreno do Valadares por duas bolas a uma. O Pedroso conseguiu somar pontos na visita ao terreno do Senhora da Hora empatando a uma bola e o Leverense somou a segunda derrota seguida ao perder na visita ao terreno do Vila Chã. O Crestuma regressou às vitórias, batendo o Leça do Balio por uma bola a zero.



Classificações - 2ª Distrital Série 1


O Torrão somou a terceira vitória seguida, frente ao Inter Milheirós e ascendeu ao sétimo lugar da classificação com 10 pontos. Numa partida entre candidatos à subida, o Sp. Campo foi mais forte e venceu o Arcozelo por 1-2, ascendendo assim à liderança da classificação. No outro jogo entre candidatos, o Canelas 2010 perdeu uma excelente oportunidade de se chegar ainda mais à frente, pois depois de estar a vencer por três bolas a zero permitiu ao Os Lusitanos uma excelente recuperação e o empate a três golos no final da partida. 



28 de outubro de 2012

Agressões voltam a por um ponto final no jogo entre Candal e Oliveira do Douro


Local: Complexo Desportivo do Candal
Hora: 15h
Árbitro: Fábio Silva, auxiliado por Jorge Aguiar e Mário Tibério

Candal: Sérgio, Pedro Santos (Vinagre 70'), Nuno Miguel, Ferraz e Tiga, Andrezinho, Johny e Cláudio (Renato 61'), Marco (Campota int.), Hugo e Pedro Fanisca
Treinador: Paulo Gentil

Oliveira do Douro: Ricardo, Bruno Cardoso, Isidro e Rómulo, João Pinto, Dani (Pereira 80'), Pedrinho (Rochinha 80'), Ruben (Napoleão 64') e Bruninho, Paulo Figueiredo (Miguelito 64') e Hugo Figueiredo.
Treinador: Mário Heitor

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 0-1* (Jogo interrompido aos 88')

Marcador: Paulo Figueiredo (46')

Oliveira do Douro aproveitou a única grande oportunidade de golo que criou

Apesar de dominar o jogo quase todo, o Candal não conseguiu materializar esse domínio em golos

O dérbi entre o Candal e o Oliveira do Douro terminou da pior forma possível, com agressões entre os adeptos dos dois clubes, e com o árbitro do encontro, Fábio Silva, a dar por terminada a partida por falta de condições de segurança.

Candal e Oliveira do Douro proporcionaram uma boa partida de futebol na tarde deste domingo. As duas equipas apresentaram disposições diferentes em campo, com os homens de Paulo Gentil a tomarem conta das operações desde os primeiros segundos do jogo, enquanto os oliveirenses tentaram aproveitar as saídas rápidas para o contra-ataque, através de lançamentos rápidos para os seus homens da frente, Hugo e Paulo Figueiredo. 
Dando a iniciativa de jogo ao adversário, o Oliveira do Douro passou grande parte dos primeiros 45 minutos remetida ao seu meio campo, sem conseguir sacudir a pressão candalense. Porém, apesar de estar sempre no comando das operações os jogadores da casa não conseguiram criar uma verdadeira oportunidade de golo, criando perigo através de remates de fora da área, mas estes encontravam sempre Ricardo pela frente ou iam para fora. No último quarto de hora da primeira parte os oliveirenses conseguiram soltar-se das amarras a que estavam sujeitos e jogando um futebol mais apoiado em detrimento do futebol directo que tinham apresentado até então, conseguiram criar duas oportunidades de golo em apenas dois minutos, com Hugo Figueiredo a esgueirar-se pela esquerda do ataque e a conseguir ganhar a linha, mas o centro atrasado para a área não encontrou nenhum companheiro de equipa. Dois minutos depois foi a vez de Paulo Figueiredo surgir isolado frente a Sérgio Lima, isolado por Hugo Figueiredo, mas o remate do 12 oliveirense saiu por cima. O intervalo chegou pouco depois, com o nulo a imperar, um resultado que se pode considerar justo, tendo em conta as poucas oportunidades reais de golo que existiram.
A segunda parte começou com o golo do Oliveira do Douro, por intermédio de Paulo Figueiredo, que surgiu isolado perante Sérgio Lima conseguindo desviar a bola do guardião candalense. Este golo veio trazer mais emotividade ao jogo, com o Candal a voltar a assumir as despesas, mas sempre de uma forma ansiosa e desconcentrada, o que motivou muitas perdas de bola no último terço do terreno. Já o Oliveira do Douro conseguiu assentar jogo, sair a jogar mais apoiado, mas sem conseguir chegar perto da baliza de Sérgio Lima, exceptuando um lance já perto dos últimos dez minutos do encontro, com Miguelito a conseguir isolar-se, mas depois o centro não foi feito da melhor forma e o guarda-redes candalense interceptou a bola, quando apareciam dois jogadores adversários prontos a empurrar a bola para a sua baliza.
Já nos instantes finais Nuno Miguel teve oportunidade de empatar a partida, mas acabou por cabecear ao lado, depois de uma jogada de insistência pela direita do ataque candalense. Segundos depois o jogador acabaria expulso, por acumulação de amarelos, quando travou em falta um adversário que já se encaminhava para a baliza. 
A três minutos do fim, o momento do jogo. Livre a favor do Candal, com Ferraz, já dentro da área, a cabecear para a baliza do Oliveira do Douro e a bola a entrar. Porém logo a seguir ao cabeceamento e antes da bola entrar, o árbitro tinha já invalidando o lance por falta do defesa candalense sobre um jogador do Oliveira do Douro. Este lance criou um clima hostil, com o árbitro auxiliar que acompanhava o ataque do Candal a ter que interromper o jogo. Esta paragem durou apenas alguns segundos, com a partida a ser retomada, mas nas bancadas já se tinham iniciado cenas que em nada dignificaram o jogo, com os adeptos do Candal a saltarem o gradeamento iniciando confrontos com os adeptos do Oliveira do Douro presentes no estádio. Depois de alguns minutos que obrigou a polícia presente a intervir e a ser necessário o reforço do contingente, Mário Heitor, que por estar castigado não pôde estar no banco, acabou por ter que ser arrancado pelos jogadores, que aproveitando uma interrupção no jogo e vendo as agressões ao seu treinador, puxaram-no para dentro do campo, tendo este sido conduzido para os balneários. Das bancadas, a confusão alastrou-se ao túnel de acesso aos balneários. Mais tarde, o A Bola é Redonda conseguiu apurar que houve uma agressão de um jogador do Oliveira do Douro ao roupeiro candalense, sendo esse o motivo dos desacatos.
Entretanto o jogo já havia sido dado como terminado por falta de segurança, conforme o blog conseguiu também apurar junto de fonte fidedigna.
Caberá agora à AF Porto decidir se terá lugar a realização do tempo que faltava jogar, uma vez que o jogo foi interrompido aos 88', faltando também o tempo de compensação ou se este resultado será homologado, consumando-se assim a vitória do Oliveira do Douro. Seja como for, este é mais um jogo entre as duas equipas que não chega ao fim, relembrando a partida entre estas duas equipas ocorrida a 6 de Março de 2011, relativa à 21ª jornada da 3ª Divisão Nacional, quando o jogo também não chegou ao fim motivado por agressões entre os jogadores e que se alastraram também às bancadas. 
Quanto ao trabalho do árbitro Fábio Silva, dizer que até ao momento da interrupção do jogo este tinha realizado uma exibição agradável, num jogo que até nem foi difícil de dirigir, sem casos. A única situação que pode gerar dúvidas é mesmo a do lance invalidado que dá posteriormente o golo do Candal, sendo certo que o árbitro apitou antes da bola entrar, considerando que houve um empurrão de um jogador candalense a um defensor do Oliveira do Douro.

Têm a Palavra

Paulo Gentil: "Se o jogo acabou, está a dar-me uma novidade. O que sei é que ainda faltavam jogar dois minutos. Apanhamos um Oliveira do Douro a jogar em contra-ataque, acabamos por num erro individual sofrer um golo, fomos para cima e acabamos só com três defesas, fizemos um golo e não vou falar dos árbitros, porque não falo de árbitros. Nesta perspectiva, se o jogo acabou assim, parece-me um bocadinho inglório pelo que os meus jogadores fizeram, mas de qualquer maneira o campeonato continua. Em relação ao que se passou não percebi. Apercebi-me de um aglomerado de jogadores do outro lado da bancada e o árbitro a dar o jogo por interrompido. Não posso dizer mais do que isto. Tenho um balneário destroçado, pois não estávamos à espera. Já na primeira parte merecíamos o golo. Estou de acordo consigo, pois após o golo sofrido a equipa abanou bastante, ainda não tínhamos sofrido nenhum até agora. De qualquer maneira, mesmo a jogar em inferioridade serenamos e justificávamos o empate. No global, penso que dominamos o jogo e merecíamos ter outro resultado. Vamos continuar a trabalhar".

Do lado do Oliveira do Douro não foi possível recolher qualquer tipo de declaração.

Ataense perde com Aliança Gandra

O Ataense perdeu com o Aliança Gandra, em partida realizada este sábado, por duas bolas a uma. Este resultado não permitiu à equipa chegar ao primeiro lugar, ainda que à condição, uma vez que os comandados de Fernando Mendes ocupam a terceira posição com 12 pontos, os mesmos agora do Aliança  Gandra e podem ver o Pedrouços, líder da Série 2 da 1ª Distrital, ganhar vantagem em caso de vitória sobre o Vila Caiz.
Fernando Mendes, técnico do Ataense, já esperava dificuldades para esta partida. Abordado pelo blog para a antevisão do jogo, o técnico afirmou que "o próximo adversário, como todos os outros merece da nossa parte o maior respeito, mas trata-se efectivamente de um candidato assumido á subida"
Sobre os objectivos do Ataense para esta época, apesar do bom início de campeonato, Fernando Mendes não assume uma candidatura à subida de divisão: "À semelhança da época passada, vamos tentar fazer um campeonato bom, até porque o plantel é composto por 16 atletas que transitaram do ano passado, tendo como novas entradas, três ex juniores, Ramalho, Miguel e Luís, e os reforços Tata, ex. Gens e João Pedro, ex.júnior de Sousense, tendo portanto um plantel de 21 atletas", disse Fernando Mendes.
O jogo de hoje, com o Aliança Gandra, marcou a primeira derrota do Ataense esta temporada, pois a equipa havia somado três vitórias e três empates até ao momento, o que juntando à época passada, dava 10 jogos consecutivos sem perder.

Paulo Pêgas - "o Melres pode andar a lutar pelos lugares cimeiros"

O Melres empatou no passado domingo com o Atl. Vilar a uma bola. A formação gondomarense tem realizado um bom início de campeonato, tendo apenas perdido o jogo da primeira jornada com o Águas Santas. Nas restantes partidas, a equipa de Paulo Pêgas somou duas vitórias e dois empates, arrecadando oito pontos, o que os deixa na sexta posição, logo atrás do grupo da frente.
Paulo Pêgas, técnico do Melres, acredita que a equipa pode andar nesta parte da tabela: "Mantivemos alguns atletas do ano anterior, jovens em progressão e com a contratação de outros mais experientes e de qualidade, permite-nos estar confiantes durante este campeonato e lutar pelos três pontos em todos os jogos. Mas se nada de anormal acontecer no decorrer do campeonato e também ao plantel, o Melres pode andar a lutar pelos lugares cimeiros", começou por referir, ideia que vai de encontro ao que foi pedido pela direcção do clube: "A direcção pediu ao grupo de trabalho, atitude, empenho, ambição e andar nos primeiros cinco lugares. Sabemos que não será fácil, pois existe pelo menos quatro equipas com objectivos claros e definidos neste campeonato", adiantou.
No jogo do passado domingo, o Melres visitou e empatou a uma bola com o Atl. Vilar, mas apesar dessa divisão de pontos, Paulo Pêgas acredita que a sua equipa merecia os três pontos: "Por respeito ao adversário, porque teve muita atitude e bateu-se ate a exaustão, o empate é muito mau para o Melres, deveríamos ter ganho o jogo, principalmente pelas oportunidades e organização da segunda parte. Fomos penalizados pelo mau início do jogo onde estivemos apáticos, menos agressivos na zona pressão e permitimos ao adversário que jogasse um futebol mais directo", analisou.
Este domingo recebem o Marechal Gomes da Costa, equipa que se estreia nos distritais da AF Porto. Paulo Pêgas acredita na conquista dos três pontos: "Vamos encontrar uma equipa organizada e com qualidade técnica em alguns sectores. Iremos lutar pelos três pontos como é a nossa obrigação, respeitando o adversário e mantendo união, competência, atitude e organização para somar mais uma vitória", concluiu o treinador.
O jogo será disputado no Campo de Jogos do Melres, com início marcado para as 15 deste domingo.

Grijó visita Estarreja com algumas limitações

O Grijó joga este domingo com o Estarreja, em partida da sexta jornada do campeonato da 3ª Divisão Nacional. 
A equipa de Óscar Nogueira apresenta algumas baixas de peso na equipa, mas nem isso retira confiança ao técnico, que acredita poder somar os três pontos: "Espero um jogo difícil contra uma boa equipa e com a candidatura assumida á subida de divisão, mas tentaremos fazer um jogo positivo apesar das muitas ausências por castigo e lesões", disse.
O Grijó não jogou no passado fim-de-semana, em virtude de já ter sido eliminado da Taça de Portugal. Óscar Nogueira acredita que a ansiedade da equipa poderá ter aumentado, visto que o último jogo terminou com derrota, na recepção ao Salgueiros 08: "Só considero que tenha prejudicado em termos de ansiedade devido ao ultimo resultado negativo e a equipa querer responder no jogo seguinte, mas como estamos numa fase menos boa de presenças, não lhe sei responder com precisão", concluiu o técnico.
O jogo está agendado para as 15h deste domingo, no Estádio Dtr. Tavares da Silva, casa do Estarreja. Maté, João e Pedro, lesionados, bem como Vando e Artur castigados, não poderão dar o contributo à equipa.

26 de outubro de 2012

Paulo Alexandre - "Este Progresso nada tem a ver com o do ano passado"

Paulo Alexandre alerta para as diferenças do Progresso
O Valadares vai defrontar o Progresso no próximo domingo, em partida da sétima jornada do campeonato. O jogo é no Complexo Desportivo de Valadares, local onde ainda ninguém conseguiu vencer desde a data da sua inauguração. Este será um jogo interessante de seguir, pois o Valadares ainda não perdeu em casa e o Progresso ainda não perdeu fora esta época.
Relativamente à partida contra os portuenses, Paulo Alexandre, treinador do Valadares, destaca que este Progresso nada tem a ver com o da época passada: "Vamos encontrar um adversário que nada tem a ver com o Progresso do ano anterior. Sabemos que temos que estar muito concentrados e trabalhar muito para conseguirmos a vitoria, já que eles são muito bem organizados defensivamente e são eficazes na finalização", disse o técnico.
Caso o Valadares não tivesse perdido na jornada anterior, frente ao Gulpilhares, iria defrontar a última equipa que conseguiu vencer os gaienses, em jogo da 16ª jornada, a 8 de Janeiro de 2012, relativo ao campeonato da 2ª Divisão Distrital. 
A partida terá início às 15h do próximo domingo.

Mário Silva - "Estas vitórias têm permitido que acreditem nesta equipa"


O Pedroso desloca-se no próximo domingo ao terreno do Senhora da Hora, equipa que era no início da prova, apontada como candidata à subida de divisão, mas que neste momento ocupa o 16º lugar com apenas quatro pontos conquistados. 
Depois de um início um pouco abaixo do esperado, o Pedroso venceu já três partidas seguidas e, por isso, está na primeira metade da tabela. O treinador, Mário Silva, não embandeira em arco: "Este conjunto de vitórias permitiu, acima de tudo, que as pessoas acreditem mais nesta equipa. Temos que ter consciência que foi preparada para subir de divisão apenas esta época e de um momento para o outro tiveram que mudar a forma de pensar e de jogar e adaptar-se a outro ritmo competitivo. Vamos tentar fazer o nosso melhor, pois temos as nossas limitações. Vamos tentar ganhar os jogos do nosso campeonato", analisou.
Relativamente ao jogo do próximo domingo, o técnico afirmou que este é uma partida do campeonato do Pedroso: "Este é um jogo que é do nosso campeonato, por isso queremos os três pontos. Vamos jogar contra uma equipa que, como nós, quer garantir a manutenção, mas nós vamos lá jogar para ganhar", disse.
Paulo e Tiago, ambos castigados e João lesionado, são baixas confirmadas para esta partida, que terá início às 15h no Complexo Desportivo da Senhora da Hora.

Manuel António - "Estamos conscientes do valor que temos"

Manuel António (dir.) acredita no seu trabalho e quer atacar o primeiro lugar
O São Félix joga no próximo domingo no terreno do Balasar, em jogo referente à sétima ronda do campeonato. Os azuis e brancos estão a fazer um bom início de época e ocupam a segunda posição, com 14 pontos, os mesmos do Progresso.
Apesar disso, Manuel António não assume nada, para além daquilo que já é conhecido: "Estamos conscientes do nosso valor e do trabalho que desenvolvemos, que tem sido bem feito, acompanhado de bons jogos. Estamos num bom momento, mas queremos pensar jogo a jogo e neste momento apenas nos interessa o desafio de Balasar. Se tivermos oportunidade vamos tentar o primeiro lugar, mas primeiro temos que vencer o Balasar", disse o técnico.
Relativamente a essa partida, Manuel António está consciente das dificuldades que irá encontrar: "Vai ser um jogo complicado por dois motivos: vamos jogar num pelado, e ainda bem que já se encontra cada vez menos este tipo de campos e também porque o Balasar precisa desesperadamente de pontos, pois em caso de derrota poderão ficar mais afastados dos clubes que estão acima da linha de água", adiantou.
O Balasar ocupa a última posição do campeonato, apenas com um ponto conquistado em 18 possíveis. Para esta partida, Manuel António não poderá contar com Cláudio, o guarda-redes Faria e com César, todos lesionados. A partida terá início às 15h.

Candal recebe Oliveira do Douro


Defrontam-se no próximo domingo Candal e Oliveira do Douro, num dos dérbis mais intensos dos últimos anos. As duas equipas chegam em momentos semelhantes a este jogo,  e embora haja seis posições a separar as duas equipas, são apenas dois os pontos de diferença entre os dois conjuntos.
O Candal, sexto classificado com nove pontos, ainda não perdeu esta época e tem o benefício de ter ainda um jogo a menos. Paulo Gentil, técnico dos candalenses, elogia o adversário: " Vai ser um jogo difícil, contra uma equipa que justificava ter mais pontos. Queremos ganhar, sabemos que este é um campeonato competitivo, com equipas competitivas, mas nós jogamos em casa e queremos os três pontos", disse o técnico.
Já do lado do Oliveira do Douro, a equipa tem sido fustigada pelas arbitragens. Com queixas em pelo menos dois jogos, na recepção ao Barrosas e na visita ao terreno do Perafita, a formação azul e branca vem de quatro jogos sem vencer, tendo alcançado uma importante vitória no passado domingo, frente ao São Pedro da Cova. Mário Heitor, treinador oliveirense, mostra-se confiante na sua equipa para um jogo que ainda não conseguiu vencer dentro das quatro linhas, já que na última época a vitória oliveirense foi decretada na secretaria, depois de os candalenses terem sido superiores: "É daqueles jogos que todos querem participar e de vencedor incerto, apesar de o Candal ser favorito porque joga diante dos seus sócios. O nosso objectivo é a manutenção por isso, pontuar é um bom resultado, se bem que seja muito dificil pois o Candal tem objectivos diferentes dos nossos. Espero que seja um bom espectáculo entre duas boas equipas".
Os jogos entre estes dois conjuntos têm sido marcados por alguma tensão e muita rivalidade crescente, chegando mesmo ao ponto de ter terminado com agressões na época 2010/2011, estavam ainda os dois conjuntos na 3ª Nacional, numa partida que terminou empatada a duas bolas.
Apesar do favoritismo natural dos candalenses, o certo é que nos últimos cinco jogos apenas por uma vez conseguiram derrotar o Oliveira do Douro, verificando-se três empates e um vitória para o Oliveira do Douro.
A partida está agendada para o Complexo Desportivo Rei Ramiro e podera ser acompanha, a partir das 15h, na página oficial do blog no Facebook.

Avintes tenta rectificar goleada frente ao Vila FC


O Avintes perdeu no passado domingo por seis bolas a zero frente ao São Félix, um resultado que pode deixar marcas na equipa de Santos Cardoso. 
No próximo domingo, a equipa avintense desloca-se ao Parque Soares dos Reis para defrontar o Vila FC, uma equipa que está em alta no campeonato, ao contrário do Avintes. 
Avelino, avançado avintense, reconhece as dificuldades que a sua equipa terá, devido a tudo o que envolve os jogos com o Vila FC: "Vai ser um jogo muito difícil. O ambiente em Soares dos Reis é pesado e eles estão com a moral em alta, mas temos que dar a volta por cima e vamos lutar pelos três pontos. Vamos tentar ganhar, porque é esse o objectivo", garantiu o jogador.
Já Gonçalo Silva, treinador  dos vilanovenses, acredita que a goleada do passado domingo não reflecte o valor do adversário, a quem espera ganhar: "O Avintes foi goleado, mas isso não reflecte o real valor daquela equipa. Jogamos em casa e queremos ganhar e se tivermos a mesma disciplina, rigor e equilíbrio do passado domingo, podemos sair vencedores desse jogo", afirmou.
Relativamente ao lugar e aos objectivos da equipa para esta época, Gonçalo Silva desvaloriza: "O objectivo principal é a manutenção. Se mais alguma coisa vier, será óptimo, mas neste momento apenas pensamos na manutenção, embora sonhar não seja proibido", adiantou o técnico.
O jogo entre estes dois conjuntos será realizado no Parque Soares dos Reis e tem início marcado para as 15h do próximo domingo.

Rabaça marca três ao Ermesinde e espera repetir o feito no domingo


O Canidelo venceu no passado domingo o Ermesinde por três bolas a uma. A estrela da partida acabou por ser Rabaça, avançado do Canidelo, que na segunda partida que faz esta temporada, apontou o três golos com que os gaienses venceram o último classificado da Divisão de Honra da AF Porto.
No próximo domingo a equipa visita o Dragões Sandinenses, em mais um dérbi gaiense, e Rabaça espera repetir o feito: "Foi uma boa sensação voltar a jogar e marcar logo três golos. Quero agora marcar mais três no domingo! Já não fazia um hattrick há imenso tempo", revelou o avançado de 33 anos, que regressou aos relvados no passado domingo, depois de uma lesão contraída no jogo da primeira jornada.
Relativamente à partida de Sandim, o avançado espera que o Canidelo some os três pontos: "Espero, para além de marcar, também vencer. Fora ainda não perdemos e um bom resultado lá, pode dar-nos moral para o próximo jogo em casa, que é onde ainda não vencemos", revelou Rabaça, que disse ainda ser objectivo do Canidelo "lutar pelos primeiros lugares".
Já do lado do Dragões Sandinenses, Tozé, treinador da equipa de Sandim, espera dificuldades para este jogo, mas está confiante na vitória: "Será certamente um jogo difícil, como todos os dérbis. Canidelo é uma equipa bem organizada e difícil. Esperamos ser mais fortes e conseguir os três pontos", afirmou o técnico.
Nas últimas partidas realizadas entre dois conjuntos, o histórico é favorável aos homens da casa, que ainda não perderam nenhum dos quatro jogos realizados, vencendo três e empatando apenas por uma vez.
A partida terá início às 15h do próximo domingo e será realizada no Estádio do Tourão em Sandim.

Pedroso soma terceira vitória seguida frente ao Sp. Cruz


Local: Estádio Jorge Sampaio (Pedroso)
Hora: 15h
Árbitro: José Santos

Pedroso: Bastos, Cláudio, Pedro Ferreira, Paulo e Alex, Abel, Simão e Diogo, Ricardo, André (Fábio 75') e Reis (Manito 80').
Treinador: Mário Silva

Sp. Cruz: André, Vítor, Chinês (Neves 46'), Fábio e Branco, Domingos, Machado (Renato 78') e Filipe (Afonso 35'), Tiago Cruz, Narciso (Huguinho 84') e Fábio.
Treinador: Jorge Mendes

Resultado ao intervalo: 1-0
Resultado final: 2-1

Marcadores: Simão (25') e Fábio (83') para o Pedroso e Narciso (55 de g.p.) para o Sp. Cruz

O Pedroso somou no passado domingo a terceira vitória consecutiva no campeonato. depois de nas três primeiras jornadas os gaienses terem conseguido apenas um ponto, depois da primeira vitória alcançada sobre o Avintes, não mais parou.
No jogo do passado domingo, porém, a equipa sentiu algumas dificuldades para levar de vencida o Sp. Cruz, até porque os gaienses ficaram reduzidos a dez unidades, por expulsão de Paulo, aos 55', na grande penalidade que deu origem ao golo dos visitantes. Antes, ainda na primeira parte Simão tinha já dado vantagem ao Pedroso. Aos 83' Fábio apontou o segundo golo dos pedrosenses, numa altura em que os portuenses também já jogavam com dez homens, depois da expulsão de Tiago Cruz três minutos antes.
Mário Silva, treinador do Pedroso, destacou a entrega da sua equipa na procura dos três pontos, objectivo que acabaram por conseguir: "Fio uma vitória difícil. Tivemos uma boa primeira parte, onde mandamos no jogo e tivemos oportunidade de ampliar a vantagem, mas não o conseguimos. A segunda parte trouxe um Sp. Cruz com vontade de chegar ao empate, o que conseguiu na marcação de uma grande penalidade. Acabamos por ter mais dificuldades, pois o Sp. Cruz mostrou-se mais organizado, mas a equipa galvanizou-se e uniu-se e conseguimos acabar por vencer o jogo", disse o técnico.
O Pedroso somou assim a terceira vitória no campeonato e subiu ao sétimo lugar, com 10 pontos conquistados. No próximo domingo a equipa desloca-se ao terreno do Senhora da Hora para mais uma partida.


Gulpilhares derrota Valadares e iguala melhor série de vitórias de sempre


Local: Estádio do Gulpilhares
Hora: 15h
Árbitro: Mário Valente

Gulpilhares: Jorge Matos, China, Vilas Boas, Joel e Bolatti, Fabinho, Leonardo (Valente 85') e Diogo (Pereira 35' / Sissé 85'), Batata (Soutelo 50'), Luís e Ricardo Silva.
Treinador: Alexandre Coutinho

Valadares: Clemente, Carvalho, Valente, Moreira e Serginho, Silva (João Diogo 80'), Gasosa (Tó 80') e Juliano, Stuart (Josué 70'), Rooney e Luciano (Fábio 70').
Treinador: Paulo Alexandre

Resultado ao intervalo: 1-1
Resultado final: 2-1

Marcadores: Juliano (25') para o Valadares e Joel (44') e Luís (80') para o Gulpilhares

O Gulpilhares soma e segue na 1ª Distrital. A equipa de Alexandre Coutinho leva já seis jogos consecutivos a vencer, igualando assim a melhor marca de sempre da equipa neste escalão alcançada na última época que começou à 20ª jornada com a vitória sobre o Senhora da Hora por uma bola a zero e terminou à 25ª com a vitória em Perosinho pelo mesmo resultado. Pelo meio Arcozelo (1-3), Rio Moinhos (7-1), Vila FC (1-7) e Marco 09 (2-1) sucumbiram ao melhor futebol da equipa de Alexandre Coutinho.
No entanto, as coisas não foram fáceis na partida do passado domingo. Pela frente estava o Valadares, que também já não perdia há mais de seis meses, sendo que a última derrota teve lugar em Janeiro, frente ao Progresso, em partida referente à 2ª Distrital.
Numa partida onde o equilíbrio foi a nota dominante, o Valadares entrou melhor e adiantou-se no marcador na primeira parte, à passagem do minuto 25, por intermédio de Juliano. O Gulpilhares não baixou os braços e ainda antes do intervalo Joel reestabeleceu o empate. Já na segunda parte e depois de Rooney ter falhado uma oportunidade soberana para o Valadares, Luís, aos 80', fez o segundo golo da partida e deu os três pontos à sua equipa.
Do lado do Gulpilhares, Leonardo, médio que este ano regressou á formação gaiense, realçou a presença dos adeptos no estádio e deixou elogios ao adversário: "Gostaria de começar por realçar a moldura humana que esteve presente no passado domingo em Gulpilhares. É bom jogar com a bancada cheia. O Valadares vendeu cara a derrota, foi um dérbi bem disputado onde na primeira parte notou-se o equilíbrio das duas equipas. Na segunda parte, com o jogo empatado, entramos com vontade de resolver rapidamente e penso que fomos claramente mais fortes. Julgo que o resultado é justo. Parabéns a equipa de arbitragem que fez também um bom jogo e deixou o protagonismo para os jogadores", afirmou
Paulo Alexandre, treinador do Valadares, destaca o espírito de grupo existente e que se mantém intacto após esta derrota: "Foi um jogo interessante, disputado por duas boas equipas, onde na minha opinião fomos superiores na primeira parte e onde conseguimos marcar um golo. Quero deixar uma palavra aos meus atletas, já que demonstraram grande crer e espírito de entre-ajuda. Perdemos ao fim de mais de seis meses mas continuamos a ser um grande grupo", realçou o treinador.
O Gulpilhares visita o Lavrense, no próximo domingo e o Valadares recebe o Progresso, em partidas referentes à sétima jornada do campeonato e com início marcado para as 15h.

Vila FC vence em Lavra e já é sexto


Local: Complexo Desportivo de Lavra
Hora: 15h
Árbitro: Eduardo Cardoso

Lavrense: Telmo, Dani, Filipe, Leandro e Couto, Grilo, Stephan e Amaral (Ricardo 61'), Gonçalo (Jota 74'), Tiago Carvalho e Seabra (Cardoso 64').
Treinador: Eduardo Paixão

Vila FC: Stephan, Guedes, Bruno, Teixeira e Miguel, André, Marcos (Diogo César 63') e Nico, Marco (João Paulo 79'), Pedrinho (Nando 79') e Pedro Miguel (Zé Paulo 63').
Treinador: Gonçalo Silva

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 0-1

Marcador: Teixeira (62')

O Vila Fc venceu no passado domingo o Lavrense, no terreno deste, por uma bola a zero. A equipa de Gonçalo Silva vinha de dois jogos seguidos sem vencer, somando um empate e uma derrota, mas conseguiu superar a bem organizada formação matosinhense e um golo de Teixeira, já no segundo tempo, deu os três pontos aos gaienses.
Gonçalo silva, técnico do Vila FC, estava contente com o resultado alcançado: "Controlamos o jogo. O Lavrense apenas criou perigo num lance de bola parada, ao passo que nós dispusemos de várias ocasiões para marcar. Acabamos por chegar ao golo também num lance de bola parada, mas a equipa mostrou espírito de sacrifício, entreajuda e muita vontade de vencer, por isso, está de parabéns", revelou o técnico.
Com este resultado o Vila FC ascendeu ao sexto lugar com 10 pontos. Para o técnico, apesar da proximidade dos primeiros lugares, o objectivo continua a ser a manutenção: "O objectivo principal é a manutenção. Se vier mais alguma coisa, é claro que será sempre bem-vinda. Mas o objectivo principal é garantir a permanência", disse.
O Vila FC recebe no próximo domingo o Avintes, em mais um dérbi gaiense.

Crestuma perde em casa com o Vila Chã


Local: Centro de Estágios Olival/Crestuma
Hora: 15h
Árbitro: Bruno Ferreira

Crestuma: Romeu, André, Samuel, Filipe e Paulito, Dinis, Rochinha e Gustavo (Fábio 70'), Paulo Sérgio (Marco 80'), Tiago (Tito 42') e Campos (Marco 80').
Treinador: Sebastião Oliveira

Vila Chã: Schurman, Xota, Nélson (Fábio 70'), Abílio e Casquer, Postiga, Márcio e Bruno Rodrigues (João Paulo 70'), Bruno Alves (Gil 70'), Amilcar e Bento (Ademar 62').
Treinador: Euclides Teixeira

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 1-2

Marcadores: Filipe (63') para o Crestuma e Casquer (79') e Samuel (90+2' na p.b.) para o Vila Chã

O Crestuma perdeu no último domingo, na recepção ao Vila Chã, por duas bolas a uma. A equipa de Sebastião Oliveira ainda se adiantou no marcador, por intermédio de Filipe, já no decorrer do segundo tempo, mas nos últimos dez minutos viu os visitantes darem a volta ao marcador, primeiro com um golo de Casquer (79') e depois com a infelicidade de Samuel, que já no período de compensação introduziu a bola na própria baliza.
Sebastião Oliveira, treinador dos gaienses, estava descontente com o resultado alcançado: "Não entramos muito bem nos primeiros 30 minutos, onde estivemos apáticos e sem dinâmica. Depois, com algumas alterações,  melhoramos e acabamos a primeira parte a merecer mais do que o empate. Na segunda entramos mais fortes, com uma atitude e determinação de quem queria ganhar o jogo e acabamos por fazer o golo no nosso melhor período. Penso que a partir dai o Vila Chã, com um futebol  mais directo, conseguiu algumas situações de perigo mas sem nunca incomodar o nosso guarda redes", analisou o técnico, abordando os minutos finais do encontro e que determinaram o vencedor da partida: "Aos 80 minutos, numa falta inventada pelo árbitro, resultou no golo do empate e com dez minutos para jogar fomos novamente á procura do golo, até que na ultima jogada do encontro o nosso adversário chega a vitoria num auto-golo. Se o empate sabia a pouco a derrota deixou-nos tristes", lamentou Sebastião Oliveira.
O Crestuma ocupa agora a quinta posição, com 10 pontos, e no próximo domingo visita o terreno do Leça do Balio. O treinador afirma que a equipa irá procurar a vitória: "Temos a vontade de no próximo jogo, frente ao Leça do Balio, lutar pela vitoria com  todo o nosso empenho e dedicação", afirmou o técnico.

25 de outubro de 2012

Dragões Sandinenses perdem em Rio Tinto


Local: Estádio do Rio Tinto
Hora: 15h
Árbitro: Carlos Andrade

Rio Tinto: Arantes, Duarte, Joel, Araújo e João Pereira, Marco Araújo, Miguel (Fábio 90') e Hugo (Salgueiros 90'), Kika (Samuel 75'), Marco Cláudio (Piscinas 75') e Rui Miguel (Rui Miguel 75').
Treinador: Filipe Alves

Dragões Sandinenses: Xavier, Preto (Pedro Abel 70'), Rui Sousa (Joel 83'), Barreiros e Bruno Gomes, Miguel, Gerson (Bruno rocha 70') e Jesus, Nuno Silva, Palheira e Quinzinho.
Treinador: Tozé

Resultado ao intervalo: 1-0
Resultado final: 2-0

Marcadores: Joel alves (24' de g.p.) e Kika (68')

O Rio Tinto venceu no passado domingo o Dragões Sandinenses por duas bolas a zero. A equipa orientada por Filipe Alves regressou assim às vitórias depois do empate na jornada passada, frente ao São Martinho, com um golo em cada parte a selar a conquista de mais três pontos, colocando a equipa na oitava posição, com oito pontos, os mesmos do adversário deste jogo e também do Canidelo.
Tozé, técnico dos sandinenses, referiu que o jogo foi equilibrado e que o Rio Tinto aproveitou o balanceamento da sua equipa, para conquistar os três pontos: "Foi um jogo equilibrado. O Rio Tinto marcou o primeiro golo ainda na primeira parte, na sequência de pontapé de baliza que deu origem a uma grande penalidade. Já na segunda parte, quando corremos atrás do prejuízo, a equipa adversário aproveitou o nosso balanceamento atacante para marcar outro golo e selar a vitória", disse.
O Dragões Sandinenses recebe no próximo domingo o Canidelo, num interessante duelo entre as duas equipas.

Candal empata em Alpendorada


Local: Estádio do Alpendorada
Hora: 15h
Árbitro: Joaquim Pinto

Alpendorada: Mika, Tozé, Emanuel, Rúben (Gato 84') e João Luis, André, Tiago e Coelho, Ricardo, Hugo Baptista e Litos (Luís Carlos 65').
Treinador: José Vareira

Candal: Sérgio Lima, João Paulo, Marco (Vinagre 60'), Pedro Santos e Johny, Fanisca, Hugo e Cláudio (Káká 87'), André, Ferraz e Tiga.
Treinador: Paulo Gentil

Resultado ao intervalo: 0-0
Resultado final: 0-0

O Candal empatou no passado domingo, na deslocação ao terreno do Alpendorada, a zero. A formação gaiense somou assim o terceiro empate no campeonato, tendo em conta que a equipa tem menos um jogo, devido à suspensão do jogo entre os candalenses e o São Martinho, agendado para Novembro.
Paulo Gentil, técnico do Candal, gostou do desempenho da sua equipa e criticou a comunicação social nacional: "Em termos ofensivos fizemos o melhor jogo da época fora de casa, ao contrário do que diz a comunicação social nacional. Não percebo como podem dizer uma coisa daquelas. Fizemos de tudo para conseguir somar os três pontos, tivemos inclusive uma bola na barra. O nosso guarda-redes se tocou duas vezes na bola foi muito", disse o técnico, que por tudo isto refere que "a equipa vai mostrando que está em crescimento. Pelo que fizemos neste jogo, merecíamos os três pontos", concluiu Paulo Gentil
A equipa recebe no próximo domingo o Oliveira do Douro, em mais um dérbi gaiense.

Sérgio Espírito Santo: "Vamos dar a volta por cima"

Sérgio Espírito Santo, ex-Leverense, é o treinador do São Pedro da Cova

O São Pedro da Cova perdeu no passado domingo com o Oliveira do Douro, por duas bolas a uma, e somou a quarta derrota consecutiva no campeonato depois de ter conseguido duas vitórias na duas primeiras jornadas. Sérgio Espírito Santo, treinador da formação gondomarense, desvaloriza essa questão e afirma que a sua equipa irá dar a volta por cima: "Existiram vários factores que não permitiram que o São Pedro da Cova estivesse na máxima força em todos os jogos até agora realizados, mais ainda quando se tem um plantel jovem e curto. Mas não vou agora aqui, nem me desculpar pelas derrotas, nem dizer quais os problemas porque nós passamos. No Sõ Pedro da Cova todos nós sabemos as dificuldades que temos que enfrentar diariamente e que, o grupo com maior ou menor dificuldade, vai dar a volta por cima", garantiu o treinador.
Relativamente ao jogo com os oliveirenses, Sérgio Espírito Santo diz que a sua equipa não esteve ao seu melhor nível: "Penso que o jogo na primeira parte não foi muito bem jogado, com a minha equipa um pouco aquém do valor que tem, a não conseguir fazer uma boa circulação de bola como pode e deve fazer. O início da segunda parte não podia ser pior, onde sofremos o empate e consentimos o 2-1 logo de seguida,  num lance de duplo canto, onde o primeiro não existiu, só na cabeça do auxiliar. A jogar com menos um jogador e em desvantagem no resultado, procuramos reagir mais com o coração do que com a cabeça, onde após algumas alterações posicionais na equipa, conseguimos fazer recuar o Oliveira do Douro, mas sem conseguir chegar com perigo à zona de finalização. Na minha opinião o momento do jogo foi a expulsão do nosso jogador", referiu Sérgio Espírito Santo.
Baião é o próximo adversário dos
gondomarenses
O próximo jogo do São Pedro da Cova é com o Baião, equipa que ocupa a segunda posição na classificação e que este fim-de-semana perdeu com o Perafita. Sérgio Espírito Santo mostra confiança para esta partida: "Esperamos trabalhar muito e que a equipa volte a mostrar o valor que já mostrou em alguns jogos e a vitória seja nossa. Sabemos que o Baião é uma equipa bem organizada e de grande valor, mas em casa queremos mandar nós", concluiu o técnico.
O São Pedro da Cova recebe o Baião no próximo domingo, às 15h.

24 de outubro de 2012

São Félix dá 'chapa' seis ao Avintes e já é segundo


Local: Complexo Desportivo de São Félix 
Hora: 15h
Árbitro: Bruno Linhares

São Félix: Isaac, Ruca (Diogo Varela 88'), Luís Almeida, Leal e Joel, Júlio, Mota (Alvarenga 79') e Didi (Reis 88'), Tiago Rocha (Hugo 70'), Nélson Oliveira (Tiago Costa 88') e Bruninho.
Treinador: Manuel António

Avintes: Ricardo Reis, Filipe, Rafael, Fábio Rocha (Horácio 46') e Hugo Ferreira (Bruno Carneiro 79'), Fábio Pinto (Telmo 86'), Ricardo Fernandes e Avelino, Alberto, Pedroso (Baldaia 46') e Serrinha (Hélder Magalhães 46').
Treinador: Santos Cardoso

Resultado ao intervalo: 3-0
Resultado final: 6-0

Marcadores: Bruninho (17'), Nélson (39'), Tiago Rocha (41' de g.p. e 74'), Júlio (82') e Hugo (90+1')

O Avintes foi cilindrado no passado domingo, na visita ao terreno do São Félix, ao perder por seis bolas a zero. A equipa de Manuel António foi superior em todos os aspectos da partida e chegou ao intervalo a vencer já por 3-0. Na segunda parte e com mais um elemento em campo, a vantagem foi aumentando, alcançando números que já não são já muito habituais.
Manuel António, treinador do São Félix, estava contente com o resultado alcançado e destacou o trabalho da sua equipa: "Foi um jogo espectacular da minha equipa. Foi superior em todos os sentidos do jogo ao Avintes, que apesar de não baixar os braços nunca, não conseguiu contrariar a nossa superioridade. Mantivemos sempre a mesma postura durante todo o jogo e isso permitiu-nos construir este resultado, Foi uma tarde inspirada da equipa", disse o técnico.
Já do lado do Avintes, o avançado Avelino comentou o jogo, referindo que tudo correu mal: "Correu tudo mal. Tivemos falta de eficácia em algumas situações do jogo, pois tivemos oportunidades para marcar mas não conseguimos. Julgo que a falta que deu origem ao primeiro golo é inexistente e depois também tivemos um central expulso. O técnico depois tentou arriscar tudo, mas não conseguimos alterar o rumo dos acontecimentos", referiu.
Com este resultado, o São Félix ascendeu à segunda posição da classificação, com 14 pontos, os mesmos do Progresso. Já o Avintes ocupa a 12º lugar com apenas sete pontos conquistados.

Oliveira do Douro vence quatro partidas depois


Local: Estádio Mnucipal da Lavandeira
Hora: 15h
Árbitro: Nélson Pascoal

Oliveira do Douro: Ricardo, Nicola (João Pinto 18'), Isidro, Bruno Cardoso e Rómulo, Pedrinho (Tiago 78'), Rúben (Diogo 62') e Dani, Bruninho, Hugo Figueiredo e Miguelito (Miguel Neves 40').
Treinador: Mário Heitor

São Pedro da Cova: Miguel mota, Castro, André (Vitinha 70'), Nuno e Paulo Silva, Zé d'Angola, Bosingwa e Magano, Bertinho, Dani e Fernandes (Bessa 83').
Treinador: Sérgio Espírito Santo

Resultado ao intervalo: 0-1
Resultado final: 2-1

Marcadores: Dani (25') para o São Pedro da Cova e Hugo Figueiredo (49' e 64') para o Oliveira do Douro

O Oliveira do Douro regressou às vitórias no passado domingo ao receber e vencer o São Pedro da Cova por 2-1. A formação gaiense ainda teve que suar para conseguir somar os três pontos, já que os visitantes se adiantaram no marcador ainda na primeira parte, por intermédio de Dani, aos 25 minutos de jogo. Porém já no segundo tempo o génio de Hugo Figueiredo fez-se notar e com dois golos deu a volta ao marcador e devolveu a sua equipa às vitórias, depois de três derrotas seguidas e um empate.
Mário Heitor, treinador dos oliveirenses, dividiu o jogo em dois momentos. A primeira parte foi marcada pela ansiedade e pelas poucas oportunidades de golo. Ainda assim, o São Pedro da Cova adiantou-se no marcador: "Foi extremamente difícil, muito devido à ansiedade dos meus jogadores em querer regressar às vitórias na nossa casa. Esta ansiedade provocou pouca clarividência e algum medo de arriscar, o que fez com que a primeira parte fosse monótona e com poucas oportunidades. O São Pedro da Cova marcou um golo aos repelões entre ressaltos e pouco discernimento, talvez na única vez que se aproximou da nossa área", começou por analisar o técnico, que destacou a organização do adversário para realçar a importância deste resultado: "A segunda parte foi em tudo diferente, com muito mais atitude e vontade do que a verificada na primeira metade. Fomos superiores, criamos vários lances para finalizar e tivemos a sorte de marcar nos momentos certos. O São Pedro da Cova é uma excelente equipa, muito bem organizada, o que faz com que esta vitória seja muito motivante", acrescentou o técnico.
Este resultado leva a equipa até ao 12º posto, com sete pontos, em vésperas de visitar o Candal, em mais um dérbi gaiense. Já o São Pedro da Cova não vence há quatro jogos, somando por derrotas essas mesmas partidas realizadas. 

Leverense perde em casa com o Foz


O Leverense perdeu no passado domingo, em casa, com o Foz por 1-2. A equipa de Manuel Rocha interrompeu assim a série vitoriosa que já ia em quatro partidas.
O foz marcou ainda na primeira parte por intermédio de Rodrigo, aos 17 minutos e já no segundo tempo Breck empatou. Porém Filipe Silva apontou o segundo golo dos portuenses e consumou assim a vitória do Foz em Gaia.
Manuel Rocha, técnico do Leverense, reconheceu a má exibição da equipa: "A equipa não esteve bem, entramos mal no jogo, tivemos um lance de grande penalidade a nosso favor que o juiz não assinalou. Penso que sentimos um pouco a pressão de termos quatro vitórias seguidas. Sofremos o primeiro golo, reagimos, mas acabamos por voltar a sofrer o segundo, numa falha individual. Ainda conseguimos marcar um golo quando havia 1-1, mas o juiz anulou por falta sobre o guarda-redes, quando este largou a bola. Dei os parabéns ao adversário e é certo que estivemos mal neste jogo", reconheceu Manuel Rocha.
Com este resultado o Leverense caiu para o quarto lugar da tabela com 12 pontos somados até ao momento. A formação gaiense visita o Vila Chã no próximo domingo.

Fora do Jogo - Programa 5

Aqui está o programa do passado dia 1 de Outubro, onde abordo o dérbi entre os Dragões Sandinenses e o Serzedo, bem como as agressões ao árbitro Ricardo Vigario, na partida entre o Ramaldense e o Canelas 2010. A não perder, a partir do minuto 18. Aguardo críticas e sugestões...



23 de outubro de 2012



O Torrão somou a segunda vitória seguida no campeonato, ao visitar e derrotar o Medense por três bolas a zero, o mesmo resultado que alcançou na semana anterior perante o Águas Santas.
A equipa de Renato Castelo somou assim mais três pontos e ascendeu ao sexto lugar, com sete pontos. Os golos dos gaienses foram apontados por Pedro João Rodrigues e Faria e traduziram o domínio que Torrão teve durante a partida.
Renato Castelo, técnico dos gaienses, referiu que foi um bom resultado frente a uma equipa bastante difícil: "No domingo passado, tivemos um excelente resultado fora. Depois de termos ameaçado em Campo, desta vez conseguimos trazer os três pontos em disputa para casa. Foi um jogo num campo complicado e contra uma equipa interessante. Não serão muitas as equipas a pontuar (e ganhar) em casa do Medense" e não deixou de dar os parabéns aos seus jogadores: "Daqui quero parabenizar todos os atletas do Torrão, os que jogaram e os que não jogaram, já que sem eles estes resultados não seriam possíveis. Todos somos importantes para o sucesso do grupo, rematou o técnico.
No próximo domingo o Torrão defronta o Inter Milheirós, lider da tabela, e espera dificuldades: "Subimos mais um degrau da longa escada que estamos a percorrer. Agora jogamos contra o primeiro classificado e vamos atrás dos três pontos, já que jogamos em casa. Estes pontos são necessários para continuar a nossa caminhada, finalizou Renato Castelo.

22 de outubro de 2012

Jogo atípico termina empatado a uma bola


Local: Estádio do Serzedo
Hora: 15h
Árbitro: Nuno Lopes, auxiliado por Bruno Nogueira e André Vilaça

Serzedo: César, André, Tiago Dias, Luis e Diogo (Nuno Velha 61'), Domingues (Ruizinho 61'), Rui Franco, João Reis (Veiga 82'), Joãozinho (Vitinha II int.) e Vitinha, Pedro Gabriel.
Treinador: Pedro Dominguez

Perosinho: Rui Leite, Andrade, Gerson, Hélder (Ivo 64') e André (Fábio 56'), João Alves (Neves int.), Joel (Barbosa 64') e Marco, Ricardo, Pedro e Pedrito.
Treinador: Allen

Resultado ao intervalo: 0-1
Resultado final: 1-1

Marcadores: Pedrito (14') para o Perosinho e Nuno Velha (84') para o Serzedo.


Serzedo esteve 45' à deriva, mas ainda foi a tempo de conseguir somar pontos

Perosinho esteve por cima do jogo durante a primeira parte mas não foi além uma igualdade

O Serzedo recebeu o Perosinho, numa partida que teve uma boa moldura humana presente no estádio, apesar do tempo pouco convidativo. Numa partida marcada pelas excessivas paragens de jogo, o resultado acaba por se aceitar.

O Serzedo entrou mal no jogo e acabou por conceder 45' de domínio do Perosinho, que não se fez rogado e fez o que quis durante toda a primeira parte, sem que os jogadores da casa conseguissem alterar o rumo dos acontecimentos. A jogar com pouca agressividade ao homem da bola e dando muitos espaços, os comandados de Allen foram criando situações de golo ao passo que os serzedenses não conseguiam encontrar os caminhos para a baliza de Rui Leite e apenas de fora da área foram criando situações de perigo. O Perosinho acabou por chegar à vantagem aos 14' de jogo, curiosamente numa fase em que ninguém havia conseguido ainda incomodar qualquer guarda-redes, com André a desmarcar Ricardo, que centrou para a zona de grande penalidade onde apareceu Pedrito a desviar. Porém, após o golo, o jogo entrou numa fase com menos ritmo, com constantes paragens para assistência dos jogadores visitantes, o que foi causando bastante nervosismo na assistência e no banco o Serzedo. Já na fase final da primeira parte o Perosinho poderia ter chegado ao golo por duas ocasiões, mas tanto Tiago Dias como César evitaram males maiores a remates de Ricardo e Marco respectivamente. O resultado ao intervalo acabava por ser lisonjeiro para o Serzedo, que pouco ou nada fez para alterar o rumo dos acontecimentos.
A segunda parte trouxe disposições diferentes nas duas equipas. Se o Serzedo entrou determinado em dar a volta ao marcador, já o Perosinho preocupou-se em segurar a vantagem. Forçados a fazer substituições ao intervalo, ambas por lesão, com Neves a substituir João Alves no Perosinho e Vitinha II a render Joãozinho no Serzedo, os homens da casa foram ganhando os lances a meio campo, obrigando o Perosinho a recuar, o que proporcionou diversas ocasiões de golo falhadas, para desespero dos adeptos. Logo aos 47' João Reis surgiu isolado frente a Rui Leite, mas apesar do forte remate este foi à figura do guardião. Três minutos depois, numa boa jogada de entendimento do ataque do Serzedo, Vitinha II apareceu sozinho do lado esquerdo do ataque, mas o centro não encontrou ninguém na área. O Perosinho tentava de todas as formas segurar a vantagem, mas o Serzedo mantinha o empenho em virar os acontecimentos e aos 69' Pedro Gabriel atirou à barra, depois de uma boa jogada de João Reis pela direita do ataque. Do lado do Perosinho, as constantes paragens para assistência dos seus jogadores foi retirando algum brilho ao jogo, quebrando o ritmo do mesmo e levando os adeptos do Serzedo a um autêntico ataque de nervos nas bancadas. À passagem dos 75' os adeptos do Perosinho ficaram a reclamar grande penalidade, mas o lance não foi claro e segundos depois João Reis teve o golo nos pés, mas depois de uma jogada de esforço de Nuno Velha que lhe deu o golo de bandeja, o extremo chegou um nada atrasado para rematar. Mas tanto esforço acabou por ser recompensado, com Nuno Velha a marcar o golo do empate, depois de uma excelente jogada de entendimento entre Pedro Gabriel e Vitinha II a terminar com o centro do 9 serzedense para Velha apenas ter que encostar.
Os minutos finais foram de bastante intensidade e, já no período de compensação, o Serzedo dispôs de soberana oportunidade para marcar, quando o juiz da partida apontou jogo perigoso de um defesa do Perosinho dentro da área, motivando a marcação de um livre indirecto. Depois de uma primeira oportunidade em que um jogador do Serzedo introduziu a bola na baliza, mas antes do árbitro ter dado ordem para marcar, invalidando o lance, à segunda a bola não passou da barreira perdendo-se assim uma boa chance de virar o marcador. Segundos depois o jogo chegou ao fim, com algum nervosismo à flor da pele, com algumas trocas de empurrões entre os jogadores das duas equipas.
Relativamente ao trabalho do árbitro, este acabou por desempenha-lo de forma aceitável, pecando apenas no tempo de compensação. Se na primeira parte os seis minutos se ajustam, no segundo tempo os cinco minutos concedidos foram poucos, tendo em conta as substituições efectuadas e as paragens para assistência dos jogadores visitantes. Quanto ao lance da grande penalidade sobre Ricardo, fica o benefício da dúvida. O empate registado no final acaba por ser justo, tendo em conta aquilo que as duas equipas fizeram durante os noventa minutos.

Têm a palavra

Pedro Domingues (Treinador do Serzedo): "Falharam várias coisas neste jogo. Entramos mal e na primeira parte quase não existimos. Na segunda entramos melhor, mais agressivos, com mais qualidade na procura de espaços e na circulação de bola. Os jogos têm 90' e acabamos por pagar caro pela primeira parte. Depois de perdermos dois pontos em casa, podemos agarrar-nos a tudo. As paragens do jogo acabaram por quebrar o ritmo, independentemente do árbitro ter dado tempo extra. Quero acreditar que os jogadores quando pedem assistência, precisam mesmo dela".

Allen (Treinador do Perosinho): "Faltou termos mais serenidade na saída para o ataque. Poderíamos ter aproveitado da melhor forma os espaços que o Serzedo nos deu. Em relação ao jogo, tivemos que alterar algumas coisas pois fomos obrigados a fazer três substituições forçadas, com os adeptos e dirigentes do Serzedo a acusarem-nos de fazer anti-jogo e com queixas do árbitro. Apenas posso dizer que analise primeiro o jogo e depois digam quem tem queixas do árbitro".